Prática Cinematográfica: o cinema como potencial ético-estético e transdisciplinar na aula de Português como Língua Adicional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.unesp.v13.n4.out/dez.2018.11806

Palavras-chave:

Português para estrangeiros, Português como Língua Adicional, Cinema, Ensino de línguas, Multiletramentos

Resumo

Este trabalho pretende apresentar o curso Prática Cinematográfica do Programa de Português para Estrangeiros (PPE) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), discutindo algumas atividades realizadas dentro dessa proposta de ensino. O PPE é um programa de extensão que, desde 1993, tem por objetivos formar professores de Português como Língua Adicional (PLA) e oferecer aulas de PLA a alunos estrangeiros com ou sem vínculo com a UFRGS. Os cursos são elaborados a partir de diferentes temáticas e gêneros do discurso (BAKHTIN, 2003), sendo que alguns incluem a realização de projetos de aprendizagem e outros são configurados exclusivamente a partir de projetos (HERNÁNDEZ, 2008). Essas metodologias de aprendizagem, acreditamos, proporcionam mecanismos para que os alunos se insiram na e pela linguagem nas diferentes esferas de atividade humana. Consideramos o cinema não como uma ferramenta para o ensino de português, mas uma arte que tem o potencial de proporcionar uma experiência ético-estética de sensibilização diante do mundo e das mais diversas formas que nos relacionamos com as linguagens.

Biografia do Autor

Gabriela da Silva Bulla, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas e Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Ananda Vargas Hilgert, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutoranda em Educação no Programa de Pós-graduação em Educação (PPGEDU/UFRGS). Bolsista CAPES

Mariana Bulegon, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestranda em Estudos da Linguagem na linha de pesquisa em Linguística Aplicada. Bolsista CAPES.


 

Referências

AUMONT, J. A estética do filme. Campinas, SP: Ed. Papirus, 1995.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. São Paulo: Editora 34, 2016.

BADIOU, A. El cine como experimentación filosófica. In: YOEL, G. (Org.). Pensar el cine 1: imagen, ética y filosofia. Buenos Aires: Manantial, 2004. p. 23-81.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais – terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/portugues.pdf >. Acesso em: 06 ago. 2018.

BULLA, G. S.; SILVA, M. B. Escola, multiletramentos e tecnologias na aula de Língua Portuguesa: reflexões a partir de um projeto sobre Youtubers. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 12, n. 4, p. 1984-1997, out./dez., 2017.

CLARK, H. H. O uso da linguagem. Cadernos de Tradução, Porto Alegre, n. 9, p. 49-71, jan./mar., 2000.

FOUCAULT, M. Sobre a genealogia da ética: uma revisão do trabalho em curso. In: DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense, 2010. p. 296-327.

HERNÁNDEZ, F. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Porto Alegre: Artmed, 1998.

HILGERT, A. V. Alteridade e experiência estética: o olhar, o outro e o cinema. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, UFRGS, Porto Alegre, 2014.

HERMANN, N. Estetização do mundo da vida e sensibilização moral. Educação & Realidade, v. 30, n. 2, p. 35-47, jul./dez., 2005.

KEHL, M. R. Imagens da violência, violência das imagens. Concinnitas, ano 16, v. 1, n. 26, jul., 2015.

KRAEMER, F. F. Português língua adicional: progressão curricular com base em gêneros do discurso. Dissertação (Mestrado em Letras) – Instituto de Letras, UFRGS, Porto Alegre, 2012.

MARCELLO, F. A. Criança e imagem no olhar sem corpo do cinema. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, UFRGS, Porto Alegre, 2008.

MORÁN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. Ponta Grossa: Foca Foto-PROEX/UEPG, 2015. v. 2.

ROJO, R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

RIO GRANDE DO SUL. Referenciais curriculares do estado do Rio Grande do Sul: linguagens, códigos e suas tecnologias. Porto Alegre: Secretaria do Estado da Educação/ Departamento Pedagógico, 2009.

SILVA, M. B. Luz, câmera, ação! Prática Cinematográfica em aula de Português como Língua Adicional. Trabalho de conclusão de curso (Licenciatura em Letras) – Instituto de Letras, UFRGS, Porto Alegre, 2017.

SIMÕES, L. J.; RAMOS, J. W.; MARCHI, D.; FILIPOUSKI, A. M. Leitura e autoria: planejamento em Língua Portuguesa e Literatura. Erechim, RS: Edelbra, 2012.

SCHLATTER, M.; GARCEZ, P. Línguas Adicionais na escola: aprendizagens colaborativas em inglês. Erechim, RS: Edelbra, 2012.

TEIXEIRA, A.; LITRON, F. F. O manguebeat nas aulas de Português - Videoclipe e movimento cultural em rede. In: ROJO, R.; MOURA, E. (Orgs.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012. p. 167-180.

TRUFFAUT, F. O prazer dos olhos: textos sobre cinema. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.

VAN LEEUWEN, T. Multimodality. In: SIMPSON, J. (Ed.). The Routledge Handbook of Applied Linguistics. Londres: Routledge, 2011. p. 668-682.

XAVIER, I. O Olhar e a Cena – Melodrama, Hollywood, Cinema Novo, Nelson Rodrigues. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

XAVIER, I. Um cinema que “educa” é um cinema que (nos) faz pensar: entrevista com Ismail Xavier. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 33, n. 1, p. 13-20, jan./jun., 2008.

Publicado

01/10/2018

Como Citar

Bulla, G. da S., Hilgert, A. V., & Bulegon, M. (2018). Prática Cinematográfica: o cinema como potencial ético-estético e transdisciplinar na aula de Português como Língua Adicional. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 13(5), 1832–1850. https://doi.org/10.21723/riaee.unesp.v13.n4.out/dez.2018.11806

Edição

Seção

Artigos