Ausência presente em sala de aula: a morte de um aluno/a e o cotidiano escolar na perspectiva de professoras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16i1.14472

Palavras-chave:

Prática pedagógica, Luto na escola, Morte de criança, Cotidiano escolar, Anos iniciais do ensino fundamental

Resumo

Este artigo apresenta um estudo exploratório sobre professoras que perderam um aluno/a por morte por doença no Fundamental I. Enfoca recursos e desafios em lidar com tal situação frente à turma de crianças. Adota uma perspectiva multidisciplinar entre os estudos de luto e morte na área da saúde, bases da psicologia histórico-cultural e da educação. Identifica, nos casos estudados, incertezas no ambiente escolar e processos visando equilibrar, nos dias e meses, o turbilhão de emoções e a vida cotidiana da turma em sala de aula. Competiu às professoras e às equipes pedagógicas coordenar a transição entre luto e vida escolar; estabelecer um ambiente acolhedor e seguro; e propor modos de lidar com os desafios emocionais e cognitivos decorrentes da perda do colega. Os resultados estão organizados, ainda, por meio das práticas realizadas pelas professoras entrevistadas e consideradas por elas fundamentais para o suporte da vida escolar nas situações vividas.

Biografia do Autor

Ilana Laterman, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis – SC

Professora Adjunta no Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutorado em Educação (UFSC).

Regina Szylit, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo – SP

Professora Titular e Diretora da Escola de Enfermagem. Doutorado em Enfermagem (USP). Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 1C.

Referências

ANDRADE, M.; MISHIMA-GOMES, F.; BARBIERI, V. Luto infantil e capacidade criativa: a experiência de perder um irmão. Psico-UFS [online], Campinas, v. 23. n. 1. p. 25-36, 2018. ISSN 2175-3563. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-82712018230103

ARENDT, H. A condição humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

ARIÈS, P. História da morte no Ocidente: da Idade Média aos nossos dias. Trad. Priscila Viana de Siqueira. Prefácio de Jacob Pinheiro Goldberg. Rio de Janeiro: Ediouro, 2003.

BARBOSA, A. Processo de luto. In: A. BARBOSA, A.; NETO, I. G. (Eds.). Manual de cuidados paliativos. Lisboa: Universidade de Lisboa, 2010. p. 487-532.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70, 2010.

BRASIL. Sinopses Estatísticas da Educação Básica. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2019. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica. Acesso em: 20 fev. 2019.

CASE, D. M.; CHEAH, W. H.; LIU, M. Mourning with the morning bell: an examination of secondary educators attitudes and experiences in managing the discourse of death in the classroom. OMEGA Journal of death and dying, v. 80, n. 3, p. 397-419, 2020. DOI: https://doi.org/10.1177%2F0030222817737228

CASELLATO, G. (Org.). O resgate da empatia: suporte psicológico ao luto não reconhecido. 2. ed. Niterói: Polo, 2013

ELIAS, N. A solidão dos moribundos, seguido de envelhecer e morrer. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

FRANCO, M. H. P. Estudos avançados sobre o luto. Campinas, SP: Livro Pleno, 2002

FRANCO, M. H. P. Por que estudar o luto na atualidade? In: FRANCO, M. H. P. (Org.). Formação e rompimento de vínculos. São Paulo, SP: Summus, 2010. p. 17-42.

FREINET, C. Pedagogia do bom senso. São Paulo: Martins Fontes,1996.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HELLER, A. Teoria de los Sentimientos. México: Fontamara, 2013.

HELLER, K. W. et al. Teachers' knowledge and support systems regarding students with terminal illness. Physical Disabilities: Education and Related Services, v. 32, n. 2, p. 3-29, 2013. Disponível em: https://files.eric.ed.gov/fulltext/EJ1061920.pdf. Acesso em: 15 out. 2019.

KOVACS, M. J. Educação para a morte. Psicol. cienc. prof. [online], Brasília, v. 25, n. 3, p. 484-497, 2005.ISSN 1414-9893. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932005000300012

METZGAR. What do we do with the empty desk? In: WALTER, A. D.; DEVEAU, E. J. Helping children and adolescents cope with death and bereavment. Beyond the innocence of childhood. New York: Baywood Publishing Company, 1995. v. 3.

MINAYO, M. S. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciências da saúde coletiva [online], Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 621-626, 2012. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000300007

SANTOS, M. R. et al. Da hospitalização ao luto: significados atribuídos por pais aos relacionamentos com profissionais em oncologia pediátrica. Rev. esc. enferm., São Paulo, v. 53, out. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/s1980-220x2018049603521

SHEAR, M. K. Grief and mourning gone awry: pathway and course of complicated grief. Dialogues Clin Neurosci, v. 14, n. 2, p.119-128, jun. 2012. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3384440/. Acesso em: 10 out 2019.

VIGOTSKI, L. S. Imaginação e criação na infância: Ensaio psicológico. Trad. Zoia Prestes. São Paulo: Ática, 2009.

VIGOTSKI, L. S. Sete aulas de L. S. Vigotski sobre os fundamentos da Pedologia. Trad. Claudia da Costa Guimarães Santana. Rio de Janeiro: E-papers, 2018.

VYGOTSKY, L. S. Desenvolvimento psicológico na infância. São Paulo: Martins, 2001.

Publicado

02/01/2021

Como Citar

LATERMAN, I.; SZYLIT, R. Ausência presente em sala de aula: a morte de um aluno/a e o cotidiano escolar na perspectiva de professoras. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. 1, p. 320–340, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16i1.14472. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/14472. Acesso em: 27 fev. 2021.

Edição

Seção

Artigos