Políticas de avaliação externa e a medicalização da educação: dos sentidos do “não aprender” até o “não ensinar”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp5.14566

Palavras-chave:

Políticas de avaliação externa, Culpabilização, Não aprender, Não ensinar, Medicalização

Resumo

Neste artigo, objetivamos analisar as políticas de avaliação externa e os efeitos concernentes ao “não aprender” e ao “não ensinar” como marcas da culpabilização e medicalização da educação. Por meio de um estudo bibliográfico, abordamos os constructos teóricos-conceituais que confrontam a lógica classificatória das avaliações no âmbito das políticas. Como procedimentos metodológicos do campo empírico, realizamos entrevistas dialogadas com professores de um município mineiro. Evidenciamos os sentidos e efeitos precípuos das políticas de avaliação marcadas pelo modus operandi neoliberal que afeta a organização do trabalho pedagógico, os estudantes e os docentes que são forçados a se enquadrarem em resultados e padrões eivados de interesses do mercado. Nesse caso, os sujeitos que não se atentam às expectativas quantitativas são culpabilizados e submetidos a dispositivos de poder que procuram enquadrá-los nos padrões definidos como normais e/ou ideais, ao explicitarem a lógica medicalizante.

Biografia do Autor

Vilma Aparecida de Souza, Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia – MG

Professora Adjunto III da Faculdade de Educação. Doutorado em Educação (UFU).

Leonice Matilde Richter, Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia – MG

Professora Adjunto III da Faculdade de Educação. Doutorado em Educação (UFU).

Lázara Cristina da Silva, Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia – MG

Professora Adjunto IV da Faculdade de Educação e Líder do Grupo de Pesquisa em Políticas e Práticas em Educação Especial e Inclusão GEPEPES. Doutorado em Educação (UFU).

Referências

AFONSO, A. J. Questões, objetos e perspectivas em avaliação. Avaliação, Campinas, v. 19, n. 2, p.487-507, 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-40772014000200013

BALL, S. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 126, p. 539-564, Dec. 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742005000300002

BRASIL. Lei n.9.131, de 24 de novembro de 1995. Altera dispositivos da Lei n.4.024, de 20 de dezembro de 1961. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, p. 19257, 25 nov. 1995.

BRASIL. Ministério da Educação. O Plano de Desenvolvimento da Educação: razões, princípios e programas. Brasília: MEC, 2007. Disponível em: http://www.portal.mec.gov.br/arquivos/livro/index.htm. Acesso em: 10 jul. 2011.

CALDAS, A. R. Desistência e resistência no trabalho docente: um estudo das professoras e professores do ensino fundamental da Rede Municipal de Educação de Curitiba. 2007. 174 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007.

CALDAS, A. R. Trabalho docente e saúde: inquietações trazidas pela pesquisa nacional com professores (as) da educação básica. In: OLIVEIRA, D. A.; VIEIRA, L. F. (Org.) Trabalho na educação básica: a condição docente em sete estados brasileiros. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012. p. 429-445.

CODO, V. M. O que é burnout? In: CODO, W. (Coor.). Burnout: a síndrome da desistência do educador, que pode levar à falência da educação. Petrópolis: Vozes, 1999.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO. Brasília, DF: CNTE, 2020. Disponível em: https://www.cnte.org.br/index.php/menu/institucional/cnte. Acesso em: 7 fev. 2020.

FREITAS, L. C. de. Eliminação adiada: o caso das classes populares no interior da escola e a ocultação da (má) qualidade do ensino. Educação & Sociedade, São Paulo; Campinas, v. 28, n.100, p. 965-987, out. 2007. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302007000300016

GARCIA, A. T. Como os processos de medicalização respondem às políticas públicas e avaliações externas: um olhar a partir do discurso de uma escola de alto IDEB. Marília, 2019. 116 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2019.

LEHER, R. Medicalização de políticas públicas, avaliação e metas de desempenho. In: COLLARES, C. L. A.; MOYSÉS, M. A. A.; RIBEIRO, M. C. F. (Org.). Novas Capturas, Antigos Diagnósticos na Era dos Transtornos. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2013.

LIMA, W. P.; GUIMARÃES DE FARIA, G. G. Medicalização e fracasso escolar: introdução à construção do discurso hegemônico. Itinerarius Reflectionis, v. 15, n. 1, p. 1-17, fev. 2019. Disponível: https://www.revistas.ufg.br/rir/article/view/53834/32622. Acesso em: 7 fev. 2020.

MAUÉS, O. C. A avaliação e a regulação: o professor e a responsabilização dos resultados. In: DALBEN, Â.; DINIZ, J.; LEAL, L.; SANTOS, L. (Org.). Coleção didática e prática de ensino. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. v. 6. p. 703-729.

MEIRA, M. E. M. Para uma crítica da medicalização na educação. Psicologia Escolar Educacional, Maringá, v. 16, n. 1, p. 136-42, jan./jun. 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-85572012000100014

MOYSÉS, M. A.; COLLARES, C. A. L. Controle e medicalização da infância. Desidades, Rio de Janeiro, ano 1, n. 1, dez, 2013, p. 11-21. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/desidades/article/view/2456. Acesso em: 20 mai. 2017.

OLIVEIRA, D. A. Mudanças na organização e na gestão do trabalho na escola. In: OLIVEIRA, D. A.; ROSAR, M. F. F. Política e Gestão da Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

RICHTER, L. M. Trabalho docente, políticas de avaliação em larga escala e accountability no Brasil e em Portugal. 2015. 450 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2015.

RICHTER, L. M. de; SOUZA, V. A.; SILVA, M. V. A dimensão meritocrática dos testes estandardizados e a responsabilização unilateral dos docentes. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação - Periódico científico editado pela ANPAE, v. 31, n. 3, p. 607-625, jun. 2016. ISSN 2447-4193. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/rbpae/article/view/60198. Acesso em: 28 out. 2020.

ROBALINO, M. A saúde e o trabalho docente: um desafio para as políticas públicas da educação. In: OLIVEIRA, D.; FRAGA, L. (Org.). Trabalho na educação básica: a condição docente em sete estados brasileiros. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012.

SACRISTÁN, J. G. Reformas educacionais: utopia, retórica e prática. In: SILVA, T. T.; GENTILI, P. Escola S.A.: quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Brasília: Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, 1996. p. 50-74.

SIGNOR, R. C. F.; BERBERIAN, A.P.; SANTANA, A. P. A medicalização da educação: implicações para a constituição do sujeito/aprendiz. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 3, p.743-763, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/s1517-9702201610146773

SILVA, K. C. S. Marcas da medicalização na política educacional brasileira: a educação especial como situação emblemática. 2019. 194 f. Tese (Doutorado em Educação e Ciências Sociais: Desigualdades e Diferenças) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

SILVA, M. V. S.; RICHTER, L. M.; SOUZA, V. A. Editorial. Revista Educação E Políticas Em Debate, Uberlândia, v. 9, n. 2, p. 255-259, 2020. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/56037. Acesso em: 20 out. 2020.

Downloads

Publicado

01/12/2020

Como Citar

Souza, V. A. de, Richter, L. M., & Silva, L. C. da. (2020). Políticas de avaliação externa e a medicalização da educação: dos sentidos do “não aprender” até o “não ensinar”. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 15(esp5), 2916–2931. https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp5.14566