Notas sobre fracasso e diversidade: os sentidos do aprender e do não aprender na escola

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp5.14561

Palavras-chave:

Ensino-aprendizagem, Fracasso escolar, Diversidade cultural, Discurso

Resumo

Este artigo é resultado de estudos produzidos pelo Núcleo de Linguagens, Alfabetização e Letramento da UERJ, no contexto do Grupo de Pesquisa Linguagem, Cognição Humana e Processos Educacionais. Em formato de relato de pesquisa de base teórico-conceitual, tem-se como objetivo apresentar uma discussão que contribua para o debate acerca das proposições teóricas que, embora se apresentem como um olhar interdisciplinar da Educação, acabam por supervalorizar uma perspectiva clínica e biológica da aprendizagem em contexto escolar, a despeito de ser esta marcada por diversidades em diferentes formas. Defende-se aqui que o olhar interdisciplinar direcionado aos sentidos da aprendizagem e da não aprendizagem deve dar relevo à questão da diversidade cultural e sua relação com os processos de superação e inclusão no âmbito escolar. O estudo encontra-se dividido em três partes: análise crítica das assim chamadas teorias biologizantes do fracasso escolar, com ênfase no papel que desempenham no processo de estigmatização do sujeito escolar; análise do papel dos estudos culturais para o avanço na compreensão do fracasso escolar, e; descrição conceitual das noções discursivas que contribuem para a compreensão dos processos de construção de conhecimento sob a perspectiva da diversidade cultural.

Biografia do Autor

Maria Letícia Cautela de Almeida Machado, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro – RJ

Professora Adjunta no Departamento de Estudos Aplicados ao Ensino. Doutorado em Educação (UERJ).

Paula da Silva Vidal Cid Lopes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro – RJ

Professora Associada no Departamento de Estudos Aplicados ao Ensino. Doutorado em Educação (UERJ).

Luiz Antonio Gomes Senna, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro – RJ

Professor Titular no Programa de Pós-Graduação em Educação e no Departamento de Estudos Aplicados ao Ensino. Doutorado em Linguística Aplicada (PUC-Rio). Pesquisador bolsista dos programas PROCIENCIA (UERJ/FAPERJ) e CNE da Fundação FAPERJ. Bolsista de produtividade acadêmica da Fundação CECIERJ.

Referências

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. São Paulo: Editora 34, 2016.

BRASIL. Decreto n. 9765, de 11 de abril de 2019. Institui a Política Nacional de Alfabetização. Brasília: MEC, 2019a. Disponível em: https://legis.senado.leg.br/norma/30902116/publicacao/30905492. Acesso em: 20 mar. 2020.

BRASIL. Resolução n. 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC – Formação). Brasília: CNE, 2019b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file. Acesso em: 20 mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília: MEC/SEB, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. Brasília, MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, n. 248, p. 27833, 23 dez. 1996.

BRUNER, J. Actual minds, possible words. Cambridge: Harvard University Press, 1986.

COLELLO, S. M. G. A escola que (NÃO) ensina a escrever. São Paulo: Summus, 2012.

FERREIRO, E; TEBEROSKY, A. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.

GARCIA, A. L. M. Fonoaudiologia e letramento. In: DAUDEN, A. T. B. C.; MORI-DE ANGELIS, C. C. Linguagem escrita: tendências e reflexões sobre o trabalho fonoaudiológico. São Paulo: Editora Pancast, 2004. p. 15-35.

HOBSBAWM, E. A era das revoluções. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

IANNI, O. (Org.) Florestan fernandes: sociologia crítica e militante. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

JAPIASSU, H. O sonho transdisciplinar: e as razões da filosofia. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

MACHADO, M. L. C. A. A escrita alfabética, sua natureza e representação: contribuições à Fonoaudiologia aplicada à Educação. Orientador: Luiz Antônio Gomes Senna. 2013. 157 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013

MACHADO, M. L. C. A. SIGNOR, R. C. F. Os transtornos funcionais específicos e a educação inclusiva. In: MARCHESAN, I. Q.; SILVA, H. J.; TOMÉ, M. C. Tratado das especialidades em fonoaudiologia. Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. 1. ed. São Paulo: Guanabara Koogan, 2014.

MOYSÉS, M. A. A. Dislexia existe? Questionamentos a partir de estudos científicos. In: BENEVENUTO, A. B.; ANGELUCCI, C. B.; BONOLENTA, L; MARTÃO, W. (Org.). Dislexia: subsídios para políticas públicas. Cadernos Temáticos Conselho Regional de Psicologia SP. São Paulo: CRP SP. 2010. v. 8. p. 11-23. Disponível em: http://www.crpsp.org.br/portal/comunicação/cadernos_tematicos/8/frames/fr_dislexia. Acesso em: 20 mar. 2020.

MOYSÉS, M. A. A. A medicalização na educação infantil e no ensino fundamental e as políticas de formação docente. A medicalização do não-aprender-na-escola e a invenção da infância anormal. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 31., 2008, Caxambu. Anais [...] Caxambu: ANPEd, 2008. Disponível em: http://31reuniao.anped.org.br/4sessao_especial/se%20-%2012%20-%20maria%20aparecida%20affonso%20moyses%20-%20participante.pdf. Acesso em: 19 mar. 2020.

MOYSÉS, M. A. A. A institucionalização invisível: crianças que não-aprendem-na-escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2001.

MOYSÉS, M. A.; COLLARES, C. A. L. Medicalização o obscurantismo reinventado. In: COLLARES, C. A. L.; MOYSÉS, M. A.; RIBEIRO, M. C. (Org.). Novas capturas, antigos diagnósticos na era dos transtornos. São Paulo: Mercado de Letras, 2013. p. 41-65.

PATTO, M. H. S. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. 3. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2008.

SENNA, L. A. G. O campo acadêmico do letramento e da alfabetização no Brasil: estados e perspectivas da pesquisa em linguística aplicada. In: COLÓQUIO BRASILEIRO EDUCAÇÃO NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA, 3., 2012, Campina Grande. Anais [...]. Campina Grande: UFCG, 2012.

SMOLKA, A. L. B. A criança na fase inicial da escrita: a alfabetização como processo discursivo. São Paulo: Cortez; Campinas, SP: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1999.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

Downloads

Publicado

01/12/2020

Como Citar

Machado, M. L. C. de A., Lopes, P. da S. V. C., & Senna, L. A. G. (2020). Notas sobre fracasso e diversidade: os sentidos do aprender e do não aprender na escola. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 15(esp5), 2837–3854. https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp5.14561