Estudo relacional entre gênero e rendimento escolar de alunos do Ensino Fundamental e Médio de Brasília-Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16i1.13448

Palavras-chave:

Fatores de aprendizagem, Rendimento escolar, Gênero, Variáveis sociodemográficas, Metas acadêmicas

Resumo

Este estudo se propõe descobrir relações entre gênero e rendimento escolar, composto em especial por valores de metas acadêmicas (3 fatores psicossociais não-cognitivos), de uma amostra de alunos de 11 a 17 anos inseridos na rede de ensino fundamental II e médio de Brasília-DF, capital do Brasil. A pesquisa se inscreveu em uma perspectiva motivacional, que se sustenta em um desenho transversal descritivo e correlacional com metodologia qualitativa e quantitativa. Se aplicou o Questionário de Metas Acadêmicas de Hayamizu e Weiner (1991). Descreveu-se e aplicou, empiricamente, a um grupo de alunos dos gêneros masculino e feminino. Foi possível demonstrar que não existiram correlações entre as variáveis devido à normalidade estatística da amostra. No entanto, os resultados da descrição fazem supor impactos positivos em metas de aprendizagem e metas de obtenção, pelo alto nível de pontuação obtido na descrição da amostra e pela consistência dos dados, e impactos negativos em metas de reforço social. O fato mais chamativo foi a contradição encontrada com os resultados obtidos por Cominetti e Ruiz (1997), que se baseiam em sustentar que o fator gênero ajuda a modular as relações com o rendimento escolar. Esta pesquisa contribui cientificamente com novos elementos às literaturas sobre o assunto.

Biografia do Autor

Eder Angelo Sanches, Universidade Internacional Iberoamericana (UNINI)

Doutorando no Programa de Pós-graduação em Educação.

Oscar Ulloa, Universidade Internacional Iberoamericana (UNINI)

Professor e Pesquisador. Doutorado em Educação (UFRGS).

Referências

BANDURA, A. Self-efficacy: toward a unifying theory of behavioral change. Psychological Review, v. 84, n. 2, p. 191-215, 1977.

BANDURA, A. Perceived self-efficacy in cognitive development and functioning. Educational Psychologist, v. 28, n. 2, p. 117-148, 1993.

BEAUVOIR, S. El segundo sexo. D.F. México: Mexicana, 1990.

BEGUET, B.; DE KOHAN, N. C.; SOLANO, A. C.; RENAULT, G. Factores que intervienen en el rendimiento académico de los estudiantes de psicología y psicopedagogía. Revista Científica de la dirección de evaluación y acreditación de la secretaría general de la Universidad del Salvador – USAL, v. 1, p. 3-4, 2001.

CASCÓN, D. I. V. Análisis de las calificaciones escolares como criterio de rendimiento académico. Colegio Público Juan García Pérez, España, 2000. Disponível em: http://www3.usal.es/inicio/investigacion/jornadas/jornada 2/comunc/cl7.html. Acesso em: 17 jan. 2020.

COMINETTI, R.; RUIZ, G. Algunos factores del rendimiento: las expectativas y el género. Human Development Department. LCSHD Paper Series, n. 20, 1997.

DADAMIA, O. M. Educación y Creatividad. Encuentro en el nuevo milenio. 1. ed. Buenos Aires: Magisterio del Rio de la Plata, 2001.

DWECK, C. S. Motivational processes affecting learning. American psychologist, v. 41, n. 10, p. 1040-1048, 1986.

FELIPE, J. Entre tias e tiazinhas: pedagogias culturais em circulação. In: SILVA, L. H. (Org.) Século XXI: qual conhecimento? Qual currículo? Petrópolis: Vozes, 1999. p. 167-179.

FLYNN, J. R. O que é inteligência?: além do efeito Flynn. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GEORGE, D.; MALLERY, P. SPSS for windows step by step: A simple guide and reference. 10. ed. Boston: Allyn & Bacon, 2010. 386 p.

GONZÁLEZ QUINTIÁN, C. A. La magia de los ambientes. Condiciones de la creatividad en el escenario educativo. In: TORRE, S.; VIOLANT, V. (Org.). Comprender y evaluar la creatividad. Un recurso para mejorar la calidad de la enseñanza. Málaga: Aljibe, 2006. v. 1. p. 205-214.

HAYAMIZU, T.; WEINER, B. A test of Dweck’s model of achievement goals are related to perceptions of ability. Journal of Experimental Education, v. 59, p. 226-234, 1991.

HERNÁNDEZ SAMPIERI, R.; FERNÁNDEZ COLLADO, C.; BAPTISTA, P. Metodología de la Investigación. 6. ed. DF México: McGraw Hill, 2014. 376 p.

JACOB, B. Where the boys aren`t: non-cognitive skills, returns to school and the gender gap in higher education. Economics of Education Review, n. 21, p. 589-598, 2002.

LOURO, G. L. Gênero, história e educação: construção e desconstrução. Educação & Realidade, v. 20, n. 2, p. 101-132, 1995. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/71722. Acesso em: 10 jul. 2020.

OLIVEIRA, M.; REIS, P.; TINOCA, L. Sobre a influência do gênero no ensino e na aprendizagem das ciências. Scielo em Perspectiva: Humanas, 2018. Disponível em: http://ref.scielo.org/6d9gmq. Acesso em: 17 jan. 2020.

PÉREZ, E. R.; DELGADO, M. F. Inventario de autoeficacia para el estudio: desarrollo y validación inicial. Avaliação psicológica, v. 5, n. 2, p. 135-143, 2006. Universidad Nacional de Córdoba, Argentina. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=335027180003. Acesso em: 10 dez. 2019.

PORCAR, M. L. Estudio relacional entre determinados factores psicosociales y el rendimiento académico de estudiantes de la Facultad de Educación Elemental y Especial (Mendoza-Argentina). 2010. 575 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidad de Jaén, Espanha, 2010.

RISOTO, M. A. Autoconcepto y rendimiento académico en alumnos de primer curso de la Universidad de Jaén. 2008. 562 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidad de Jaén, Espanha.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, v. 20, n. 2, p. 71-99, 1995.

ULLOA GUERRA, O. Pedagogia, gênero e educação: articulações possíveis. Santiago, v. 147, p. 648-667, 2018. Disponível em: https://santiago.uo.edu.cu/index.php/stgo/article/view/4504. Acesso em: 10 jul. 2020.

WEINER, B. An attributional theory of motivation and emotion. New York: Springer-Verlag, 1986.

Publicado

02/01/2021

Como Citar

SANCHES, E. A.; ULLOA, O. Estudo relacional entre gênero e rendimento escolar de alunos do Ensino Fundamental e Médio de Brasília-Brasil. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. 1, p. 37–67, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16i1.13448. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/13448. Acesso em: 27 fev. 2021.

Edição

Seção

Artigos