Os conflitos entre alunos de 8 e 9 anos: a provocação e a reação ao comportamento perturbador

Lívia Maria Ferreira da Silva, Telma Pileggi Vinha

Resumo


Fundamentado na perspectiva piagetiana, este estudo de delineamento qualitativo e quantitativo buscou investigar as causas dos conflitos entre estudantes de Ensino Fundamental I. Participaram dessa pesquisa 30 crianças de 8 e 9 anos, provenientes de uma escola de Ensino Fundamental, escolhida segundo o critério de conveniência. Os dados foram coletados por meio de 23 sessões de observação das interações entre as crianças em diversos momentos da rotina escolar até a saturação dos dados, critério escolhido para a saída do campo. Em algumas situações, foi necessária a realização de uma conversa informal com os participantes para a melhor compreensão do conflito. Os resultados indicaram que a principal causa de conflito entre os estudantes foi a provocação, a reação ao comportamento perturbador e a disputa física. Discute-se a influência do desenvolvimento cognitivo, afetivo e moral, bem como os aspectos culturais que influenciam a vivência do conflito. Recomenda-se a implantação de intervenções educativas que além da abordagem dos conflitos com os estudantes, invistam em estratégias para a valorização da convivência ética.


Palavras-chave


Conflito interpessoal. Construtivismo: educação. Causas.

Texto completo:

PDF

Referências


ADALBJARNARDTTIR, S. How Schoolchildren propose to negotiate: the role of social withdrawal, social anxiety, and locus of control. Child Development, v. 66, n. 6, p. 1739-1751, 1995.

ANGROSINO, M. Etnografia e observação participante. Porto Alegre: Artmed, 2009.

BARNETT et al. Antisocial and prosocial teasing among children: perceptions and individual differences. Social Development, v. 13, n. 2, p. 292-310, 2004

BENTZEN, W. Guia para observação e registro do comportamento infantil. Tradução All Tasks. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

BRAGA, A. R.; CELENTE, V.A.G. Resolução de conflitos entre gêneros: como meninas e meninos resolvem conflitos interpessoais. Revista Múltiplas Leituras, v.4, n. 2, p. 85-102, 2011.

CARINA, S.C. O processo de resolução de conflitos entre os pré-adolescentes: O olhar do professor. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

CARITA, A. Conflito, Justiça e Cidadania. Análise Psicológica, v. 1, n. XXII, p. 259-267, 2004.

CRICK, N. R.; DODGE, K. A review and reformulation of social information processing mechanisms in children`s social adjustment. Psycological Bulletin, v. 115, n. 1, p. 74-101, 1994.

CRICK, N. R., GROTPETER, J. K. Relational Aggression, Gender, and Social. Psychological Adjustment. Child Development, v. 66, n. 3, p. 710-722, 1995.

DAWE, H. C. An analysis of two hundred quarrel of preschool children. Child Development, v. 5, p. 139-157, 1934.

DELUTY, R. H. Consistency of assertive, aggressive, and submissive behavior for children. Journal of Personality and Social Psychology, v. 49, n. 4, p. 1054-1065, 1985.

DELUTY, R. H. Assertiveness vs. aggressiveness. What’s the difference? Maryland Family Magazine, August, p. 26-27, 1995.

FERRÁNS, D. S.; SELMAN, R. L. How Students’ Perceptions of the School Climate Influence Their Choice to Upstand, Bystand, or Join Perpetrators of Bullying. Harvard Educational Review, vol. 84, n. 2, 2014, p. 162-187.

FREIRE, N. M. B. Educação para a paz: um estudo psicogenético sobre Tolerância. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

FRÍOLI, P. M. A. Conflito e reconciliação entre crianças pré-escolares.Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

GRANA, K. M. Um estudo exploratório = interação socioafetiva entre bebês. 2011. 287 p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2014.

HOOVER, J.H.; OLSON, G. Sticks and stones break their bones: teasing as bullying. Reclaiming Children and Youth, v. 9, n. 2, 2000.

JENSEN-CAMPBELL, L. A. et al. Interpersonal conflicts, agreeableness, and personality development. Journal of Personality, v. 71, n. 6, dez., p. 1059-1085, 2003.

KELTNER, D., et al. Just teasing: a conceptual analysis and empirical review. Psycological Bulletin, v. 127, n.2, p. 229-248, 2001.

LA TAILLE, Y. Desenvolvimento moral: a polidez segundo as crianças. Cadernos de Pesquisa, n. 114, p. 89-119, 2001.

LAURSEN, B. Conflict and social interaction in adolescent relationship. Journal of Research on Adolescence, n. 5, v. 1, p. 55-70, 1995.

LEADBEATER, B. J.; OHAN, J. L.; HOGLUND. W. L. How children’s justifications of the “best thing to do in peer conflicts relate to their emotional and behavioral problems in early elementary school. Merril-Palmer Quarterly, v. 52, n. 4, 2006.

LEME, M. I. S. Resolução de conflitos interpessoais: interações entre cognição e afetividade na cultura. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 17, n. 3, p. 367-380, 2004a.

LEADBEATER, B. J.; OHAN, J. L.; HOGLUND. W. L. Convivência, conflitos e educação nas escolas de São Paulo. São Paulo: ISME, 2006.

LEADBEATER, B. J.; OHAN, J. L.; HOGLUND. W. L. Proximidade e distanciamento na escola: educação e gestão de conflitos entre pares. In: LEME, M. I. S.; OLIVEIRA, P. S. (Orgs.) Proximidade e distanciamento. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011.p. 161-177.

LICCIARDI, L. M. S. Investigando os conflitos entre as crianças na escola. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

LICCIARDI, L. M. S. et al. Conflitos entre pares: percepção dos alunos e professores do 5º ano. Revista Múltiplas Leituras, v. 4, n.2, 2010.

MAGALHÃES, C. M. C. Agressão, aliança e reconciliação em crianças pré-escolares. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.

PIAGET, J. Seis Estudos de Psicologia. 24. ed. Tradução Maria Alice Magalhães D`Amorim e Paulo Sérgio Lima. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1964/2006. Título original: Six études de pssychologie.

ROSE, J. R.; ASHER, S. R. Children’s goals and strategies in response to conflicts within a friendship. Developmental Psychology, v. 35, n. 1, 69-79, 1999.

ROSS, D. M. Childhood bullying, teasing, and violence: what school personnel, other professional, and parentes can do. American Counseling Association, 2003.

SCAMBLER, D. J.; HARRIS, M. J.; MILICH, R. Sticks and stones: evaluations of responses of childhood teasing. Social Development, v. 2, n.7, p. 234-249, 1998.

SELMAN, R. L. The growth of interpersonal understanding. Developmental and clinical analyses. Nova Iorque, EUA: Series Editor, 1980.

SELMAN, R. L. The promotion of social awareness: powerful lessons from the partnership of developmental theory and classroom practice. New York: Russell Sage Foundation, 2003.

SELMAN, R. et al. Assessing interpersonal negotiation strategies: toward the integration of structural and functional models. Developmental Psychology, v. 22, n. 4, p. 450-459, 1986.

SELMAN, R. L.; SCHULTZ, L. H. Making a friend in youth. Developmental Theory and pair therapy. Chicago: The University of Chicago Press, 1990.

SHANTZ, C. U.; HARTUP, W. W. Conflict in child and adolescent development. Cambridge University Press, 1992.

SHAPIRO, J. P.; BAUMEISTER, R. F.; RESSLER, J.W. A Three-component model of children’s teasing: aggression, humor and ambiguity. Journal of Social and Clinical Psychology, v. 10, n. 4, p. 459-472, 1991.

SINCLAIR, N. L. Children’s and adolescents’s reports of reactions for interpersonal conflicts in dyads versus groups. Tese de Doutorado. Montreal, Quebec: Mcgill University, 2003. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2011.

SOUZA, A. R. Resolução de conflitos entre crianças em brincadeiras de rua. 1999. Mestrado em Psicologia, Universidade Federal do Pará.

TOGNETTA, L. R. P. Perspectiva Ética e Generosidade. Campinas: Mercado de Letras, 2009.

TRAGESSER, S.; LIPPMAN, L. G. Teasing: for superiority or Solidarity? The Journal of General Psychology, v. 132, n. 3, p. 255-266, 2005.

VICENTIN, V. Condições de vida e estilos de resolução de conflito entre adolescentes. Tese (Doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano), Instituto de Psicologia - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

VINHA, T. P. O educador e a moralidade infantil numa visão construtivista. Campinas: Mercado de Letras/FAPESP, 2000.

VINHA, T. P. Os conflitos interpessoais na relação educativa. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v12.n.3.2017.10368



Direitos autorais 2017 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.