15 anos da educação especial no município de Caarapó: construindo práticas pedagógicas inclusivas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30715/doxa.v21i2.13089

Palavras-chave:

Atendimento Educacional Especializado, Práticas pedagógicas, Inclusão.

Resumo

O presente estudo busca retratar a história da construção da educação especial no município de Caarapó-MS, contemplando as mudanças ocorridas, contando um pouco da trajetória e as ações desenvolvidas pela Secretaria Municipal de Educação e Esportes (SMEDE) de Caarapó-MS, enfatizando as vivências, as experiências e as práticas desenvolvidas por meio do Atendimento Educacional Especializado (AEE), que ocorreram na linha de tempo de 2003 a 2018, concentrando-se no processo de evolução por que passou o AEE para transcender as vivências segregacionistas, integracionistas, partindo para a concepção da educação especial na perspectiva inclusiva. Desafios e perspectivas envolvendo o pensar e o fazer por meio das primeiras formações e atuações dos professores, chegando a um olhar integral do desenvolvimento humano, fomentando a autonomia e práticas educacionais que visem potenciar as habilidades dos estudantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Léa Geller, Secretaria Municipal de Educação e Esportes de Caarapó

Psicóloga Escolar. Pós-graduada em Educação Especial pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD/FAED).

Marli da Costa Gonçalves, Secretaria Municipal de Educação e Esportes de Caarapó

Professora do Atendimento Educacional Especializado.

Luciene Barbosa Vitor Lima, Secretaria Municipal de Educação e Esportes de Caarapó

Professora Alfabetizadora. Pós-graduada em Educação Especial pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD/FAED).

Referências

ALMEIDA, Denise Mesquita de Melo; GELLER, Léa. Psicologia e educação: transdisciplinaridade na construção do atendimento educacional especializado de Caarapó-MS. RPGE – Revista online de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 22, n. esp. 2, p. 856-871, 2018. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/issue/view/709.

BRASIL. Constituição Federal, de 5 de outubro de 1988. Brasília: Imprensa Oficial, 1988.

BRASIL. Lei n. 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/Seespe, 2008.

BRASIL. Decreto n. 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento especializado. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7611.htm acessado em 10/12/2018. Acesso em: 10 dez. 2018.

BRASIL. Lei n. 13. 146, de 6 julho de 2015. Lei Brasileira de Inclusão. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 10 dez. 2018.

BRONFENBRENNER, Urie. A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

CAVALCANTE, Meire. Crescimento da política de inclusão é realidade no país. 2011. Disponível em: https://inclusaoja.com.br/author/mecavalcante/page/15/. Acesso em: 12 dez. 2018.

DAMÁZIO, Mirlene Ferreira Macedo. Atendimento educacional especializado em uma perspectiva inclusiva: metodologia em questão. In: FRANCO, Marco Antonio Melo;

GUERRA, Leonor Bezerra. Práticas pedagógicas em contextos de inclusão: situações de sala de aula. Jundiaí: Paco, 2018. v. 3.

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA: Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais, 1994, Salamanca-Espanha.

GARDNER, Howard. Inteligências múltiplas: ao redor do mundo. Rio de Janeiro: Artimed, 2010.

GOLEMAN, Daniel. Inteligência emocional. Rio de Janeiro: Objetiva, 1995.

MENDES, Enicéia Gonçalves. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 33, set./dez. 2006.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Inclusão escolar: o que é? por quê? como fazer?. São Paulo: Moderna, 2003.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér; PIETRO, Rosangela Gavioli. Inclusão Escolar: Pontos e contrapontos. São Paulo: Sumus, 2006.

NÓVOA, António. Currículo e docência: a pessoa, a partilha, a prudência. In: GONSALVES, E.; PEREIRA, M. Z.; CARVALHO, M. E. (Org.). Currículo e contemporaneidade: questões emergentes. Campinas: Alínea, 2004. p. 17-29.

PERRENEUD, Philippe et al. A Escola de A a Z: 26 maneiras de repensar a educação. Porto Alegre: Artmed, 2005.

PORTELLI, Alessandro. Ensaios de história oral. São Paulo: Letra e Voz, 2010.

SANTOS, Mônica Pereira dos. 38 + 2 ≠ 40. In: FRANCO, Marco Antonio Melo; GUERRA, Leonor Bezerra. Práticas pedagógicas em contextos de inclusão: situações de sala de aula. Jundiaí: Paco, 2018. v. 3.

STAINBACK, Susan; STAINBACK, Willian. Inclusão: um guia para educadores. Tradução Magda França Lopes. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

VYGOTSKY, LEV S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 3ª.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1989. 168p. (Coleção Psicologia e Pedagogia. Nova Série).

Downloads

Publicado

01/08/2019

Como Citar

GELLER, L.; GONÇALVES, M. da C.; LIMA, L. B. V. 15 anos da educação especial no município de Caarapó: construindo práticas pedagógicas inclusivas. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 21, n. 2, p. 208–225, 2019. DOI: 10.30715/doxa.v21i2.13089. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/13089. Acesso em: 28 maio. 2024.

Edição

Seção

Edição Temática