A tecnologia assistiva no ensino superior: reflexões sobre seu uso para alunos ouvintes e surdos

Carine Toso, Elisabete Cerutti, Suzete Grandi, José Anderson Santos Cruz

Resumo


Sabe-se que as tecnologias assistivas buscam reduzir as limitações físicas, podendo romper barreiras e aproximar a comunicação entre sujeitos surdos e ouvintes. Tendo como preocupação os alunos surdos no ensino superior, este trabalho visa a descrever como a cibercultura pode ser um elemento desencadeador de produção de tecnologias assistivas para os alunos surdos. Este trabalho é de cunho bibliográfico, elaborado mediante leitura sistemática de livros e artigos, ressaltando os pontos abordados pelos autores. Inicialmente, serão apresentadas considerações sobre as tecnologias assistivas presentes na sociedade e suas relações com os sujeitos. Em um segundo momento, os conceitos de cibercultura e ciberespaço serão explicitados na intenção de esclarecê-los para, posteriormente, relacioná-los às tendências e evoluções das tecnologias assistivas no Brasil/mundo. Dentre as tecnologias assistivas existentes, este trabalho prioriza as tecnologias da informação e comunicação voltadas para auxiliar a comunicação entre sujeitos surdos e ouvintes presentes nas instituições de ensino superior. Os resultados descrevem que o acesso às Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) pelas pessoas surdas ou com deficiência é um recurso que desencadeia transformações sociais, além de mudanças na forma como o conhecimento é construído. Conclui-se que os recursos tecnológicos saciam parte das limitações oriundas da deficiência auditiva, minimizando as barreiras na comunicação entre ouvintes e surdos.

Palavras-chave


Cibercultura; Tecnologias assistivas; Surdos e ouvintes; Ensino superior.

Texto completo:

PDF XML

Referências


ADORNO, T. Educação após Auschwitz. 2003. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2017.

BETTS, D. N. Desafios para o docente do século XXI: o impacto das novas tecnologias de informação e comunicação. In: DANYLUK, Ocsana Sônia. QUEVEDO, Hercília Fraga de; MATTOS, Mára Beatriz Pucci de (Org.). Passo Fundo: UPF, 2005.

BIZELLI, J. L.; CUNHA DARIDO, M. O processo de construção da Unesp corporativa. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v.8, n.2, 2013.

BRASIL. Decreto Federal nº3.298, Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências. Brasília, 20 de dezembro de 1999.

CARNEIRO, R. U. C.; UEHARA, F. A inclusão de alunos público-alvo da educação especial no ensino fundamental I através do olhar dos professores. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 11, n. esp. 2, p.911-934, 2016. DOI: 10.21723/riaee. v11. esp2. p911-934.

GALVÃO FILHO, T. A. Tecnologia Assistiva para uma Escola Inclusiva: Apropriação, Demandas e Perspectivas. 2009. 346 f. Dissertação (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, UFBA, Salvador, 2009.

GRINSPUN, M. P. S. Z. Educação Tecnológica. In: GRINSPUN, Mírian Paura Sabrosa Zippin (Org.) Educação Tecnológica: desafios e perspectivas. São Paulo, Ed. Cortez, 1999.

LAUAND, G. B. A. Fontes de informação sobre tecnologia assistiva para favorecer à inclusão escolar de alunos com deficiências físicas e múltiplas. Tese (Doutorado em Educação Especial) Programa de Pós-graduação em Educação Especial, Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, 2005.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

MARTÍNEZ, D. É. G.; BIZELLI, J. L.; INFORSATO, Edson do Carmo. Tecnologias de informação e comunicação no ensino superior: o ambiente virtual de aprendizagem em curso semipresencial. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 12, n. esp. 2, p. 1349-1371, ago./2017. E-ISSN: 1982-5587. DOI: 10.21723/riaee.v12.n.esp.2.10302.

MCT – Ministério de Ciência e Tecnologia, 2005. Disponível em: . Acesso em: 06 jun. 2017.

MORAN, J. M. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: ed. Papirus, 2012.

NOGARO, A.; CERUTTI, E. As tics nos labirintos da prática educativa. Curitiba: CRV, 2016.

NONATO, E. R. S. Novas tecnologias, educação e contemporaneidade. Rev. Práxis educativa. Ponta Grossa: PR, v. 1, n. 1, p. 77-86, jan.-jun 2006.

PERNISA JUNIOR, C.; VIANA, F. Interfaces do Saber: o uso das tecnologias digitais na difusão do conhecimento. Impulso, Piracicaba • 20(49), jan.-jun. 2010.

PINTO, A. M. As novas Tecnologias e a educação. 2004. Disponível em: . Acesso em: 08 jun. 2017.

SANTAROSA, L. M. C. “Escola virtual” para a educação especial: ambientes de aprendizagem telemáticos cooperativos como alternativa de desenvolvimento. Revista de Informática Educativa, Bogotá, v. 10, n. 1, p. 115-138, 1997.

SARTORI, D. V. B.; BERMEJO, L. J.; TANAKA, E. Z.; SANTOS CRUZ, J. A. C.; CAPETTI, L.; FERREIRA, L. R. Estudo analítico de publicações sobre EaD na educação especial como ferramenta pedagógica. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 12, n. 2, p. 862-883, 2017. E-ISSN: 1982-5587. DOI: 10.21723/riaee. v 12. n 2. 9825.

STUMPF, M. R. Mudanças estruturais para uma inclusão ética. In: QUADROS, Ronice. Estudos Surdos III. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2008. p.14-29.

VALENTE, J. A. As tecnologias e a verdadeira inovação. Pátio. Ano XIV - Nº 56 - Como as tecnologias transformam (ou não) a educação - Novembro 2010 / Janeiro 2011.

VOSGERAU, D. Sant'Anna R.; ROSSARI, M. Princípios orientadores da integração das tecnologias digitais ao projeto político-pedagógico. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 12, n. 2, p. 1020-1036, 2017. E-ISSN:1982-5587. DOI: 10.21723/riaee.v12.n2.9051.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v22i3.11874



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.