Atraso no desenvolvimento e inclusão: a opinião de profissionais do berçário

Fabiana Cristina Frigieri de Vitta, Mariana Martins Mouro, Ana Júlia Ribeiro Sgavioli

Resumo


O objetivo desta pesquisa foi verificar a opinião dos profissionais que atuam em instituições de Educação Infantil sobre o papel do berçário em relação às diferenças no desenvolvimento das crianças nessa fase. Responderam a uma entrevista semiestruturada 17 profissionais de uma instituição ligada à Secretaria Municipal de Educação de uma cidade de médio porte do interior Paulista. Os resultados apontam que o berçário, ao receber crianças muito novas, é um local propício para a identificação de diferenças desenvolvimentais e favorável para oferecer atividades intencionais que possam melhorar a qualidade do desenvolvimento integral do bebê. As dificuldades decorrentes da formação inadequada devem ser consideradas para que o berçário permita a toda criança usufruir um ambiente estimulante, que atenda ao seu direito fundamental à educação de qualidade.

Palavras-chave


Educação infantil; Educação inclusiva; Berçário; Atraso no desenvolvimento.

Texto completo:

PDF PDF (Español (España)) XML

Referências


ANDRADE, S. A. et al. Ambiente familiar e desenvolvimento cognitivo infantil: uma abordagem epidemiológica. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 39, n. 4, p. 606-611, Ago. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102005000400014&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 jul. 2018.

ARCE, A. Documentação oficial e o mito da educadora nata na Educação Infantil. Caderno de Pesquisa, n. 113, p. 167-184, jul., 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/n113/a09n113.pdf. Acesso em: 13 jun. 2018.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília : MEC, 1996.

BRASIL. Política Nacional Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Secretaria de Educação Básica. Brasília : MEC, SEB, 2017.

CALIMAN, G. Estudantes em situação de risco e prevenção. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 14, n. 52, p. 383-396, jul./set., 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362006000300007&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 10 ago. 2018.

CAMPOS, R. As indicações dos organismos internacionais para as políticas nacionais de educação infantil: do direito à focalização. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 1, p. 195-209, jan./mar. 2013.

CAMPOS, M. M. et al. A qualidade da educação infantil: um estudo em seis capitais brasileiras. Cadernos de Pesquisa, v, 41, n. 142, p. 20-54, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742011000100003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 jul. 2018.

DORNELAS, L. F.; DUARTE, N. M. C.; MAGALHÃES, L. C. Atraso do desenvolvimento neuropsicomotor: mapa conceitual, definições, usos e limitações do tema. Rev Paul de Pediatria, v. 33, n. 1, p. 88-103, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-05822015000100088&lng=pt&nrm=iso. Acessos em: 23 jul. 2018.

GUIMARÃES, A. F. et al. Risk of developmental delay of children aged between two and 24 months and its association with the quality of family stimulus. Rev. paul. pediatr., São Paulo, v. 31, n. 4, p. 452-458, dez. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-05822013000400452&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 jul. 2018.

HALPERN, R. et al. Fatores de risco para suspeita de atraso no desenvolvimento neuropsicomotor aos 12 meses de vida. Jornal de Pediatria, v. 76, n. 6, p. 421-428, 2000.

JANCZURA, R. Risco ou vulnerabilidade social? Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 11, n. 2, p. 301-308, ago./dez. 2012. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fass/article/view/12173. Acesso em: 10 agosto 2018.

KRAMER, S. As crianças de 0 a 6 anos nas políticas educacionais no Brasil: educação infantil e/ é fundamental. Educ. Soc., Campinas, v. 27, n. 96 - Especial, p. 797-818, out. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v27n96/a09v2796. Acesso em 18 jun. 2018.

MAIA, J. M.; WILLIAMS, L. C. Risk and protective factors for child development. Temas Psicol, v. 13, p. 91-103, 2005. Disponível em: http://www.laprev.ufscar.br/documentos/arquivos/artigos/2005-maia-e-williams.pdf. Acesso em: 18 jun. 2018.

MARTINS, M. F. D. et al. Quality of the environment and associated factors: a pediatric study in Pelotas, Rio Grande do Sul, Brazil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 710-718, Jun. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2004000300007&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 18 jun. 2018.

MOREIRA, D. S. et al. Influência de procedimentos educativos. Revista Terapia Ocupacional USP, v. 25, p. 217-224, set./dez. 2014.

PILZ, E. M. L.; SCHERMANN, L. B. Determinantes biológicos e ambientais no desenvolvimento neuropsicomotor em uma amostra de crianças de Canoas/RS. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 181-190, mar. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232007000100021&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 17 jun. 2018.

ROSEMBERG, F. A criança pequena e o direito à creche no contexto dos debates sobre infânciae relações raciais. In: BENTO, M. A. B. (Org.). Educação infantil, igualdade racial e diversidade: aspectos políticos, jurídicos, conceituais. São Paulo: Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades – CEERT, 2012. p.10-46.

TELLES, M. F. M. Quem ensina na creche: análise dos Projetos Políticos Pedagógicos dos cursos de Pedagogia da Unesp. Dissertação (Mestrado em Educação Escolar) — Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Faculdade de Ciências e Letras (Campus Araraquara), 2018. 179f.

VITTA, F. C. F.; EMMEL, M. L. G. A dualidade cuidado x educação no cotidiano do berçário. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 14, n. 28, p. 177-189, ago., 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-863X2004000200007&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 13 jun. 2018.

VITTA, F. C. F. A inclusão da criança com necessidades especiais na visão de berçaristas. Cad. Pesqui., São Paulo, v. 40, n. 139, p. 75-93, abr. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742010000100005&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 maio 2018.

VITTA, F. C. F.; SILVA, C. C. B.; ZANIOLO, L. O. Educação da Criança de Zero a Três Anos e Educação Especial: uma Leitura Crítica dos Documentos que Norteiam a Educação Básica1. Rev. bras. educ. espec., Marília , v. 22, n. 1, p. 9-26, mar. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382016000100009&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 ago. 2018.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.1.12209



Direitos autorais 2019 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.