Avaliação enquanto instrumento para nortear a inclusão escolar

Autores

  • Stephânia Cottorello Vitorino Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara
  • Sonia Maria Duarte Grego Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara – SP

DOI:

https://doi.org/10.30715/rbpe.v19.n2.2017.10900

Palavras-chave:

Educação inclusiva. Avaliação. Deficiência intelectual.

Resumo

O presente trabalho é um recorte da Tese de Doutorado etem como objetivodiscutir a avaliação escolar dentro do contexto inclusivo, em uma escola para todos. Primeiramente é abordado o impasse da avaliação e os conflitos que a mesma proporciona para alunos, professores e gestores. Também é abordado o papel da avaliação classificatória, construída culturalmente, portanto, distante do seu objetivo enquanto instrumento de reflexão sobre a ação pedagógica e consequentemente sobre a aprendizagem do aluno. Em seguida, é abordada a educação para todos, mais especificamente o aluno com deficiência intelectual no contexto de uma escola inclusiva, e a avaliação enquanto instrumento capaz de nortear uma educação que realmente atenda as necessidades específicas de cada aluno. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Stephânia Cottorello Vitorino, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar

Sonia Maria Duarte Grego, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara – SP

Professora Adjunto  do Departamento de Didática

Referências

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Institui as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Resolução n.2, de 11 de setembro de 2001. Diário Oficial da União: República Federativa do Brasil, Câmara de Educação Básica, Brasília, DF, 14 set. 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf. Acesso em: 14 nov. 2017.

DUK, C.; MURILLO, F. J. Una evaluación inclusiva para una educación inclusiva. Revista Latinoamericana de Educación inclusiva, Chile, v.6, n.1, p.11-13, 2012. Disponível em: http://www.rinace.net/rlei/numeros/vol6-num1/editorial.pdf. Acesso em: 14 nov. 2017.

FERNANDES, D. O papel dos professores no desenvolvimento da avaliação para as aprendizagens. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO, 8., 2009, Olinda. Anais... Olinda: Sapiens, 2009. Disponível em: http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/5884/1/O%20Papel%20dos%20professores%20no%20desenvolvimento%20da%20avaliac%CC%A7a%CC%83o.pdf. Acesso em: 14 nov. 2017.

GLAT, R. et al. Estratégias pedagógicas para a inclusão de alunos com deficiência mental no ensino regular. In: GLAT, R. (Org.). Educação inclusiva: cultura e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7Letras, 2009. p.81.

HADJI, C. A avaliação, regras do jogo: das intenções aos instrumentos. Porto: Ed. Porto, 1994.

HOFFMANN, J. M. L. Avaliar para promover: as setas do caminho. 9.ed. Porto Alegre: Mediação, 2006.

HOFFMANN, J. M. L. Avaliação: mito e desafio: uma perspectiva construtivista. Porto Alegre: Educação e Realidade, 1991.

HORNA, N. A. La evaluación em un modelo de escuela inclusiva. Aula de Innovación Educativa, Barcelona, n.191, p.42-44, mayo 2010. Disponível em: http://www.fapac.cat/sites/all/files/aula_2.pdf. Acesso em: 14 nov. 2017.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 22.ed. São Paulo: Cortez, 2011.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 1995.

PERRENOUD, P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens: entre duas lógicas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

RAMÍREZ, T. G. R. Evaluación inclusiva y calidad educativa: concreciones conceptuales y metodológicas. Revista Educação, Artes e Inclusão, Florianópolis, v.1, n.3, p.19-29, 2010. Disponível em: https://docs.google.com/viewerng/viewer?url=http://www.revistas.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/viewFile/2146/1676. Acesso em: 14 nov. 2017.

SAMPAIO, C. T.; SAMPAIO, S. M. R. Educação inclusiva: o professor mediando para a vida. Salvador: EDUFBA. 2009.

SANTIUSTE, V. B.; ARRANZ, M. L. Nuevas perspectivas em el concepto de evaluación. Revista de Educación, Madri, n.350, p.463-476, sep.-dic. 2009. Disponível em: http://www.revistaeducacion.educacion.es/re350/re350_20.pdf. Acesso em: 17 nov. 2017.

UNESCO. Declaração de Salamanca e linha de Ação sobre Necessidades Educativas Especiais. 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf. Acesso em: 02 abr. 2016

VALENTIM. F. O. D. Inclusão de alunos com deficiência intelectual: considerações sobre avaliação da aprendizagem escolar. 2011. 143f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2011. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/91198/valentim_fod_me_mar.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 14 nov. 2017.

WEISZ, T.; SANCHESZ A. O diálogo entre o ensino e aprendizagem. 2.ed. São Paulo: Ática, 2006.

Downloads

Publicado

01/06/2017

Como Citar

VITORINO, S. C.; GREGO, S. M. D. Avaliação enquanto instrumento para nortear a inclusão escolar. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 19, n. 2, p. 200–211, 2017. DOI: 10.30715/rbpe.v19.n2.2017.10900. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/10900. Acesso em: 20 abr. 2021.