Da formação continuada ao bem-estar docente

Características sócio-ocupacionais e prevenção de sintomas osteomusculares

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17i1.14279

Palavras-chave:

Formação docente, Saúde docente, Distúrbios osteomusculares, Escolas criativas

Resumo

Os distúrbios osteomusculares são destaque entre os problemas que mais afetam a saúde docente. Este estudo objetiva avaliar a associação entre características sócio-ocupacionais e sintomas osteomusculares em docentes da Educação Básica que frequentam o Programa de Formação-Ação em Escolas Criativas, visando o delineamento de estratégias que colaborem com seu bem-estar. Participaram da pesquisa 48 docentes atuantes na Educação Infantil e no Ensino Fundamental de instituições vinculadas às Redes Municipais de Ensino de São Ludgero e Paulo Lopes, Santa Catarina, Brasil. Para a coleta de dados, foram utilizados os seguintes instrumentos: o Questionário Socioeconômico e Ocupacional (BJORNER; OLSEN, 2010) e o Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares (BARROS; ALEXANDRE, 2003). O estudo constatou que diferentes características sócio-ocupacionais apresentadas pelos participantes se associam a sintomas osteomusculares específicos; isso pode auxiliar na definição de estratégias de prevenção para reduzir ainda mais a prevalência dos sintomas osteomusculares em docentes que frequentam o programa de formação proposto nesta pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricelli Endrigo Ruppel da Rocha, Universidade Alto Vale do Rio do Peixe (UNIARP), Caçador – SC – Brasil

Professor do Programa de Mestrado Profissional em Educação Básica e do Programa de Mestrado Acadêmico em Desenvolvimento e Sociedade. Doutorado em Ciências Biomédicas (IUNIR - UFSC).

Marlene Zwierewicz, Universidade Alto Vale do Rio do Peixe (UNIARP), Caçador – SC – Brasil

Coordenadora e Professora do Programa de Mestrado Profissional em Educação Básica. Coordenadora com Saturnino de la Torre da Red Internacional de Escuelas Creativas (RIEC). Doutorado em Psicologia (UFSC).

Verónica Violant Holz, Universidade de Barcelona (UB), Barcelona – Catalunha – Espanha

Professora Titular da Faculdade de Educação. Diretora do Observatório Internacional em Pedagogia Hospitalar.

Referências

ALMEIDA, A. L. R. Influência do Programa de Formação-Ação em Escolas Criativas na transformação das práticas pedagógicas em uma escola do campo. 2018. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação Básica) – Universidade Alto Vale do Rio do Peixe, Caçador, 2018.

ALMEIDA, A. L. R.; ZWIEREWICZ, M.; CARREÑO-SAUCEDO, L. Do Programa de Formação-Ação em Escolas Criativas ao planejamento transdisciplinar e ecoformador em uma escola do campo. Revista Extensão em Foco, Caçador, v. 7, n. 2, p. 91-107, 2019.

AMMAR, A. et al. Effects of COVID-19 home confinement on physical activity and eating behavior. Preliminary results of the ECLB-COVID19 international online-survey. Medrxiv, [s. l.], v. 12, n. 6, p. 1-23. 2020.

ANTUNES, R. et al. Exploring Lifestyle Habits, Physical Activity, Anxiety and Basic Psychological Needs in a Sample of Portuguese Adults during COVID-19. International Journal of Environmental Research and Public Health, [s. l.], v. 17, n. 12, p. 1-13, 2020.

BARROS, E. N. C.; ALEXANDRE, N. M. C. Cross-cultural adaptation of the Nordic musculoskeletal questionnaire. Int Nurs Rev., [s. l.], v. 50, n. 2, p. 101-108, 2003.

BJORNER, J. B.; OLSEN, J. Questionnaires in epidemiology. In: OLSEN J.; SARACCI, R.; TRICHOPOULOS, D. (Ed.). Teaching Epidemiology, Fourth Edition: a guide for teachers in epidemiology, public health and clinical medicine. Oxford: Oxford University, 2010. p. 93-104.

BRANCO, J. C.; JANSEN, K. Prevalência de sintomas osteomusculares em professores de escolas públicas e privadas do ensino fundamental. Fisioter. Mov., Curitiba, v. 24, n. 2, p. 307-314, abr./jun., 2011.

BRITO, W. F. et al. Physical activity levels in public school teachers. Rev. Saúde Pública, [s. l.], v. 46, n. 1, p. 104-109, 2012.

CAMACHO-CARDENOSA, A. et al. Influencia de la actividad física realizada durante el confinamiento en la pandemia del Covid-19 sobre el estado psicológico de adultos: un protocolo de estudio. Rev Esp Salud Pública, [s. l.], v. 94, n. 12, p. 1-12, 2020.

CARDOSO, J. P. et al. Aspectos psicossociais do trabalho e dor musculoesquelética em professores. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 27, n. 8, p. 1498-1506, 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011000800005

CARDOSO, J. P. et al. Prevalência de dor musculoesquelética em professores. Revista Brasileira de Epidemiologia, Viçosa, v. 12, p. 604-614, 2009. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622014000400017.

CARVALHO, A.; ALEXANDRE, N. Sintomas osteomusculares em professores do Ensino Fundamental. Brazilian Journal of Physical Therapy, [s. l.], v. 10, p. 35-41, 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbfis/v10n1/v10n1a05.pdf. Acesso em: 20 dez. 2019.

CEBALLOS, A. G. C.; SANTOS, G. B. Factors associated with musculoskeletal pain among teachers: sociodemographics aspects, general health and well-being at work. Rev. Bras. Epidemiol, [s. l.], v. 18, n. 3, p. 702-715, jul./set. 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201500030015

CHENG, H.-Y. K. et al. Work-related musculoskeletal disorders and ergonomic risk factors in special education teachers and teacher’s aides. BMC Public Health, [s. l.], v. 16, n. 1, p. 137, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1186 / s12889-016-2777-7

CONVERSO, D. et al. Musculoskeletal disorders among preschool teachers: analyzing the relationships among relational demands, work meaning, and intention to leave the job. BMC Musculoskeletal Disorders, [s. l.], v. 19, n. 1, p. 156, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.1186/s12891-018-2081-z

DIAS, D. F. et al. Insufficient free-time physical activity and occupational factors in Brazilian public school teachers. Rev. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 51, p. 68, jul. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1518-8787.2017051006217

EGGERS, L. S.; PILLAY, J. D.; GOVENDER, N. Musculoskeletal pain among school teachers: are we underestimating its impact? Occupational Health Southern Africa, [s. l.], v. 24, n. 2, p. 46-50, 2018. Disponível em: https://journals.co.za/content/journal/10520/EJC-e213dcf47. Acesso em: 21 dez. 2019.

ERICK, P. N.; SMITH, D. R. A systematic review of musculoskeletal disorders among school teachers. BMC Musculoskelet Disord, [s. l.], v. 12, p. 260, nov. 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.1186 / 1471-2474-12-260

ERICK, P. N.; SMITH, D. R. Low back pain among school teachers in Botswana, prevalence and risk factors. BMC Musculoskeletal Disorders, [s. l.], v. 15, n. 1, p. 359, 2014. DOI: https://doi.org/10.1186/1471-2474-15-359. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25358427/. Acesso em: 23 nov. 2019.

EVES, M. Y. R.; SILVA, E. S. A dor e a delícia de ser (estar) professora: trabalho docente e saúde mental. Estud. Pesqui. Psicol., [s. l.], v. 6, n. 1, p. 63-75, 2006. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epp/v6n1/v6n1a06.pdf. Acesso em: 20 nov. 2019.

FERNANDES, M. H.; ROCHA, V. M. R.; COSTA-OLIVEIRA, A. G. R. Fatores associados à prevalência de sintomas osteomusculares em professores. Rev. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 11, p. 256-267, 2009. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/rsap/v11n2/v11n2a10.pdf. Acesso em: 22 dez. 2019.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. S.; ANDRÉ, M. E. D. A. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO, 2011.

LÜDKE, M.; BOING, L. A. Do trabalho à formação de professores. Cadernos de Pesquisa, [s. l.], v. 42, p. 428-451, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cp/v42n146/07.pdf. Acesso em: 16 dez. 2019.

MOTA JÚNIOR, R. J. et al. Level of physical activity in basic education teachers evaluated by two instruments. Journal of Physical Education, [s. l.], v. 28, e2833, out. 2017. DOI: https://doi.org/10.4025/jphyseduc.v28i1.2833

NG, Y. M.; VOO, P.; MAAKIP, I. Psychosocial factors, depression, and musculoskeletal disorders among teachers. BMC Public Health, [s. l.], v. 19, n. 1, p. 234, fev. 2019.

OLIVEIRA, T. L. F. F; BEHRENS, M. A; PRIGOL, E. L. Formação docente on-line à luz do paradigma da complexidade. RIAEE – Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. 4, p. 1888-1902, out./dez. 2020.

ONU. Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. Acelerando as transformações para a Agenda 2030 no Brasil. Brasília: ONU, 2015. Disponível em: http://www.agenda2030.org.br/. Acesso em: 20 mar. 2020.

PETRAGLIA, I. Pensamento complexo e educação. São Paulo: Livraria da Física, 2013.

PICOLOTO, D.; SILVEIRA, E. D. Prevalência de sintomas osteomusculares e fatores associados em trabalhadores de uma indústria metalúrgica de Canoas – RS. Ciência & Saúde Coletiva, [s. l.], v. 13, n. 2, p. 507-516, 2008.

PINHEIRO, F. A.; TRÓCCOLI, B. T.; CARVALHO, C. V. D. Validação do Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares como medida de morbidade. Rev. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 36, n. 3, p. 307-312, 2002.

RIBEIRO, O. C.; MORAES, M. C. Criatividade em uma perspectiva transdisciplinar: rompendo crenças, mitos e concepções. Brasília: Liber Livro, 2014.

ROCHA, R. E. R. D. et al. Sintomas osteomusculares e estresse não alteram a qualidade de vida de professores da Educação Básica. Fisioterapia e Pesquisa, [s. l.], v. 24, n. 3, p. 259-266, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/1809-2950/16447524032017

SANTANA, J. D. O.; PEIXOTO, S. V. Inatividade física e comportamentos adversos para a saúde entre professores universitários. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, [s. l.], v. 23, n. 2, p. 103-108, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1517-869220172302160772

SANTOS, M. N. D.; MARQUES, A. C. Condições de saúde, estilo de vida e características de trabalho de professores de uma cidade do sul do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, [s. l.], v. 18, n. 3, p. 837-846, 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000300029

SCHEUCH, K.; HAUFE, E.; SEIBT, R. Teachers’ Health. Deutsches Arzteblatt international, [s. l.], v. 112, n. 20, p. 347-356, 2015.

SHUAI, J. et al. Assessing the effects of an educational program for the prevention of work-related musculoskeletal disorders among school teachers. BMC Public Health, [s. l.], v. 14, p. 1211, nov. 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1186/1471-2458-14-1211

SILVA, A. T. R. Ecoformação: reflexões para uma pedagogia ambiental, a partir de Rousseau, Morin e Pineau. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, UFPR, n. 18, p. 95-104, jul./dez. 2008. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/made/article/view/13428. Acesso em: 14 nov. 2019.

SOLIS-SOTO, M. T. et al. Prevalence of musculoskeletal disorders among school teachers from urban and rural areas in Chuquisaca, Bolivia: a cross-sectional study. BMC Musculoskelet Disord, [s. l.], v. 18, n. 1, p. 425, out. 2017.

TEMESGEN, M. H. et al. Burden of shoulder and/neck pain among school teachers in Ethiopia. BMC Musculoskelet Disord, [s. l.], v. 20, n. 1, p. 18, jan. 2019.

VICENT, M. et al. Perfectionism profiles and motivation to exercise based on Self-Determination Theory. International Journal of Environmental Research and Public Health, [s. l.], v. 17, n. 9, p. 1-12, 2020. DOI: https://doi.org/10.3390/ijerph170932062020

YUE, P.; LIU, F.; LI, L. Neck/shoulder pain and low back pain among school teachers in China, prevalence and risk factors. BMC Public Health, [s. l.], v. 12, p. 789, set. 2012.

ZWIEREWICZ, M. et al. Continued training, quality of life and prevalence of osteomuscular symptoms in teachers of Basic Education. International Journal of Development Research, [s. l.], v. 9, n. 4, p. 27391-27393, abr. 2019.

ZWIEREWICZ, M. et al. Escolas Criativas: experiências transformadoras potencializadas na interação do Ensino Superior com a Educação Básica. Revista Polyphonía, Goiânia, v. 27, n. 1, p. 393-414, jul. 2016. DOI: https://doi.org/10.5216/rp.v27i1.42320

Publicado

02/01/2022

Como Citar

ROCHA, R. E. R. da; ZWIEREWICZ, M.; VIOLANT HOLZ, V. Da formação continuada ao bem-estar docente: Características sócio-ocupacionais e prevenção de sintomas osteomusculares. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 1, p. 0428–0446, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17i1.14279. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/14279. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos