Complexidade e incerteza: considerações sobre a formação de gestores em tempos de mudança

João Augusto Gentilini

Resumo


Este artigo procura identificar alguns marcos históricos referenciais a partir dos quais surge o que se pretende um "novo consenso" em termos de formação de gestores, especialmente para a área educacional. Este novo consenso ancora-se nas categorias de "incerteza" e "complexidade" que domina a literatura ultimamente produzida. O gestor e o planejador, formados nos modelos organizacionais centralizados, verticalizados e burocratizados, tanto na área pública quanto privada, já não teriam condições de responder às pressões e demandas da sociedade, sobretudo após as grandes mudanças tecnológicas, produtivas e gerenciais do finais das décadas de 70 e 80. Mostra que há uma transposição unilateral, primeiro, das exigências de gestão surgidas nos países capitalistas centrais e, segundo, uma transposição da área privada, em contextos de crise, para a área pública.

Palavras-chave


Gestão; Complexidade; Incerteza; Crise; Mudança, Competências; Organização;

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v0i3.9144



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.