Uma possível arte de governar a formação de professores alfabetizadores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v13.n3.2018.11134

Palavras-chave:

Governamentalidade, Formação docente, Professores alfabetizadores

Resumo

Este artigo busca, no encalço de alguns documentos científicos e de políticas educacionais, entender como são produzidas, nas últimas décadas, práticas de formação e invenção de uma categoria docente no Brasil: os professores alfabetizadores. Tendo como objetivo analisar estratégias de mobilização e regulação das práticas de alfabetização como invenção e governo de uma episteme para formação e produção de professores alfabetizadores. Ao analisar as forças e práticas de mobilização e de regulação foi possível identificar ressonâncias neoliberais que operam uma rede de alianças capazes de produzir um modelo de alfabetização que serve como referência à formulação dos processos de formação continuada dos professores e para a invenção, nas últimas décadas, do professor alfabetizador no Brasil.

Biografia do Autor

Leandra Bôer Possa, Universidade Federal de Santa Maria

Possui graduação em Educação Especial - Licenciatura Plena pela Universidade Federal de Santa Maria (1993), Mestrado em Psicopedagogia - Universidad de La Havana (2001),  Mestrado em Educação - Fundamentos da Educação pela Universidade Federal de Santa Maria (1997) e Doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria (2013) . Realizou Estágio Pós Doutoral em Políticas Públicas de Educação e Educação Comparada na Universidade de Valencia, Espanha (2016-2017), bolsiata CAPES. Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal de Santa Maria, no Departamento de Educação Especial, Programa de Pós Graduação em Educação e Programa de Pós Graduação em Políticas Públicas e Gestão Educacional. Tem experiência na área de Educação, com ênfase nas linhas de pesquisa de Políticas Publicas em Educação, Educação Especial e Formação de Professores. Líder do Grupo Institucional GEPE/UFSM: dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/6763731375062082

Patricia Luciene de Albuquerque Bragamonte, Universidade Federal de Santa Maria

Possui graduação em Pedagogia (2009), Especialização em Gestão Educacional - Administração, Supervisão e Orientação Escolar (2012), Pós Graduação em Mídias na Educação (2014) e Mestrado em Políticas Públicas e Gestão Educacional pela UFSM (2018). Atualmente é Orientadora Educacional da Rede Municipal de Alegrete/RS e trabalha com formação continuada dos servidores. Pesquisadora do Grupo Institucional em Educação de Estudos e Pesquisa em Educação Especial e Inclusão - GEPE/UFSM

Referências

BALL, S.J. Educação Global S. A.: novas redes de políticas e o imaginário neoliberal. Tradução de Janete Bridon. Ponta Grossa, Brasil: UEPG, 2014.

BRASIL. Em Aberto. Anais... do Seminário Aprendizagem da Língua Materna: uma abordagem interdisciplinar. INEP, Brasília, ano 2, n. 12, jan. 1983.

BRASIL. Seminário Multidisciplinar de Alfabetização. Anais... do Seminário Multidisciplinar de Alfabetização - Brasília: INEP, 1984. 158p.

BRASIL. Alternativas de Alfabetização para a América Latina e o Caribe. Brasília: INEP, 1988. 325 p.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, 1997.

BRASIL. Referenciais para a Formação de Professores. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, 1999.

BRASIL. Orientações Gerais. Objetivos, diretrizes e funcionamento. Rede Nacional de Formação Continuada de Professores de Educação Básica. Centros de Pesquisa e Desenvolvimento da Educação. Ministério da Educação, 2006.

BUJES, M. I. E. Infância e maquinarias. 2001. 259f. Tese (Doutorado em EDucação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, RS, 2001.

COSTA, M. Velhos temas, novos problemas – a arte de perguntar em tempos pós-modernos. In: COSTA, M. V.; BUJES, M. I. E. (orgs). Caminhos Investigativos III: riscos e possibilidades de pesquisar nas fronteiras. Rio de Janeiro: DP&A, 2005, pp. 199-214.

COUTINHO, K.; SOMMER, L. H. Discursos de sobre Formação de Professores. In: Currículo Sem Fronteiras. v. 11, n. 1, p.86-103, jan./jun., 2011.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

MACHADO, F. C. Ser professor em tempos de diversidade: uma análise das políticas de formação docente. In: THOMA, A. S.; HILLESHEIM, B. (org.). Política de inclusão: gerenciamento riscos e governando as diferenças. – Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2011, p. 57-69.

MACIEL, F. I. P. Alfabetização no Brasil: pesquisas, dados e análise. In: Alfabetização e seus sentidos: o que sabemos, fazemos e queremos? / MORTATTI, M. do R. L.; FRADE, I. C. A. da S. (org.). – Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Editora Unesp, 2014. 352p.

MILLER, P; ROSE, N. Governando o presente: gerenciamento da vida econômica, social e pessoal. Trad. Paulo Ferreira Valerio. SP: Paulus, 2012.

ROSE, N. Governando a alma: a formação do eu privado. In: SILVA, T. T. (Org.). Liberdades reguladas. A pedagogia construtivista e outras formas de governo do eu. Petrópolis: Vozes, 1998, p. 30-45.

SÃO PAULO. Decreto nº 21.833, de 28 de dezembro de 1983. Institui o Ciclo Básico no ensino de 1º grau das escolas estaduais. São Paulo, 1983.

UNESCO. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien, 1990. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0008/000862/086291por.pdf. Acesso em: 12 jan. 2017

VEIGA-NETO, A. Educação e governamentalidade neoliberal: novos dispositivos, novas subjetividades. In: CASTELO BRANCO, G.; PORTOCARRERO, V. (org.) Retratos de Foucault. Rio de Janeiro (RJ): Nau, 2000, v. p. 179-217.

Publicado

03/07/2018

Como Citar

Possa, L. B., & Bragamonte, P. L. de A. (2018). Uma possível arte de governar a formação de professores alfabetizadores. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 13(4), 1050–1065. https://doi.org/10.21723/riaee.v13.n3.2018.11134

Edição

Seção

Artigos