Afetividade e os saberes da prática docente

Uma análise de teses e dissertações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30715/doxa.v23i00.17463

Palavras-chave:

Educação, Formação de professores, Revisão sistemática

Resumo

Este artigo foi elaborado na forma de uma revisão sistemática, produzindo um Estado do Conhecimento a respeito da relação entre afetividade e saberes da prática docente, referente ao período de 2014 a 2018. Trata-se de um levantamento de teses e dissertações no qual foram inventariados cinco (5) dissertações e duas (2) teses. Ao final, verificamos a necessidade dos processos de formação docente serem desenvolvidos a partir de uma relação próxima entre instituição formadora e educação básica; e que a educação não se dá na fragmentação afetividade-cognição, sendo necessário também dar condições para o desenvolvimento dos afetos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luana Monteiro, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Rio Claro – SP – Brasil

Doutoranda em Educação.

Ivan Fortunato, Instituto Federal de São Paulo (IFSP), Itapetininga – SP – Brasil

Docente na Coordenadoria de Formação Pedagógica. Doutorado em Desenvolvimento Humano e Tecnologias e Doutorado em Geografia (UNESP).

Maria do Rosário Silveira Porto, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo – SP – Brasil

Professora aposentada da Faculdade de Educação. Doutora em Educação (USP).

Referências

COITÉ, S. L. S. A dimensão axiológica na formação inicial do professor. 2017. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2017. Disponível em: https://bdtd.ucb.br:8443/jspui/handle/tede/2405. Acesso em: 11 jun. 2022.

DAMIAN, G. J. D. Significados e sentidos da prática escolar atribuídos por alunos concluintes da licenciatura em Matemática no Brasil e na Colômbia. 2017. Dissertação (Mestrado em Processos Socioeducativos e Práticas Escolares) – Universidade Federal de São João Del-Rei, São João Del-Rei, 2017.

FIORENTINI, D. et al. O professor que ensina matemática como campo de estudo: Concepção do projeto de pesquisa. In: FIORENTINI, D.; PASSOS, C. L. B.; LIMA, R. C. R. (org.). Mapeamento da pesquisa acadêmica brasileira sobre o professor que ensina matemática: Período 2001-2012. São Paulo: FE/UNICAMP, 2016.

FORTUNATO, I.; SCHWARTZ, G. Cinema, Psicologia Positiva e Resiliência: Uma revisão sistemática. Interfaces Científicas-Humanas e Sociais, v. 8, n. 2, p. 83-98, 2019. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/humanas/article/view/6859. Acesso em: 14 out. 2022.

LEITE, A. S. A Formação Inicial do Professor de Matemática: Saberes docentes e a afetividade dos alunos em estágio supervisionado. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Formação de Professores) – Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, 2014.

LEITE, S. A. S. Afetividade nas práticas pedagógicas. Temas em psicologia, v. 20, n. 2, p. 355-368, dez. 2012. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/5137/513751440006.pdf. Acesso em: 18 jul. 2022.

LEITE, S. A.; TAGLIAFERRO, A. R. A afetividade na sala de aula: Um professor inesquecível. Psicologia Escolar e Educacional, v. 9, n. 2, p. 247-260, dez. 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pee/a/g5mCH3rbzBV4r56Mbwv8pWg/abstract/?lang=pt. Acesso em: 26 jul. 2022.

MONTEIRO, L. Saberes docentes, afetividade e formação inicial: Um elo possível para educação. 2020. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba, 2020. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/12388. Acesso em: 10 set. 2022.

MONTEIRO, L.; FORTUNATO, I. Dipendenze di affettività: Uno sguardo alla prospettiva di filosofia, psicologia e pratica didattica. Quaderni del Dipartimento Jonico, n. 384, 2020.

MORIN, E. O Método 1: a natureza da natureza. Porto Alegre: Sulina, 2002.

ROCHA, L. K. T. A. Investigação de uma disciplina experimental optativa no contexto do PIBID-UFG: Uma leitura a partir das relações socioafetivas. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Universidade Federal de Goiás, 2015. Disponível em: https://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/6752. Acesso em: 09 jul. 2022.

ROMANOVSKI, J. P.; ENS, R. T. As pesquisas denominadas do tipo “Estado da Arte”. Revista Diálogo Educacional, v. 6, n. 19, p. 37-50, 2006. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/dialogoeducacional/article/view/24176. Acesso em: 02 set. 2022.

SILVA, M. C. M. Processo Identitário e Saberes Docentes: Um Estudo a Partir da Prática de Ensino no Estágio do Curso de Pedagogia da UFRN. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/20724. Acesso em: 15 jul. 2022.

SOLIGO, A. Prefácio. In: LEITE, S. A. S. Afetividade: As marcas do professor inesquecível. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2018.

TARDIF, M. Saberes Docentes e Formação Profissional. 14. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

TASSONI, E. C. M. Afetividade e aprendizagem: A relação professor-aluno. Campinas: 23a ANPED, p 1-17, 2000.

TEMPESTA, A. M. O Museu Dinâmico da Universidade Estadual de Maringá: Contribuições para a Formação Inicial em Física. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência e a Matemática) – Universidade Estadual de Maringá, 2016. Disponível em: http://repositorio.uem.br:8080/jspui/handle/1/4477. Acesso em: 22 fev. 2022.

VENÂNCIO, M. M. R. Humanização e Docência Crítica: A Arte como Mediação na Formação Inicial de Professores. 2016. Tese (Doutorado em Psicologia) – Pontifícia Universidade Católica, Campinas, 2016. Disponível em: https://repositorio.sis.puc-campinas.edu.br/handle/123456789/15728. Acesso em: 05 jul. 2022.

Publicado

30/11/2022

Como Citar

MONTEIRO, L.; FORTUNATO, I.; PORTO, M. do R. S. Afetividade e os saberes da prática docente: Uma análise de teses e dissertações. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 23, n. 00, p. e022017, 2022. DOI: 10.30715/doxa.v23i00.17463. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/17463. Acesso em: 29 jan. 2023.