Escolaridade feminina e a sua importância na escolha voluntária da fecundidade

Natalia Dus Poiatti

Resumo


A Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento das Nações Unidas (CIPD) de 1994 identificou a centralidade da defesa dos direitos reprodutivos e a importância de se garantir a realização de escolhas reprodutivas voluntárias (UNFPA, 2019). O presente artigo apresenta uma revisão sobre os principais modelos teóricos de demanda por filhos e, avaliando a contrapartida empírica desses modelos em uma base de dados internacional, aponta as principais variáveis socioeconômicas determinantes da fecundidade. Esse estudo mostra que a escolaridade feminina é a variável socioeconômica mais importante para explicar o número de filhos por mulher, visto que o aumento da educação feminina pode expandir o acesso à informação sobre os métodos contraceptivos, melhorar as oportunidades de emprego e “empoderar” as mulheres na defesa de suas escolhas sexuais e reprodutivas.


Palavras-chave


Fecundidade; Educação; Desigualdade de gênero; Políticas populacionais; Desenvolvimento socioeconômico.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARAÚJO JUNIOR, A. F.; SALVATO, M.; QUEIROZ, B. L. Desenvolvimento e Fecundidade no Brasil: Reversão da Fecundidade para Municípios mais Desenvolvidos. Planejamento e Políticas Públicas, n. 41, jul./dez. 2013.

ARELLANO, M. Panel data econometrics. Oxford University Press, 2003. 231 p.

BARRO, R. J.; LEE, J. W. A new data set of educational attainment in the world, 1950-2010. Journal of development economics, v. 104, p. 184-198, 2013.

BECKER, G. S. An economic analysis of fertility. In: Demographic and economic change in developed countries. Columbia University Press, 1960. p. 209-240.

BERQUÓ, E. S.; CAVENAGHI, S. M. Notas sobre os diferenciais educacionais e econômicos da fecundidade no Brasil. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 31, n. 2, p. 471-482, 2014.

BLAKE, J. Family size and the quality of children. Demography, v. 18, n. 4, p. 421-442, 1981.

BRANDÃO, E. R. Gravidez na adolescência: um balanço bibliográfico. In: HEILBORN M. L.; AQUINO E. M. L.; KNAUTH D. R.; BOZON M. (Org.). O aprendizado da sexualidade: reprodução e trajetórias sociais de jovens brasileiros. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2006. p. 61-95.

BRYANT, J. Theories of fertility declines and the evidence from development indicators. Population and development review, v. 33, n. 1, p. 101-127, 2007.

CEPI-DSS/ENSP/FIOCRUZ. Taxa de fecundidade total, por ano, segundo escolaridade [on-line]. Rio de Janeiro: Portal Determinantes Sociais da Saúde. Observatório sobre Iniquidades em Saúde, 2012. Disponível em: http://dssbr.org/site/wp-content/uploads/2012/03/Ind010106-20120130.pdf. Acesso em: 15 ago. 2020.

CYGAN-REHM, K.; MAEDER, M. The effect of education on fertility: evidence from a compulsory schooling reform. Labour Economics, v. 25, p. 35-48, 2013.

MUNDIAL, B. World Development Indicators, 2015.

SCHULTZ, T. P. Demand for children in low income countries. Handbook of population and family economics, v. 1, p. 349-430, 1997.

UNFPA (United Nations Population Fund). State of World Population 2019. Unfinished Business: the pursuit of rights and choices for all. New York: UNFPA, 2019.

ZHANG, J. The evolution of China's one-child policy and its effects on family outcomes. The Journal of Economic Perspectives, v. 31, n. 1, p. 141-159, 2017.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v15i4.13182



Direitos autorais 2020 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.