Práticas educativas femininas nas memórias de Maria Paes de Barros

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16iesp.3.15290

Palavras-chave:

Educação feminina, Memórias educacionais, Escrita autobiográfica, Maria Paes de Barros, Educação oitocentista

Resumo

O artigo tem como tema evidenciar as memórias sobre a educação reunidas no livro “No tempo de dantes” escrito por Maria Paes de Barros. A partir de suas reminiscências de infância e de juventude, o objetivo do estudo é analisar aspectos comuns à educação feminina no século XIX, descritos pela autora em sua narrativa autobiográfica. Em um plano mais específico, verificam-se agentes e experiências educacionais citados na rememoração da autora, tendo como cenário uma ainda diminuta São Paulo. Trata-se de uma pesquisa qualitativa histórico bibliográfica que tem como principal fonte as memórias publicadas de Maria Paes de Barros, localizadas na segunda metade do oitocentos, período do seu nascimento e de sua infância e juventude vividas em uma típica família da elite paulista. Diante dos escritos autobiográficos da autora, é possível depreender, no cotidiano urbano ou campestre em que viveu, as lições recebidas, a rotina rigorosa de estudos, o pouco tempo para brincadeiras e a existência de muitas regras e castigos, com a finalidade de torná-la detentora de uma “boa educação”, semelhante à das mulheres que viveram no seu tempo e contexto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Celi Chaves Vasconcelos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Professora Titular da Faculdade de Educação, atuando no Programa de Pós-Graduação em Educação (Proped/UERJ). Doutorado em Educação (PUC-Rio). Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 2 e Bolsista do Programa Cientista do Nosso Estado – (FAPERJ). Prócientista UERJ.

Eveline Viterbo Gomes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação – (Proped/UERJ). Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – (CAPES).

Referências

AGUIAR, J. V. De palácio a museu: os espaços do conhecimento de Isabel e Leopoldina. In: Anuário do Museu Imperial. Petrópolis, RJ: Museu Imperial, 2020. v. 1, p. 103-122.

AGUIAR, J. V. Princesa Isabel e Leopoldina. Mulheres educadas para governar. Curitiba, PR: Appris, 2015.

ARFUCH, L. Memoria y autobiografía. Exploraciones en los límites. Buenos Aires, Argentina: Fondo de Cultura Económica, 2013.

ARFUCH, L. O espaço biográfico. Dilemas da subjetividade contemporânea. Rio de Janeiro, RJ: EdUERJ, 2010.

ASSMANN, A. Espaços de recordação. Formas e transformações da memória cultural. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2011.

BARROS, M. P. No tempo de dantes. São Paulo, SP: Paz e Terra, 1998.

BOURDIEU, P. A ilusão biográfica. In: AMADO, J; FERREIRA, M. M. F. (Org.). Usos e abusos da história oral. 8 ed. Rio de Janeiro, RJ: Editora FGV, 2006. p. 183-191.

CARVALHO, V. C. Gênero e artefato. O sistema doméstico na perspectiva da cultura material – São Paulo, 1870-1920. São Paulo, SP: Edusp, 2008.

CUNHA, M. T. S. (Des)Arquivar. Arquivos pessoais e ego-documentos no tempo presente. Florianópolis, SC: Rafael Copetti Editor, 2019.

SOUZA, M. M. Posfácio. In: FERRAZ, F. B. Páginas de recordações: memórias. São Paulo, SP: Chão Editora, 2020.

FRANCO, C. Casas das elites de Lisboa: objectos, interiores e vivências 1750-1830. Lisboa, Portugal: Scribe, Produções Culturais, Ltda, 2015.

GOMES, E. V. Condição feminina e educação nas memórias de Maria Paes de Barros. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE PESQUISA (AUTO)BIOGRÁFICA, 7., 2016, Cuiabá. Anais [...]. Cuiabá, MT: BIOgraph, 2016. Tema: Narrativas (auto)biográficas: conhecimentos, experiências e sentidos.

GOMES, E. V. Maria Paes de Barros: memórias de omissão em tempos de luta pela emancipação. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE PESQUISA (AUTO)BIOGRÁFICA, 8., 2018, São Paulo. Anais [...]. São Paulo, SP: BIOgraph, 2018. Tema: Pesquisa (auto)biográfica, mobilidades e incertezas: novos arranjos sociais e reconfigurações identitárias.

KOTRE, J. Luvas brancas. Como criamos a nós mesmos através da memória. Trad. Flávia Villas-Boas. São Paulo, SP: Mandarim, 1997.

LIÁÑEZ, A. J. C. Pasión y temor de Dios de una mujer puritana: carta de Susana Bell en lecho de muerte. In: CHACÓN, M. L. C. Pasiones en femenino. Europa y América, 1600-1950. Sevilla, Espanha: Editorial Universidad de Sevilla, 2019.

LÓPEZ CARRETERO, A. Ensinar o ofício de ensino: um ofício da alma. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 3, p. 917-927, 2019. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/11121/8141. Acesso em: 07 jan. 2021.

LORIGA, S. O pequeno x. Da biografia à história. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2011.

PEÑARROCHA, M. F. Experiencias subjetivas de las estrategias familiares: una aproximación a la vida cotidiana desde la historia de la familia. In: FERNÁNDEZ, M. G. Cultura material y vida cotidiana moderna: escenarios. Madrid, Espanha: Sílex, 2013.

PRADO JÚNIOR, C. Introdução. In: BARROS, M. P. No tempo de dantes. São Paulo, SP: Paz e Terra, 1998. p. 13-15.

ROUSSO, H. A última catástrofe: a história, o presente, o contemporâneo. Rio de Janeiro, RJ: Editora FGV, 2016.

VASCONCELOS, M. C. C. A casa e seus mestres. A educação no Brasil de oitocentos. Rio de Janeiro, RJ: Gryphus, 2005.

VASCONCELOS, M. C. C. Ensinamentos e contos: Maria Amália Vaz de Carvalho e sua estratégia para a educação da mulher. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 20, n. 67, p. 1513-1538, out./dez. 2020. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/27363/24582. Acesso em: 20 dez. 2020.

VASCONCELOS, M. C. C. Preceptoras estrangeiras para educar meninas nas casas brasileiras do século XIX. Cadernos de História da Educação, Uberlândia (MG), v. 17, p. 285-308, 2018. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/che/article/view/43282. Acesso em: 05 jan. 2021.

Publicado

01/06/2021

Como Citar

VASCONCELOS, M. C. C. .; GOMES, E. V. . Práticas educativas femininas nas memórias de Maria Paes de Barros. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. esp.3, p. 1422–1438, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16iesp.3.15290. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/15290. Acesso em: 17 set. 2021.