Políticas de avaliação em larga escala no contexto catarinense: em busca das traduções locais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16iesp2.15116

Palavras-chave:

Avaliação em larga escala, Tradução e atuação de políticas, Municípios catarinenses

Resumo

O presente artigo objetiva analisar as traduções locais construídas pelos municípios catarinenses no âmbito da política de avaliação em larga escala (ALE). Tomando como epismetodologia a perspectiva de análise dos contextos e de atuação de políticas de Stephen Ball e seus colaboradores, o estudo envolveu os 295 municípios catarinenses. Com base no levantamento realizado, foram estudadas as políticas locais de avaliação em larga escala constituídas por 110 munícipios. No quadro analisado foi possível identificar que os municípios catarinenses têm interesse na realização de avaliações em larga escala locais de duas formas: uma criada e outra comprada/adquirida. Tais respostas configuram-se como a política de avaliação em larga escala em circulação, nos mostram que as ALE vem se fortalecendo, se expandindo e se transformando. A transformação fica a cargo dos atores via interpretação e tradução da política. Essa atuação e tradução também revelam desdobramentos dessas respostas à política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriene Bolzan Duarte-Antunes, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis – SC

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação.

Geovana Mendonça Lunardi-Mendes, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis – SC

Professora Titular do Programa de Pós-graduação em Educação. Doutorado em Educação: História, Política, Sociedade (PUC/SP). Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 2.

Referências

AFONSO, A. J.; LUNARDI MENDES, G. M. Políticas de administração e gestão em países da Lusofonia: Perspectivas críticas sobre a Nova Gestão Pública e a pós-burocracia em educação. Archivos analíticos de políticas educativas, v. 26, p. 127-138, 2018.

AVELAR, M. Entrevista com Stephen J. Ball: Uma análise de sua contribuição para a pesquisa em política educacional. Archivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 24, n. 24, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.14507/epaa.24.2368

BALL, S. J. Educação global S. A: novas redes políticas e o imaginário neoliberal. Trad. Janete Bridon. Ponta Grossa: UEPG, 2014.

BALL, S. J. Educational reform: a critical and post structural approach. Buckiangham: Open University Press, 1994.

BALL, S. J. The policy processes and the processes of policy. In: BOWE, R.; BALL, S. J.; GOLD, A. (Org.). Reforming education & changing school: case studies in policy sociology. London/New York: Routlegde, 1992. p. 6-23.

BALL, S. J.; MAGUIRRE, M.; BRAUN, A. Como as escolas fazem as políticas: atuação em escolas secundárias. Trad. Janete Bridon. Ponta Grossa: UEPG, 2016.

BAUER, A.; NETO, J. L. H. (Coord.). Avaliação e gestão educacional em municípios brasileiros: mapeamento e caracterização das iniciativas em curso. Relatório final: resultados do survey. Brasília, DF: INEP, 2018. v. 1.

BIESTA, G. Boa educação na era da mensuração. Cadernos de pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 147, p. 808-825, set./dez. 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742012000300009

BROOKE, N. P.; CUNHA, M. A.; FALEIROS, M. A avaliação externa como instrumento da gestão educacional nos estados: relatório final. Belo Horizonte: Game/UFMG; Fundação Victor Civita, 2011.

CARVALHO, E. J. G. Arranjos de desenvolvimento da educação (ADEs): instrumento de soluções colaborativas para a educação ou uma nova estratégia de expansão e de controle do mercado educacional? Currículo sem Fronteiras, v. 18, n. 1, p. 103-128, 2018.

CARVALHO, E. J. G.; PERONI, V. M. V. A crescente influência do empresariado na elaboração e na execução de políticas públicas para a educação básica brasileira: um estudo sobre os Arranjos de Desenvolvimento da Educação (ADEs). In: ANPED-SUL, 12., 2018, Porto Alegre. Anais [...]. Porto Alegre: ANPED, 2018.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez, 2006.

DALE, R. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “Cultura Educacional Mundial Comum” ou localizando uma “Agenda Globalmente Estruturada para a Educação”? Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 87, p. 423-460, maio/ago. 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302004000200007

DUARTE, A. B. A Participação de escolas da Rede Escolar Pública Municipal de Santa Maria (RS) no Sistema de Avaliação da Educação Básica. 2014. 249 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2014.

DUARTE, A. B.; GAMA, M. E. R. Sistema de avaliação da educação básica: potencialidades, problemas e desafios. Revista Eventos Pedagógicos, Sinop, v. 6, p. 115-129, 2015. Disponível em: http://sinop.unemat.br/projetos/revista/index.php/eventos/article/view/1702. Acesso em: 10 jul. 2020.

FLICK, U. Qualidade na pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FREITAS, L. C. Três teses sobre as reformas Empresariais da educação: perdendo a ingenuidade. Cad. Cedes, Campinas, v. 36, n. 99, p. 137-153, maio/ago. 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/CC0101-32622016160502

MAINARDES, J.; GANDIN, L. “A abordagem do ciclo de políticas como epistemetodologia: usos no Brasil e contribuições para a pesquisa sobre políticas educacionais”. In: TELLO, C.; ALMEIDA, M. L. P. (Org.). Estudos epistemológicos no campo da pesquisa em política educacional. Campinas: Mercado das Letras, 2013. p. 143-168.

MAINARDES, J.; MARCONDES, M. I. Entrevista com Stephen J. Ball: um diálogo sobre justiça social, pesquisa e política educacional. Educação & Sociedade, Campinas, v. 30, n. 106, p. 303-318, 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v30n106/v30n106a15.pdf. Acesso em: 10 jul. 2020.

MAINARDES, J.; TELLO, C. A pesquisa no campo da política educacional: Explorando diferentes níveis de abordagem e abstração. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 24, n. 75, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.14507/epaa.24.2331

PLETSCH, M. D.; MENDES, G. M. L. Entre políticas e práticas: os desafios da educação inclusiva no Brasil. Archivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 23, p. 1-12, 2015.

SOUSA, S. Z.; LOPES, V. V. Avaliação nas políticas educacionais atuais reitera desigualdades. Revista Adusp, São Paulo, n. 46, jan. 2010.

VERGER, A. A política educacional global: conceito e marcos teóricos chaves. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 14, n. 1, p. 9-33, jan./abr. 2019 Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa. Acesso em: 10 jul. 2020.

VERGER, A.; LUBIENSKI, C.; STEINER-KHAMSI, G. (Eds.). World yearbook of education, 2016: the global education industry. London: Routledge, 2016.

Publicado

01/05/2021

Como Citar

DUARTE-ANTUNES, A. B.; LUNARDI-MENDES, G. M. Políticas de avaliação em larga escala no contexto catarinense: em busca das traduções locais. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. esp2, p. 1077–1092, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16iesp2.15116. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/15116. Acesso em: 5 ago. 2021.