Atos de currículo e estratégias aprendentes nas práticas das culturas infantis com as tecnologias digitais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16i4.15686

Palavras-chave:

Culturas infantis, Culturas digitais, Aprendizagens, Protagonismos

Resumo

Este artigo tem como objetivo compreender os tipos de estratégias aprendentes nas práticas das culturas infantis com as tecnologias digitais. Assim, com um olhar plural para o fenômeno, utilizamos a epistemologia multirreferencial bricolada com as estratégias da metodologia de pesquisa com crianças. Para tanto, essa investigação qualitativa se alicerçou nos pressupostos de inspiração na etnografia para a escuta das vozes das crianças participantes. Os dispositivos de pesquisa utilizados para a construção dos dados foram: diário de campo e observação com duração de quatro meses no espaço privado familiar de duas crianças com três e cinco anos. Dentre os resultados, identificamos como as crianças apresentam estratégias diferenciadas de aprendizagens quando estão imersas nos espaços virtuais com as tecnologias digitais. Nesse contato, elas aprendem palavras em língua estrangeira, letras, cores, números, formas e, além disso, fazem conexão com os conteúdos escolares, ou seja, produzem atos de currículo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Santana de Oliveira, Universidade Federal de Sergipe (UFS), Itabaiana – SE

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação. Membro do grupo de pesquisa ECult- Educação e Culturas Digitais (Ecult/UFS/CNPq).

Simone Lucena, Universidade Federal de Sergipe (UFS), Itabaiana – SE

Professora do Departamento de Educação e do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Líder do grupo de pesquisa ECult- Educação e Culturas Digitais (Ecult/UFS/CNPq). Pós-Doutorado em Educação (Proped/UERJ). Doutora em Educação (UFBA).

Referências

ALVES, L.; HETKOWSKI, T. M. Espaços Vividos e Jogos Digitais: ambientes propícios para produção de novas formas de letramentos e de conteúdos interativos pela geração C. In: PESCE, L.; OLIVEIRA, M. O. M. (Org.). Educação e Cultura Midiática, v. 2, p. 65–88, 2012. Disponível em: http://repositoriosenaiba.fieb.org.br/handle/fieb/672. Acesso em: 15 out. 2020.

ALVES, L.; HETKOWSKI, T. M. Espaços Vividos e Jogos Digitais: ambientes propícios para produção de novas formas de letramentos e de conteúdos interativos pela geração C. In: PESCE, L.; OLIVEIRA, M. O. M. (Org.). Educação e Cultura Midiática, v. 2, p. 65–88, 2012. Disponível em: http://repositoriosenaiba.fieb.org.br/handle/fieb/672. Acesso em: 15 out. 2020.

ALVES, L. RIOS, V. CALBO, T. Games e aprendizagens: trajetórias de interação. In: LUCENA, S. (org.). Cultura digital, jogos eletrônicos e educação. Salvador: EDUFBA, 2014.

ALVES, L. Aprendizagem mediada pelos jogos digitais: delineando o design investigativo. In: SOUZA, C. R. (org.). Educação, Tecnologia & Inovação. Salvador, no prelo, 2015.

BECKER, B. Infância, Tecnologia e Ludicidade: a visão das crianças sobre as apropriações criativas das tecnologias digitais e o estabelecimento de uma cultura lúdica contemporânea. 2017. 288f. Orientadora: Professora Dra. Ilka Dias Bichara. 2017. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade Federal da Bahia, Instituto de Psicologia, Salvador, 2017. Disponível em: https://bityli.com/1yo9a. Acesso em: 19 mar. 2020.

BROUGÈRE, G. Brinquedo e cultura. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

CASTRO, L. R. A infância e seus destinos no contemporâneo. Psicologia em Revista, v. 8, n. 11, p. 47-58, 2002. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/psicologiaemrevista/article/view/134. Acesso em: 3 dez. 2019.

CORSARO, W. Sociologia da Infância. Porto Alegre: Artmed, 2011.

COULOUN, A. Etnometodologia e educação. São Paulo: Cortez, 2017.

COUTO, E. S. A infância e o brincar na cultura digital. Perspectiva, v. 31, n. 3, p. 897-916, 2013.

FANTIN, M. Múltiplas faces da infância na contemporaneidade: consumos, práticas e pertencimentos na cultura digital. Revista de Educação Pública, v. 25, n. 59/2, p. 596-617, 2016. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/3836/2617. Acesso em: 3 jan. 2020.

LÉVY, P. A ideografia dinâmica: rumo a uma imaginação artificial? Trad. Marcos Marcionilo; Saulo Krieger. São Paulo: Edições Loyola, 1998.

LUCENA, S.; NUNES, E. A.; OLIVEIRA, B. S. Curriculum acts and network education in the community service and strengthening of bonds. Interfaces Científicas - Educação, v. 10, p. 186-199, 2021. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/educacao/article/view/9576 Acesso em 10 set. 2021.

LUCENA, S.; SCHLEMMER, E.; ARRUDA, E. P. A cidade como espaço de aprendizagem: educação e mobilidade na formação docente. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 11, n. 01, p. 11-24, 2018. Disponivel em: https://seer.ufs.br/index.php/revtee/article/view/10214. Acesso em: 15 jul. 2020.

LUCENA, S; OLIVEIRA, J. M. A. Culturas digitais na educação do Século XXI. Revista Tempos e Espaços em Educação, p. 35-44, 2014. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/revtee/article/view/3449. Acesso em: 20 de jul. 2021

MACEDO, R. S. Etnopesquisa crítica etnopesquisa-formação. 2. ed. Brasília: Liber Livro Editora, 2010.

MACEDO, R. S. Atos de currículo formação em ato? Para compreender, entretecer e problematizar currículo e formação. Ihéus: Editus, 2011.

MACEDO, R. S. Atos de currículos: uma incessante atividade etnometódica e fonte de análise de práticas curriculares. Currículo sem fronteiras, v. 13, n. 3, p. 427-435, 2013. Acesso em: https://www.curriculosemfronteiras.org/vol13iss3articles/macedo.pdf. Disponível em: 10 mar. 2020.

MACEDO, R. S. Etnocurrículo: uma concepção heterárquica de currículo. In: MACEDO, R. S; SÁ, S. M. M. Etnocurrículo, Etnoaprendizagens: a educação referenciada na cultura. São Paulo: Edições Loyola, 2015. p. 17-45.

MARCHI, R. C. Pesquisa Etnográfica com Crianças: participação, voz e ética. Educação & Realidade, v. 43, n. 2, p. 727-746, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/edreal/v43n2/2175-6236-edreal-43-02-727.pdf. Acesso em: 29 jan. 2021.

PEREIRA, R. M. R. O (em) canto e o silêncio das sereias: Sobre o (não) lugar da criança na (ciber) cultura. Childhood & Philosofy, v. 9, n. 18, p. 319-343, 2013.

PRENSKY, M. Nativos digitais, imigrantes digitais. On the horizon, v. 9, n. 5, p. 1-6, 2001.

SÁ, S. M. M. Etnoaprendizagem: a aprendizagem como experiência cultural. In: MACEDO, R. S. Etnocurrículo Etnoaprendizagens: a educação referenciada na Cultura. São Paulo: Edição Loyola, 2015. p. 45-70.

SANTAELLA, L. A aprendizagem ubíqua na educação aberta. Revista Tempos e Espaços em Educação, 15-22, 2014. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/revtee/article/view/3446. Acesso em: 18 mar. 2020.

SANTAELLA, L. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. Paulus, 2004.

SARMENTO, M. J. Sociologia da Infância: correntes e confluências. In: N. ZAGO; M. P.C.; VILELA, R. A. T. (org.) Itinerários de Pesquis: Perspectivas qualitativas em sociologia da educação. 2. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011. p. 137-179.

SINGER, D. G.; SINGER, J. L. Imaginação e jogos na era eletrônica. Artmed Editora, 2007.

SOUZA, J. S. Brincar em tempos de tecnologias digitais móveis. 2019. 471 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/28762/3/Joseilda.pdf. Acesso em: 30 maio 2020.

VELÁZQUEZ, A. A. Brincar de Internet: a vivência lúdica infantil em ambiente virtual. 2013. 278 f. Tese (Doutorado em Ciência da Educação) – Universidade do Minho, Instituto de Educação, Portugal, 2013. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/40396/2/Alessandra%20Alc %C3%A2ntara%20Vel%C3%A1zquez.pdf. Acesso em: 20 mar. 2020.

Publicado

21/10/2021

Como Citar

OLIVEIRA, B. S. de; LUCENA, S. Atos de currículo e estratégias aprendentes nas práticas das culturas infantis com as tecnologias digitais. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. 4, p. 2808–2825, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16i4.15686. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/15686. Acesso em: 24 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos