Políticas públicas, tecnologias educacionais e Recursos Educacionais Abertos (REA)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16iesp2.15118

Palavras-chave:

Políticas públicas, Tecnologias educacionais, Recursos Educacionais Abertos (REA), Formação de professores, Fluência Tecnológico-Pedagógica (FTP)

Resumo

A análise interpretativo-crítica centra-se nos microcontextos das políticas e práticas de formação de professores para aprimoramento da Fluência Tecnológico-Pedagógica (FTP) com Recursos Educacionais Abertos (REA). Nesse âmbito, os dispositivos das políticas públicas são analisados à luz de princípios universais como o direito à educação, democratização do conhecimento e aprendizagem ao longo da vida. A delimitação temática, os dados e as conclusões são sistematizadas sob a estrutura metodológica de três matrizes cartográficas típicas de uma pesquisa-ação: Matriz Dialógico-Problematizadora (MDP), Matriz Temático-Organizadora (MTO) e Matriz Temático-Analítica (MTA). Os resultados ressaltam a pluralidade de percepções, traduções e (re)interpretações locais das políticas relacionadas às tecnologias educacionais e Recursos Educacionais Abertos (REA). As práticas discursivas demarcam tipologias ingênuas em curvaturas que vão desde a negacionista até a futurologista. Como desfecho, a proposição afirmativa acentua a Fluência Tecnológico-Pedagógica (FTP) como princípio basilar para operar de modo crítico e emancipatório na interpretação, recontextualização e retemporalização das políticas públicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elena Maria Mallmann, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria – RS

Professora-pesquisadora no Departamento Administração Escolar. Doutorado em Educação (UFSC).

Daniele da Rocha Schneider, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria – RS

Pós-Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação.

Referências

APPLE, M. “Endireitar” a educação: as escolas e a nova aliança conservadora. Currículo sem Fronteiras, v. 2, n. 1, p. 55-78, jan./jun. 2002.

GUERRA, D.; FIGUEIREDO, I. M. Z.; ZANARDINI, I. M. S. Políticas sociais e o direito à educação. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. esp. 3, p. 2188-2203, nov., 2020. e-ISSN: 1982-5587. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp3.14425

JACQUES, J. S.; MALLMANN, E. M.; BAGETTI, S. Recursos Educacionais Abertos e para Mobilização do Conhecimento em Educação de Forma Crítica. ETD-Educação Temática Digital, Campinas, v. 21, n. 4, p. 1043-1059, out./dez. 2019. DOI: https://doi.org/10.20396/etd.v21i4.8652434

MAINARDES, J. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para análise de políticas educacionais. Educ. Soc., Campinas, v. 27, n. 94, p. 47-69, jan./abr. 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302006000100003

MALLMANN, E. M. Pesquisa-ação educacional: preocupação temática, análise e interpretação crítico-reflexiva. Cad. Pesqui., São Paulo, v. 45, n. 155, p. 76-98, mar. 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/198053143088

MALLMANN, E. M.; QUINTAS-MENDES, A. M. Fluência Tecnológico-Pedagógica e a Prática das Cinco Liberdades com Recursos Educacionais Abertos. In: FERNANDES, T.; MACIEL, C.; SANTOS, E. (Org.) Educação a distância: multiletramentos e linguagens multimodais. Cuiabá: EdUFMT, 2020. v. 2.

SANTANA, A. C. M.; CARDOSO, M. C.; SILVA, T. A. A. A Formação de professores e a Teoria Crítica: entre o mercado e a emancipação humana. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp. 4, p. 2003-2016, dez. 2019. e-ISSN: 1982-5587. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.4.12924

UNESCO. Declaração REA de Paris em 2012. Congresso mundial sobre Recursos Educacionais Abertos (REA) de 2012. Paris: UNESCO, 2012. Disponível em: http://www.rea.net.br/site/declaracao-rea-de-paris-2012/. Acesso em: 19 nov. 2020.

VIERA PINTO, Á. O conceito de tecnologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005. v. 1.

WENCZENOVICZ, T. J. Ensino a distância, dificuldades presenciais: perspectivas em tempos de COVID-19. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. 4, p. 1750-1768, out./dez. 2020. e-ISSN: 1982-5587. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v15i4.13761

WILEY, D. OpenContent.org. 2014a Disponível em: http://www.opencontent.org/definition/. Acesso em: 19 nov. 2020.

WILEY, D. The Access Compromise and the 5th R. Iterating toward openness. 2014. Disponível em: http://opencontent.org/blog/archives/3221. Acesso em: 19 nov. 2020.

WILEY, D. The Instructional Use of Learning Objects: Online Version. USA: Association for Educational Communications and Technology, 2000. Disponível em: http://reusability.org/read/chapters/wiley.doc. Acesso em: 19 nov. 2020.

Publicado

01/05/2021

Como Citar

MALLMANN, E. M.; SCHNEIDER, D. da R. Políticas públicas, tecnologias educacionais e Recursos Educacionais Abertos (REA). Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. esp2, p. 1113–1130, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16iesp2.15118. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/15118. Acesso em: 5 ago. 2021.