A PRÁXIS PEDAGÓGICA E OS APRENDENTES SURDOS: IMPLICAÇÕES E PRESSUPOSTOS DO PARADIGMA VYGOTSKYANO NA PRÁTICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16i2.14002

Palavras-chave:

Prática Pedagógica, Surdez, Sociointeracionismo

Resumo

Esse artigo trata sobre o Paradigma da Aprendizagem de Levy Vigostsky (1896 -1934) e as implicações que essa mesma teoria pode possibilitar para uma prática educativa que dinamize a aprendizagem dos educandos surdos. Destarte, a teoria sociointeracionista com seus pressupostos de aprendizagem, pode viabilizar práticas que medeiem conhecimentos significativos, partindo das especificidades e das experiências sócio-históricas dos educandos surdos. Nesse sentido, esse estudo analisou sobre as possíveis implicações do Paradigma Sociointeracionista de Levy Vigotsky para a práxis pedagógica com educandos surdos e como esses mesmos princípios pode viabilizar práticas voltadas para a aprendizagem desses sujeitos. A metodologia utilizada por esse trabalho foi a análise documental, a qual contribuiu para uma compreensão mais aprofundada das implicações do sociointeracionismo para o processo de ensino-aprendizagem dos aprendentes surdos. Os resultados deste estudo é a consolidação de um rico ensaio teórico e pedagógico que permite a compreensão e possível aplicação dos constructos teóricos do sociointeracionismo de Vygotsky para a prática pedagógica com educandos surdos de forma a fomentar aprendizagens significativas.

Biografia do Autor

Bianca Silva Lopes Costa, Universidade Federal da Bahia/ Rede de Ensino Público do Estado da Bahia

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia - UFBA (2019 ). Mestre em História pela Universidade do Estado da Bahia - UNEB (2013). Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia - UNEB (2005). Graduada em História pela Universidade do Estado da Bahia - UNEB (2010). Graduada em Letras Libras pela Universidade Federal da Paraíba - UFPB (2016). Graduanda em Letras Língua Portuguesa pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI (2020 - ). Especialista em Política do Planejamento Pedagógico: Didática, Avaliação e Currículo pela Universidade do Estado da Bahia - UNEB (2008). Especialista em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela Escola de Engenharia e Agrimensura - EEA (2006). Especialista em Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS pela Escola de Engenharia e Agrimensura - EEA (2013). Especialista em Formação de Professores em Letras/LIBRAS pela Universidade do Estado da Bahia - UNEB (2020 ). Atualmente é professora na Rede de Ensino Público do Estado da Bahia. É membro e desenvolve pesquisas no Grupo de Estudo em Educação Inclusiva (GEINE) - UFBA e no Grupo de Pesquisa em História Oral e Memória (GPHOM) - UNEB. Pesquisa principalmente nos seguintes temas: História, História do Brasil, História da Educação, História das Religiões, História Cultural, Educação, Educação Especial, Educação de Surdos, Educação Inclusiva, Formação de Professores, Teorias da Aprendizagem, Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS e Literatura Brasileira.

Yuri Miguel Macedo, Universidade Federal do Espirito Santo / Universidade Federal do Sul da Bahia

Professor Pesquisador do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Universidade Federal do Espirito Santo (UFES), Professor no Programa de Pós-Graduação Lato Sensu Formação de Professores em Letras-Libras na Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Aluno do Programa de Pós-Graduação em Ensino e Relações Étnico-Raciais da Universidade Federal do Sul da Bahia, licenciado em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Boa Esperança - FABIBE, Especialista em História e Cultura Afro-Brasileira, Especialista em Educação de Jovens e Adultos, atuando principalmente nos seguintes temas: Identidade, Cultura, Classe, Gênero, Educação Inclusiva, Educação, Devoções, Transversalidade, Africanidades e Ancestralidade. Coordenador do Grupo de Pesquisa Educação Transversal (UFES), vice coordenador do Grupo de Pesquisa Erê-Ecoa (UFES) Pesquisador dos grupos: Grupo de Pesquisas em Linguagens, Poder e Contemporaneidade ? GELPOC (IFBA) ; Políticas de Inclusão e Educação para as Relações Étnico-Raciais (UFES); Invisibilidade Social e Energias Emancipatórias em Direitos Humanos (FDV) ; Espaços Deliberativos e Governança Pública (UFV/CLACSO) e Educação para as relações étnico-raciais, territorialidades e novas mídias (UFES). Membro da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN), Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPED) e Société Internationale d'Ergologie.

Referências

Antune, C. Vigotsky, quem diria?! Em minha sala de aula. 2a Ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2002.

Aranha, ML. ET AL. Filosofando: introdução à Filosofia. 2a Ed. São Paulo: Moderna, 1991.

Berni, R. Mediação: o conceito vygotskyano e suas implicações na prática pedagógica. Cadernos de Educação: Ensino e Sociedade. São Paulo, P, 2 (1): 59-72, 2015.

Cool, C. Desenvolvimento psicológico e educação: necessidades educacionais especiais e aprendizagem escolar. Vol. 03. Porto Alegre: Artmed, 1995.

DANIELLI, Françoise; FREITAS, Kamyla Thais Dias de; PEREIRA, Rubiane Guarino; CARDOSO, Fernando Luiz. Criação e desenvolvimento de jogos digitais cooperativos para crianças: uma revisão sistemática. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. 3, p. 1295-1308, jul./set. 2020. e-ISSN: 1982-5587. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v15i3.13069

Fazenda, I. Dicionário em construção: interdisciplinaridade. São Paulo: Cortez, 2001.

Fernández, A. Os idiomas do aprendente: análise das modalidades ensinantes com famílias, escolas e meios de comunicação. Porto Alegre: Artmed, 2001.

GUERRA, M. das G. G. V.; CUSATI, I. C.; SILVA, A. X. da. Interdisciplinaridade e transdisciplinaridade: dos conhecimentos e suas histórias. Revista Ibero Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 13, n. 03, p. 979-996, jul./set., 2018. E-ISSN:1982- 5587. DOI: 10.21723/riaee.v13.n3.2018.11257

Skliar, C. Educação & Exclusão: abordagens sócio - antropológicas em Educação Especial. Porto Alegre: Editora Mediação, 1998.

Lacerda, C. A inclusão escolar de alunos surdos: o que dizem alunos, professores e intérpretes sobre esta experiência. Cad. Cedes, Campinas, vol. 26, n. 69, p. 163-184, maio/ago. 2006. Disponível em <http://www.cedes.unicamp.br.

Lodi, AC. Plurilinguismo e surdez: uma leitura bakhtiniana da história da educação dos surdos. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 409-424, set./dez. 2005 409.

Magalhães, MC. Contribuições da Pesquisa Sócio-Histórica para a Compreensão dos Contextos Interacionais da Sala de Aula de Línguas: foco na formação de professores. The Especialist. V. 17, nº. 1, p. 01-18. São Paulo, 1996.

Mazzota, MJ. Trabalho docente e formação de professores de Educação Especial. São Paulo: EPU, 1993.

Marinho, RC. Filosofias educacionais: Oralismo, Comunicação Total e Bilinguismo. Faculdade Eficaz /PR. 2011.

Moreira, P. O fator lingüístico na aprendizagem e desenvolvimento cognitivo da criança surda. Revista Virtual de cultura surda e diversidade. 2007. Disponível em http://editora-arara-azul.com.br/novoeaa/revista. Acesso em: 20 de agosto de 2013.

Nunes, C. Quando a casa vira escola: A modernidade pedagógica no Brasil. In: Ensino de História: sujeitos, saberes e práticas. Rio de Janeiro, Maud X: FAPERJ, 2007.

Paz, FJ. Inclusão sócio - educacional do aluno surdo: perspectiva bilíngue na escola inclusiva. Fórum Internacional de Pedagogia, 2012.

Quadros, RM. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa. Secretaria de Educação Especial. Brasília: MEC/SEESP, 2007.

Rego, TC. Vigotsky: Uma perspectiva Histórico-Cultural da educação. 12a edição. Petropólis, RJ: Vozes, 2001.

SOUZA, K. R.; KERBAUY, M. T. M. A organização dos sistemas de ensino nos países do Mercosul. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp. 3, p. 1670-1687, out., 2019. E-ISSN: 1982-5587. DOI: 10.21723/riaee.v14iesp.3.12752

Tavares, K. Análise sobre a trajetória histórica da educação dos surdos. IX Congresso Nacional de Educação. III Encontro Sul brasileiro de Psicopedagogia. 2009.

Vygotsky, L; Luria, A.; Leontiev, A. Linguagem, Desenvolvimento e Aprendizagem. São Paulo: Ícone, 1988.

Vygotsky, L. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

Vygotsky, L. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

Wood, D.; Bruner, J.; Roos, G. The role of tutoring in problem solving. Journal of Child Psychology, v.17, p.89-100, 1976.

Publicado

16/09/2020

Como Citar

Costa, B. S. L., & Macedo, Y. M. (2020). A PRÁXIS PEDAGÓGICA E OS APRENDENTES SURDOS: IMPLICAÇÕES E PRESSUPOSTOS DO PARADIGMA VYGOTSKYANO NA PRÁTICA. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 16(2). https://doi.org/10.21723/riaee.v16i2.14002