O que pode um currículo? Breve ensaio sobre o currículo em imanência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16i4.15689

Palavras-chave:

Educação, Nomadismo curricular, Necropolítica, Afetos

Resumo

Este artigo, escrito a partir de discussões e leituras entre os autores, membros do grupo de pesquisa Educação, Cultura e Subjetividades (GPECS/CNPq/UFS), e desenvolvido através da dissertação de Mestrado de um dos autores, propõe uma reflexão sobre aspectos da teoria de Baruch de Spinoza para compor diferentes modos de educar. Busca-se considerar um currículo que extrapole os modelos tradicionais, e que esteja comprometido em produzir uma educação potencializada por afetos alegres. Neste sentido perguntamos: o que pode um currículo? Para pensar sobre esta questão, iremos utilizar os resultados sistematizados de uma pesquisa de experimentações curriculares, realizada durante quase três anos, em uma escola localizada no estado de Sergipe. Além Spinoza, traremos no referencial teórico conceitos de Gilles Deleuze e Félix Guattari e a ideia de nomadismo curricular de Sandra Mara Corazza. Com essa articulação, buscamos demonstrar alguns princípios e práticas que convergem à uma educação amorosa, composta por afetos alegres, capaz de aumentar a potência e a intensidade do pensamento e da aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dinamara Garcia Feldens, Universidade Federal de Sergipe (UFS), Aracaju – SE

Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutorado em Educação Básica (UNISINOS).

Camilo Catanhede, Universidade Federal de Sergipe (UFS), Aracaju – SE

Mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Educação. Membro do Grupo de Pesquisa Educação, Cultura e subjetividades. GPECS/CNPq/UFS.

Luana Fusaro, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), São Paulo – SP

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica. Membro do Grupo de Pesquisa Educação, Cultura e subjetividades. GPECS/CNPq/UFS.

Referências

ALTIERI, M. et al. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. 3. ed. Ver. ampl. São Paulo: Expressão Popular, AS-PTA, 2002. 592 p.

CANTANHEDE, C.; LIBÓRIO, P. Segunda Casa: a construção de uma proposta de educação em agroecologia para crianças. Cadernos de Agroecologia, v. 13, n. 1, 2018. ISSN 2236-7934

CORAZZA, S. M. et al. Escrileituras: um modo de ler-escrever em meio à vida. Educaçao e pesquisa, São Paulo, v. 4, n. 4, p. 1029-1043, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/9shzjMpKnNGtLwdS3V9Z54L/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 18 jun. 2018.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a filosofia? Trad. Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 1. Trad. Ana Lúcia de Oliveira, Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. 2 ed. São Paulo: Editora 34, 2011b.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 3. Trad. Aurélio Guerra Neto, Ana Lúcia de Oliveira, Lúcia Cláudia Leão e Suely Rolnik. 2 ed. São Paulo: Editora 34, 2012a.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 4. Trad. Suely Rolnik. 2 ed. São Paulo: Editora 34, 2012b.

DUSSEL, E. Europa, modernidade e eurocentrismo. In: LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, Conselho Latinoamericano de Ciências Sociais, 2005. Disponível em: https://ufrb.edu.br/educacaodocampocfp/images/Edgardo-Lander-org-A-Colonialidade-do-Saber-eurocentrismo-e-ciC3AAncias-sociais-perspectivas-latinoamericanas-LIVRO.pdf. Acesso em: 25 out. 2019.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Trad. Raquel Ramalhete. 20. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

GALLO, S. Modernidade/pós-modernidade: tensões e repercussões na produção de conhecimento em educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 551-565, 2006.

GAUTHIER, C. Esquizoanálise do currículo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 27, n. 2, p. 143-155, 2002.

GAUTHIER, J. O que é pesquisar-entre Deleuze-Guattari e o candomblé, pensando mito, ciência, arte e culturas de resistência. Educação & Sociedade, Campinas, v. 20, p. 13-33, 1999.

GONÇÁLVES, R. A superioridade racial em Imanuel Kant: as justificações da dominação europeia e as suas implicações na América Latina. Kínesis, Marília, v. 7, n. 13, 2015.

GUATTARI, F. As três ecologias. São Paulo: Ed. Campinas & Papirus, 2001.

MATURANA, H.; VARELA, F. A árvore do conhecimento. 1. ed. Campinas: Editorial Psy II, 1995.

MBEMBE, A. Necropolítica: Biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Trad. Renata Santini. 1. ed. São Paulo: Edições, 2018. 80 p.

SHIVA, V. Monoculturas da mente: perspectivas da biodiversidade e da biotecnologia. 1. ed. São Paulo: Gaia, 2003. 240 p.

SILVA, T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2. ed. Bello Horizonte: Autêntica, 2010. 156 p.

SPINOZA, B. Ética. Trad. Tomaz Tadeu. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

Publicado

21/10/2021

Como Citar

FELDENS, D. G.; CATANHEDE, C.; FUSARO, L. O que pode um currículo? Breve ensaio sobre o currículo em imanência. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. 4, p. 2826–2851, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16i4.15689. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/15689. Acesso em: 23 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos