Surdez, identidade e diferença

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17i2.14593

Palavras-chave:

Surdez, Cultura surda, Identidade surda, Educação especial

Resumo

Este estudo objetiva compreender como a diferença do sujeito surdo é concebida no contexto socioeducacional, predominantemente organizado com base na identidade. A premissa é a de que é necessário conhecer o sujeito surdo, os aspectos culturais e identitários, as lutas em prol dos direitos de inclusão desse público em todos os contextos sociais, e desmistificar os estereótipos que geram preconceitos e segregação. Este estudo, de caráter bibliográfico, evidencia que a escolarização de crianças surdas necessita superar as práticas pedagógicas de colonização, sob o domínio do ouvintismo, e considerar o protagonismo e a autorrepresentação do sujeito surdo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Taise Dall'Asen, Universidad Diego Portales (UDP), Santiago – Chile

Doutoranda em Educação (UDP/UAH). Mestre em Educação (UNOCHAPECÓ).

Tania Mara Zancanaro Pieczkowski, Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ), Chapecó – SC – Brasil

Professora, pesquisadora e, coordenadora do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado em Educação. Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Referências

BARBOSA, A. A. S. Bilinguismo e a Educação dos Surdos. [S. l.]: WEBARTIGOS, 2011. Disponível em: https://www.webartigos.com/artigos/bilinguismo-e-a-educacao-de-surdos/67821/. Acesso em: 05 nov. 2018.

BISOL, C.; SPERB, T. M. Discursos sobre a Surdez: Deficiência, Diferença, Singularidade e Construção de Sentido. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 26, n. 1, p. 7-13, jan./mar. 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ptp/a/SQkcz9tT9tyhYBvZ4Jv5pfj/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 05 abr. 2021.

BRASIL. Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10436.htm.

Acesso em: 22 nov. 2017.

BRASIL. Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, DF: Presidência da República, 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20042006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 10 nov. 2018.

BRASIL. Lei n. 14.191, de 3 de agosto de 2021. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), para dispor sobre a modalidade de educação bilíngue de surdos. Brasília, DF: Presidência da República, 2021. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2021/Lei/L14191.htm. Acesso em: 30 set. 2021.

DORZIAT, A. Educação Especial e Inclusão Escolar (prática e/ou teoria). In: DECHICHI, C.; SILVA, L. C. (org.). Inclusão Escolar e educação especial: teoria e prática na diversidade. Uberlândia: EDUFU, 2008. p. 21-36.

DORZIAT, A. O outro da educação: pensando a surdez com base nos temas Identidade/Diferença, Currículo e Inclusão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

FOUCAULT, M. Seguridad, Terriotorio, Población: Curso en el Collège de France: 1977-1978. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2006.

FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2017.

GESSER, A. LIBRAS?: Que língua é essa?: crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

HALL, S. A Identidade Cultural na Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2004.

HINDLEY, P. A. Mental health problems in deaf children. Current paediatrics, v. 15, n. 2, p. 114-119, 2005. DOI: 10.1016/j.cupe.2004.12.008. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0957583904001952. Acesso em: 10 set. 2021

LOPES, M. C.; VEIGA-NETO, A. Marcadores culturais surdos: quando eles se constituem no espaço escolar. Perspectiva. Florianópolis, n. 24, n. esp. 3, p. 81-100, jul./dez. 2006. DOI: 10.5007/%25x. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/10541. Acesso em: 10 set. 2021.

LOPES, M. C. Políticas de Inclusão e governamentabilidade. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 153-170, maio/ago. 2009. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/8297. Acesso em: 10 ago. 2021.

LOPES, M. C. Surdez & educação. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

LEBEDEFF, T. B. Aprendendo a ler “com outros olhos”: relatos de oficinas de letramento visual com professores surdos. Cadernos de Educação, Pelotas, n. 36, p. 175 - 195, maio/ago. 2010. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/caduc/article/view/1606/1489. Acesso em: 20 abr. 2021

MACHADO, P. C. A política educacional de integração/inclusão: um olhar do egresso surdo. Florianópolis: Editora da UFSC. 2008.

MEYER, D. E.; PARAÍSO, M. A. Metodologias de pesquisas pós-críticas ou sobre como fazemos nossas investigações. In: MEYER, D. E.; PARAÍSO, M. A. (org.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza, 2014. p. 17-24.

MOURÃO, M. P.; MIRANDA, A. A. B. As teias epistemológicas da educação de pessoas surdas: reconhecer para incluir. Rev. Ed. Popular, Uberlândia, v. 7, p. 44-53, jan./dez. 2008. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/reveducpop/article/view/20099/10731. Acesso em: 10 abr. 2021.

MCCLEARY, L. O orgulho de ser surdo. In: ENCONTRO PAULISTA ENTRE INTÉRPRETES E SURDOS, 1, 2003, São Paulo. O orgulho de ser surdo. São Paulo: FENEIS-SP, Faculdade Sant Anna, 2003.

NASCIMENTO, L. C. R. Um pouco mais da história da educação dos surdos, segundo Ferdinand Berthier. ETD – Educação Temática Digital, Campinas, v. 7, n. 2, p. 255-265, jun. 2006. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/807. Acesso em: 10 mar. 2021.

PIECZKOWSKI, T. M. Z.; NAUJORKS, M. I. (org.). Educação, inclusão e acessibilidade: diferentes contextos. Chapecó: Argos, 2014.

PIECZKOWSKI, T. M. Z. Língua brasileira de sinais (LIBRAS): Quinze anos da Lei 10.436/2002 e seus impactos no município de Chapecó (SC). Revista Trama, Paraná, v 14, n. 32, p. 53-65, 2018. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/trama/article/view/18555. Acesso em: 10 maio 2021.

PIECZKOWSKI, T. M. Z. Inclusão de estudantes com deficiência na educação superior: efeitos na docência universitária. 2014. 208f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2014.

QUADROS, R. M. Educação de surdos: Efeitos de modalidade e práticas pedagógicas. In: MENDES, E. G.; ALMEIDA, M. A.; WILLIAMS, L. C. A. (org.) Temas em educação especial: Avanços recentes. São Carlos: Ed. UFSCar, 2004. p. 55-61.

QUADROS, R. M. Políticas linguísticas e educação de surdos In: CONGRESSO INTERNACIONAL, 5.; SEMINÁRIO NACIONAL DO INES, 6., 2006, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: INES, 2007. p. 94-102.

QUADROS, R. M.; PERLIN, G. T. T. (org.). Estudos Surdos II. Petrópolis, RJ: Arara Azul. 2007.

SÁ, N. R. M. Cultura, Poder e Educação de Surdos. Manaus: INEP, 2002.

SACKS, O. Vendo Vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. São Paulo: Companhia das Letras. 2010.

SALES, A. M. et al. Deficiência auditiva e surdez: visão clínica e educacional. In: SEMINÁRIO APRESENTADO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS, 2010, São Carlos. Anais [...]. São Carlos: UFSCar, 2010.

SANTANA, A. P. Surdez e Linguagem: aspectos e implicações neurolinguísticas. São Paulo: Plexus, 2007.

SILVA, T. T. A produção social da Identidade e da diferença. In: SILVA, T. T. (org); HALL, S.; WOODWARD, K. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014. p. 73-102.

SKLIAR, Carlos Bernardo. Um olhar sobre nosso olhar acerca da surdez e as diferenças. In: SKLIAR. C. B. (org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 1998.

STROBEL, K. Surdos: vestígios não registrados na história. 2008. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2008a.

STROBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: Editora UFSC, 2008b.

THOMA, A.; KLEIN, M. Experiências educacionais, movimentos e lutas surdas como condições de possibilidade para uma educação de surdos no Brasil. Cadernos de Educação, n. 36, p. 107-131, maio/ago. 2010. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/caduc/article/view/1603/1486. Acesso em: 27 abr. 2021.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura. Ministério da Educação e Cultura da Espanha. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: Ministério da Justiça, Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, Corde, 1994.

VEIGA-NETO, A.; LOPES, M. C. Marcadores culturais surdos: quando eles se constituem no espaço escolar. Revista Perspectiva. Florianópolis, v. 24. n. esp. 3, p. 81-100, jul./dez. 2006. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/10541. Acesso em: 12 maio 2021.

VEIGA-NETO, A. Olhares. In: COSTA, M. V. (org.). Caminhos investigativos I: novos olhares na pesquisa em educação. 3. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007. p. 23-38.

Publicado

01/04/2022

Como Citar

DALL’ASEN, T.; PIECZKOWSKI, T. M. Z. Surdez, identidade e diferença. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 2, p. 1129–1147, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17i2.14593. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/14593. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos