Pedagogia e o Professor Polivalente: um campo complexo de atuação profissional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30715/doxa.v22i2.14106

Palavras-chave:

Pedagogia, Professor polivalente, Escolarização

Resumo

Este artigo apresenta um panorama do exercício profissional do Professor Polivalente, egresso da Pedagogia, proporcionando um diálogo entre relatos reflexivos da educação básica e elementos de sua constituição, com o objetivo de levantar possibilidades para melhoria de sua formação. Para trilhar este caminho, apresentamos esse profissional sobre o conceito de escolarização e sua influência na constituição da sua identidade, com aporte teórico diverso pela ótica do espaço escolar. Sobre um caminho de incertezas, a trajetória do Professor Polivalente é construída. Identificam-se possibilidades e caminhos formativos que entrelaçam a formação inicial com a formação continuada em exercício, que no dia a dia da escola, possibilitam avanços nas condições pedagógicas. A pesquisa reconhece como a formação inicial pode se apresentar como incompleta ou incerta, mas, seus conceitos e predicados emergem nas tarefas e nos desafios diários do exercício docente, exigindo revisitá-los, fortalecê-los e ampliá-los.

Biografia do Autor

Eder Vacilotto, Secretaria Municipal de Educação (SME), Itu – SP

Coordenador Pedagógico da Prefeitura. Mestrado em Educação (UFSCAR).

Ivan Fortunato, Instituto Federal de São Paulo (IFSP), Itapetininga – SP

Coordenadoria de Formação Pedagógica. Doutorado em Desenvolvimento Humano e Tecnologias (UNESP).

Referências

ALVES, R. O preparo do educador. In: BRANDÃO, C. R. (Org). Educador: vida e morte. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1982. p. 22-30.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Pedagogia. Brasília, DF: 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Reexame do parecer CNE/CP no 5/2005, Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Pedagogia. Brasília, DF: 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP n2/2015. Define as diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para formação continuada. Brasília, DF: MEC, 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 15 nov. 2018.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNC C_20dez_site.pdf. Acesso em: 22 dez. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº2/2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília, DF: 2019.

CANDAU, V. M. (Org.). Didática: questões contemporâneas. Rio de Janeiro: Forma & Ação, 2008.

CONTRERAS, J. D. Relatos de experiencia en busca de un saber pedagógico. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto) Biográfica, Salvador, v. 1, n. 1, p. 14-30, jan./abr. 2016.

FERREIRO, E.; TEBEROSKY, A. A psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artmed, 1999.

FERREIRO, E. Reflexões sobre a alfabetização. São Paulo: Cortez, 1986.

FORTUNATO, I. Tornar-se professor: Reflexões iniciais sobre um percurso paradoxal. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological, v. 4, n. 1, p. 4-9, 2017.

FREIRE, P. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho d´água, 1997.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática docente. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Prefácio. In: SNYDERS, G. Alunos felizes: reflexão sobre a alegria na escola a partir de textos literários. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

FREIRE, P. Educação: o sonho possível. In: BRANDÃO, C. R. (Org.). Educador: vida e morte. 2. Ed. Rio de Janeiro: Graal, 1982, p. 89-101.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2000.

IMBERNÓN, F. Formação permanente do professorado: novas tendências. São Paulo: Cortez, 2009.

MORAIS, A. G. Sistema de escrita alfabética. São Paulo: Melhoramentos, 2012.

PLACCO, V. M. N. S.; ALMEIDA, L. R. (Org). O coordenador pedagógico no espaço escolar: articulador, formador e transformador. São Paulo: Edições Loyola, 2015.

PIMENTA, S. G. (Org.). Pedagogia e pedagogo: caminhos e perspectivas. São Paulo: Cortez, 2011.

PIMENTA, S. G. (Org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 2012.

RUSSO, M. F. Alfabetização. São Paulo: Saraiva, 2013.

SNYDER, C. R.; LOPEZ, S. J. Psicologia positiva: uma abordagem científica e prática das qualidades humanas. Porto Alegre: Artmed, 2007.

SNYDERS, G. Alunos felizes: reflexão sobre a alegria na escola a partir de textos literários. São Paulo: Paz e Terra, 1993.

SOARES, M. B. Alfabetização e letramento: caderno do professor. Belo Horizonte: Ceale, 2005.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis: Vozes, 2005.

VACILOTTO, E. Professor polivalente: reflexões para um caminho de incertezas. Orientador: Ivan Fortunato. 2020. 109 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba, 2020.

Publicado

31/08/2020

Como Citar

Vacilotto, E., & Fortunato, I. (2020). Pedagogia e o Professor Polivalente: um campo complexo de atuação profissional. DOXA: Revista Brasileira De Psicologia E Educação, 22(2), 364–380. https://doi.org/10.30715/doxa.v22i2.14106