A educação intercultural como possibilidade em processos decoloniais na garantia dos direitos da infância

Eduardo Felipe Hennerich Pacheco, Ana Maria Eyng

Resumo


Efeitos advindos dos processos coloniais perduram na violação de direitos e atuam na configuração da pobreza infantil no contexto da América Latina. Na discussão destacamos o par pobreza infantil e colonialismo, que ainda andam de mãos fortemente unidas, atuando na violação de direitos de provisão, proteção e participação da infância. Esse cenário que se reproduz com grande frequência em diversos países latino americanos está representado nas falas de meninas e adolescentes da Guatemala, ouvidas mediante entrevistas individuais. A garantia dos direitos da infância requer a superação dos efeitos dos processos coloniais, enraizados culturalmente. Nessa direção, a constituição de processos decoloniais via educação intercultural possibilita que a pobreza infantil na perspectiva multidimensional seja gradativamente superada.

Palavras-chave


Pobreza infantil; Direitos humanos; Decolonialidade; Educação intercultural.

Texto completo:

PDF PDF (Español (España)) XML

Referências


ALLARD, Denis. De l’évaluation de programme au diagnostic socio- systéinique: trajet épistémologique. Université du Quèbec á Montréal. Montréal: Thèse de doctoraat em Sociologie, 1996.

ARENDT, Hannah. Eichman em Jerusalém. Um relato sobre a banalidade do mal. São Paulo: Companhia das letras, 2000.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 5. ed. Portugal: Edições 70, 2015.

BASTOS, Amélia. A importância da perspectiva dos direitos da criança na análise do bem-estar das crianças e jovens. In: BASTOS, A.; VEIGA, F. (org.). A análise o bem-estar das crianças e jovens e os direitos da criança. Famalicão: Edições Húmus, 2016. p. 27-34.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CHAUÍ, Marilena. Público, privado, despotismo. In: NOVAES, Adauto (Org.). Ética. São Paulo: Companhia das Letras, Secretaria Municipal de Cultura, 1992.

ENCOVI. Encuesta nacional de condiciones de vida. Instituto Nacional de Estadística, 2014. Disponível em: https://www.ine.gob.gt/sistema/uploads/2014/02/26/L5pNHMXzxy5FFWmk9NHCrK9x7E5Qqvvy.pdf. Acesso em: 09 jan. 2019.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. 6.ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

FOUCAULT, Michel. Dits et écrits. Paris: Gallimard, v. 4, 1994.

FOUCAULT, Michel. Uma estética da existência. In: FOUCAULT, Michel. Ética, sexualidades, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

HANNA, Paola Cristine Marchioro; RAMÃO, Valdacir José; EYNG, Ana Maria. Educação intercultural e garantia de direitos: limites e possibilidades para a superação das violências nas escolas. In: EYNG, Ana Maria (org.). Direitos Humanos e violências nas escolas: desafios e questões em diálogo. 1ed.Curitiba: CRV, 2013, v. 1, p. 123-146.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: Uma perspectiva pós-estruturalista. 14. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

LUGONES, Maria. Rumo a um feminismo decolonial. Revista de Estudos Feministas, v. 22, n. 3, p. 935-952, 2014.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. 4 ed. São Paulo: Hucitec-Abrasco, 2013.

NAÇÕES UNIDAS (ONU). A/RES/44/25: Convenção sobre os Direitos da Criança. Adotada e aberta para assinatura, ratificação e adesão da Assembleia Geral, em 20 de novembro de 1989, entrada em vigor em 2 de setembro de 1990. Disponível em: http://www.ohchr.org/en/professionalinterest/pages/crc.aspx. Acesso em: 14 jan. 2019.

MUNSBERG, João Alberto Steffen.; FERREIRA DA SILVA, Gilberto. Interculturalidade na perspectiva da descolonialidade: possibilidades via educação. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 13, n. 1, p. 140- 154, jan./mar., 2018. E-ISSN: 1982-5587. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/9175/7151. Acesso em: 07 fev. 2019.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: Conselho Latino-americano de Ciências Sociais (CLACSO), 2005.

SEGATO, Rita Laura. Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial. E-cadernos CES (Online), v. 18, p. 1-5, 2012.

SIGSA [Sistema de información gerencial de salud]. Análisis de situación de casos de violência sexual. Guatemala, 2015. Disponível em: http://epidemiologia.mspas.gob.gt/files/Publicaciones%202016/Salas%20Situacionales/Análisis%20de%20situación%20de%20casos%20de%20Violencia%20Sexual%20año%202015.pdf. Acesso em: 04 out. 2018.

SOARES, Natalia Fernandes. Direitos da criança: utopia ou realidade. In: PINTO, Manuel; SARMENTO, Manuel José Jacinto. (Org.). As Crianças: contextos e identidades. Braga: Centro de Estudos da Criança da Universidade do Minho. 1997, p.75-111.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v15i1.12370



Direitos autorais 2020 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.