Gestão escolar democrática e a pedagogia histórico-crítica: contradições, limites e possibilidades

Alexandra Vanessa de Moura Baczinsk, Sueli Ribeiro Comar

Resumo


Este artigo problematiza a questão da gestão escolar democrática e sua relação com a teoria da pedagogia histórico-crítica. O problema teórico que instiga este estudo consiste em compreender como é possível uma gestão democrática na escola, cuja função é formar para a sociedade capitalista e reforçar os ideais desse modelo de sociedade? Para o debate intelectual que agora se inicia três momentos são relevantes. O primeiro aborda a relação entre as teorias da administração científica – Taylorismo, Fordismo e Toyotismo – com o discurso da gestão democrática. O segundo trata da matriz teórica da Pedagogia Histórico-Crítica, por entendermos que o referido suporte teórico, pautado no materialismo histórico,  possibilita desmistificarmos as relações de poder intrínsecas nas teorias administrativas, as quais ainda estão presentes na conjuntura da escola. E por fim, pretende-se uma reflexão acerca dos limites e possibilidades para a realização da  gestão escolar democrática, com base na pedagogia histórico-crítica, em tempos de escola neoliberal. A pesquisa bibliográfica foi utilizada como metodologia para realização desse estudo. Concluímos que a gestão democrática é uma necessidade da classe trabalhadora, portanto, não podemos ficar esperando que um modelo democrático de administração seja elaborado e enviado as escolas pelos órgãos centrais.


Palavras-chave


Gestão escolar democrática; Pedagogia histórico-crítica; Capitalismo; Escola pública.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v20.n2.9452



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.