As contribuições do whatsapp no ensino do espanhol: uma perspectiva de aprendizagem significativa e colaborativa

Iandra Maria Weirich da Silva Coelho, Márcio Luiz Oliveira Pinheiro

Resumo


Este artigo descreve uma proposta didática mediada pelo uso do WhatsApp como potencial ferramenta para o ensino do Espanhol como língua adicional. As atividades são elaboradas a partir de práticas colaborativas e significativas, tomando como referência o construto teórico da Teoria da Aprendizagem Significativa (AUSUBEL, 2003) e de Práticas Colaborativas de Escrita. Os resultados identificam contribuições positivas referentes ao aumento do interesse e motivação dos alunos, fomento da competência discursiva do idioma, da interatividade, autonomia e ações que envolvem a autoria e a construção colaborativa em rede de informações compartilhadas de conhecimento.  


Palavras-chave


WhatsApp. Práticas colaborativas. Teoria da aprendizagem significativa. Espanhol.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA FILHO, J. C. P. Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Campinas: Pontes Editores, 1993.

ALONSO, E. ¿Cómo se profesor y querer seguir siéndolo? Espanha: Edelsa, 1994.

AUSUBEL, D. P. Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Plátano Edições Técnicas, Lisboa, 2003.

AZEVEDO, T. M. de; ROWELL, V. M. Problematização e ensino de língua materna. In: RAMOS, F. B.; PAVIANI, J. (Orgs.). O professor, a escola e a educação. Caxias do Sul: EDUCS, p. 211-230, 2010.

AZEVEDO, T. M. de. Transposição didática de gêneros discursivos: algumas reflexões. Desenredo (Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade de Passo Fundo) - v. 6 - n. 2, p. 198-214, 2010.

AZEVEDO, T. M. Por uma aprendizagem significativa da língua materna: o ensino fundamentado em Saussure e Ausubel. NONADA, Letras em Revista, v.1, n. 20, p.191-212, 2013.

BEHAR, P. A. Modelos pedagógicos em educação a distância. Porto Alegre: Artmed, 2009.

BRASIL. Leis de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2017.

COLL, C. et al. A. O construtivismo na sala de aula. 6. ed. São Paulo: Ática, 2006.

COSTA, D. M.; LOPES, J. R. A perspectiva docente quanto ao uso do whatsapp como ferramenta adicional ao ensino de inglês: um experimento em um curso livre de idiomas. Cadernos do CNLF, v. XIX, n. 01 – Línguas Clássicas, Textos Clássicos, Rio de Janeiro, p. 35-46, 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2017.

DAL MOLIN, B. H.; GRANETTO, J. C. Reflexões sobre o uso das redes sociais no ensino médio. Disponível em: Acesso em: 15 mar. 2017.

FAVA, R. Educação 3.0: aplicando o PDCA nas instituições de ensino. São Paulo: Editora Saraiva, 2014.

GIOVANNINI, A.; PERIS, E. M.; RODRÍGUEZ, M.; SIMÓN, T. Profesor en acción 1. Espanha: Edelsa, 2003.

GRAELLS, P. M. La Web 2.0 y sus aplicaciones didácticas. 2007. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2017.

INÁCIO, M. O processo de aprendizagem. Lisboa: Delta Consultores e Perfil, 2007.

JONASSEN, D. Computadores, ferramentas cognitivas: desenvolvendo o pensamento crítico nas escolas. Porto-Portugal: Porto Editora. Coleção Ciências da Educação Século XXI, n. 23, 2007.

KRASHEN, S. Second langue acquisition theory, applications, and some conjectures. Cambridge University Press, México, 2013.

LANKSHEAR, C.; KNOBEL, M. Sampling “the New” in New Literacies. In: LANKSHEAR, C.; KNOBEL, M. (Orgs.) A new literacies sampler. New Literacies and Digital Epistemologies, v. 29, Nova Iorque: Peter Lang, p 1-25, 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2017

MORAN, J. M. Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias audiovisuais e telemáticas. In: MORAN, J. M. ; MASETTO, M. ; BEHRENS, M.. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 14 ed. São Paulo: Papirus, p. 11-66, 2008.

MORAN, J. M. O uso das novas tecnologias da informação e da comunicação na ead: uma leitura crítica dos meios. In: Biblioteca Digital Clam, Rio de Janeiro, 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2017.

OLIVEIRA, S. Conectados, mas muito distraídos. São Paulo: Integrare Editora, 2014.

ONTORIA PEÑA, A. et al. Mapas conceituais: uma técnica para aprender. São Paulo: Ediciones Loyola, 2005.

PRADO, M. E. B. B. Integração de Mídias e a reconstrução da prática pedagógica. In: Boletim do Salto para o Futuro. Série Pedagogia de Projetos e integração de mídias, TV-ESCOLA-SEED-MEC, 2003. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2017.

PRENSKY, M. Digital natives, digital immigrants. On the Horizon. MCB University Press, v. 9, n. 5, 2001. Disponível em: Acesso em: 10 mar. 2017.

SANTOS, J. Aprendizagem significativa: modalidades de aprendizagem e o papel do professor. Porto Alegre: Mediação, 2008.

SATELES, L. M. D.; ALMEIDA FILHO, J. C. Breve histórico da abordagem gramatical e seus matizes no Ensino de Línguas no Brasil. In: Revista História do Ensino de Línguas no Brasil, n. 4, 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2017.

SCHLATTER, M.; GARCEZ, P. Línguas Adicionais (Espanhol e Inglês). In: Rio Grande do Sul, Secretaria de Estado da Educação, Departamento Pedagógico. (Orgs.). Referências curriculares do Estado do Rio Grande do Sul: linguagem, códigos e suas tecnologias. Porto Alegre: Secretaria de Estado da Educação, Departamento Pedagógico, v. 1, p.127-172, 2009.

SCHMIDT, E.; COHEN, J.. A nova era digital: como será o futuro das pessoas, das nações e dos negócios. Rio de Janeiro: Editora Intrínseca, 2013.

SHNEIDERMAN, B. Creativity Support Tools-Accelerating Discovery and Innovation, Communications of the ACM, v. 50, nº 12, p. 20-32, 2007.

VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

WERTSCH, J. V. La mente en acción. Argentina: Aique, 1999.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v12.n.esp.2.10298



Direitos autorais 2017 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.