Tecnologias assistivas para a comunicação e a participação de crianças com a Síndrome Congênita do Zika Vírus

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16iesp.4.16062

Palavras-chave:

Tecnologias assistivas, Deficiência múltipla, Comunicação, Participação, Síndrome Congênita do Zika Vírus, Educação infantil

Resumo

Este artigo apresenta resultados sobre o uso de tecnologia assistiva para a comunicação e a participação de crianças com deficiência múltipla não oralizadas em decorrência da Síndrome Congênita do Zika Vírus (SCZV). A pesquisa abordou as concepções de profissionais da educação que atuaram com essas crianças nos anos de 2019 e 2020. Os dados foram coletados durante um Programa de Formação Continuada por meio de registros em plataforma online e portfólios formativos. Para fundar as análises, os referenciais da teoria bioecológica e sistêmica do desenvolvimento humano de Uri Bronfenbrenner foram empregados. Os resultados evidenciaram, entre outros aspectos, que usar recursos de tecnologia assistiva favorecem a promoção da comunicação e, consequentemente, da participação, e, também, a escolarização dessas crianças, desde que se ofereça o apoio necessário, seja em casa ou na escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcia Denise Pletsch, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Nova Iguaçu – RJ

Professora Associada do Departamento Educação e Sociedade, do Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEduc) e do Programa de Pós-Graduação em Humanidades Digitais. Doutorado em Educação (UERJ). Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 2.

Miriam Ribeiro Calheiros de Sá, Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/FIOCRUZ), Rio de Janeiro – RJ

Pesquisadora voluntária do grupo de pesquisa Estudos socioculturais do processo saúde-doença-cuidar e Professora colaboradora no Programa de Pós-Graduação stricto sensu Saúde da Mulher e da Criança IFF/Fiocruz. Pesquisadora do Observatório de Educação Especial e Inclusão Educacional (ObEE/UFRRJ). Doutorado em Saúde da Mulher e da Criança (IFF/Fiocruz).

Maíra Gomes de Souza da Rocha, Secretaria Municipal de Educação (SEMED), Duque de Caxias – RJ

Professora do Atendimento Educacional Especializado e Orientadora Pedagógica. Coordenadora Adjunta do Observatório de Educação Especial e Inclusão Educacional (ObEE/UFRRJ). Doutorado em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Popu (UFRRJ).

Referências

AZEVEDO, C. DA S.; FREIRE, I. M.; MOURA, L. N. de F. “Aí começou a saga...”: fragilidade psicossocial na epidemia do vírus Zika. Cad. Saúde Pública, v. 37, n. 7, jul. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00121420

BERSCH, R. Introdução à Tecnologia Assistiva. Porto Alegre, RS: CEDI - Centro Especializado em Desenvolvimento Infantil, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF: MEC/SECADI, 2008.

BRASIL. Resolução n. 4, de 02/10/09. Institui Diretrizes Operacionais para o AEE na Ed. Básica, modalidade Educação Especial. Brasília, 25 ago. 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf. Acesso em: 10 jul. 2021.

BRASIL. Lei n. 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, n. 127, p. 2-11, 7 jul. 2015.

BRONFENBRENNER, U. Bioecologia do desenvolvimento humano: tornando os seres humanos mais humanos. Porto Alegre, RS: Artmed, 2012.

DELIBERATO, D.; ADURENS, F. D. L.; ROCHA, A. N. D. C. Brincar e contar histórias com crianças com Transtorno do Espectro Autista: mediação do adulto. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 27, 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-54702021v27e0128

DINIZ, D. Zika: do sertão nordestino à ameaça global. 1. ed. Rio de Janeiro, RJ: Civilização brasileira, 2016. 192 p.

FERNANDES, M. P.; SANTOS, S. R.; MERCADO, F. M. O desenvolvimento do brincar em Crianças com a Síndrome Congênita do Zika Vírus. Revista Entreideias, v. 8, n. 2, p. 51-74, maio/ago. 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.9771/re.v8i2.27630

FREITAS, D. A. et al. Congenital Zika syndrome: A systematic review. PLoS One, v. 15, n. 12, 2020. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0242367

FLEISCHER, S.; LIMA, F. (org.). Micro: contribuições da antropologia. Brasília, DF: Athalaia, 2020.

LIMA, T. J.; SOUZA, L. E. C. O papel da autoeficácia parental na saúde mental de mães de crianças com Síndrome da Zika Congênita. Ciência e Saúde Coletiva, v. 26, n. 1, p. 359-368, 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232020261.02222019

LOPES, M. M. E. et al. Infants Exposed to Zika Virus In Utero. N Engl J Med., v. 379, n. 24, p. 2377-2379. DOI: 10.1056/NEJMc1800098

LÖWY, I. Zika no Brasil: história recente de uma epidemia. Rio de Janeiro, RJ: Editora Fiocruz, 2019.

MACIVER, D. et al. Participation of children with disabilities in school: A realist systematic review of psychosocial and environmental factors. PLoS ONE, v. 14, n. 1, 2019. DOI: https://doi.org/10.1371/journal. pone.0210511

MOREIRA, F. D. S. Recursos e estratégias táteis para crianças com deficiência múltipla sensorial visual. Editora CRV, 2021.

GRANLUND, M. et al. Differentiating Activity and Participation of Children and Youth with Disability in Sweden a Third Qualifier in the International Classification of Functioning, Disability, and Health for Children and Youth? American Journal of Physical Medicine & Rehabilitation, v. 91, n. 2 (Suppl), fev. 2012. DOI: https://doi.org/10.1097/PHM.0b013e31823d5376

MAXWELL, G.; KOUTSOGEORGOU, E. Using Social Capital to Construct a Conceptual International Classification of Functioning, Disability, and Health Children and Youth VersionY Based Framework for Stronger Inclusive Education Policies in Europe. American Journal of Physical Medicine & Rehabilitation, v. 91, n. 1 (Suppl), jan. 2012. DOI: https://doi.org/10.1097/PHM.0b013e31823d4b92

MARÇAL, C. D. de C. Design participativo e princípios inclusivos: múltiplos modos de mediações na relação de sujeitos com autismo. 2018. 155 f. Tese (Doutorado Em Artes e Design) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 2018.

MARÇAL, C. D. C. Metodologia Caixa e Bacia e sua contribuição às oficinas integradas Zika: centralidade na construção de vínculos entre familiares e profissionais por meio da produção conjunta de objetivos de estimulação par ao desenvolvimento infantil. In: PENELLO. L. M., LUGARINHO; P. L. M. (Org.). Uma trajetória do cuidado II: resultados e desafios das ações de qualificação para atenção integral às crianças com SCZV e STORCH e suas famílias no âmbito do Sistema Único de Saúde. Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz, 2019. p. 53-69.

MARÇAL, C. D. C. Objetos sensoriais para mediação de crianças com deficiência. Departamento de Artes & Design PUC-Rio. Disponível em: http://semanadesign.dad.puc-rio.br/deriva/SemanaDesign/projeto_18.html. Acesso em: 10 jul. 2021.

MENEZES, A. et al. Microcefalia relacionada ao vírus Zika e dinâmica familiar: perspectiva da mãe. Av Enferm, v. 37, n. 1, p. 38-46, 2019. DOI: https://doi.org/10.15446/av.enferm.v37n1.72008

ObEE. Observatório de Educação Especial e Inclusão Educacional. Banco de dados. Nova Iguaçu, RJ, 2019-2020.

PAHO/WHO. Epidemiological Alert Neurological syndrome, congenital malformations, and Zika virus infection. Implications for public health in the Americas. Disponível em: http://www.paho.org/hq/index.php?option=com_docman&task=doc_download&Itemid=&gid=32405&lang=en, 2015. Acesso em: 10 jul. 2021.

PEÇANHA, P. P. et al. Neurodevelopment of children exposed intra-uterus by Zika virus: A case series. PLoS ONE, v. 15, n. 2, 2020. DOI: https://doi.org/10.1371/journal. pone.0229434

PINTO, M.; FERNANDES, S.; BARROS, L. Estimating the cost of congenital Zika syndrome to families and healthcare providers in Rio de Janeiro and Pernambuco, Brazil: results of a case-control study. Wellcome Open Res, v. 6, n. 28, 2021. DOI: https://doi.org/10.12688/wellcomeopenres.16623.1

PLETSCH, M. D. “Os filhos do Zika Vírus chegaram na escola”: Análise dos programas educacionais desenvolvidos nas redes de ensino da Baixada Fluminense. In: Projeto de Pesquisa. Nova Iguaçu, RJ: UFFRJ, 2018.

PLETSCH, M. D. Pesquisas e ações intersetoriais entre educação e saúde na promoção da escolarização e do desenvolvimento de crianças com síndrome congênita do zika vírus na Baixada Fluminense. In: Projeto de Pesquisa. Nova Iguaçu, RJ: UFFRJ, 2019.

PLETSCH, M. D.; MENDES, G. M. L. Entre a espera e a urgência: propostas educacionais remotas para crianças com Síndrome Congênita do Zika Vírus durante a pandemia da COVID-19. Revista Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 15, p. 1-16, 2020. DOI: https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.15.15335.069

PLETSCH, M. D.; ARAUJO, P. C. M. do A.; SOUZA, M. G. de. A importância de ações intersetoriais como estratégia para a promoção da escolarização de crianças com a síndrome congênita do zika vírus (SCZV). In: Educação em Foco, Juiz de Fora, v. 25, n. 3, p. 193-210, set./dez. 2020. DOI: https://doi.org/10.22195/2447-524620202532924

ROSENBAUM. P.; GORTER, J. W. The 'F-words' in childhood disability: I swear this is how we should think! Child Care Health Dev., v. 38, n. 4, p. 457-63, 2012.

DOI: https://doi.org/10.1111/j.1365-2214.2011.01338.x

ROCHA, M. G. de S. da. Processos de ensino e aprendizagem de alunos com múltiplas deficiências no AEE à luz da teoria histórico-cultural. 2014. 233 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Nova Iguaçu, 2014.

ROCHA, M. G. de S. da. Os sentidos e significados da escolarização de sujeitos com deficiência múltipla. 2018. 291 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Nova Iguaçu, 2018.

ROCHA, M. G. S.; PLETSCH, M. D. Deficiência múltipla: disputas conceituais e políticas educacionais no Brasil. Cadernos de Pesquisa, São Luís, v. 22, n. 1, p. 112-125, jan./abr. 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.18764/2178- 2229.v22.n1.p.112-125

ROCHA, M. G. S.; PLETSCH, M. D. Deficiência múltipla, sistemas de apoio e processos de escolarização. Revista Horizontes, Itatiba, v. 36, n. 3, p. 99-110, set./dez. 2018. DOI: https://doi.org/10.24933/horizontes.v36i3.700

ROCHA, M. G. S.; PLETSCH, M. D. Comunicação alternativa como instrumento externo de compensação: possibilidades para a aprendizagem de alunos com múltiplas deficiências. Revista Interinstitucional Artes de Educar, v. 4, n. 1. 2018. DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2018.32774

SÁ, M. R. C.; PLETSCH, M. D. A participação de crianças com a Síndrome Congênita do Zika Vírus: intercessões entre o modelo bioecológico e a funcionalidade humana. Práxis Educativa (UEPG. ONLINE), v. 16, p. 1-15, 2021. DOI: https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.16.17383.017

VIANA, V. D. G. S. M. Educação Especial na perspectiva das Humanidades Digitais: o que dizem os Bancos de dados da Capes e do IBICT sobre a síndrome congênita do zika vírus? 2021. 170 f. Dissertação (Mestrado em Humanidades Digitais) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Nova Iguaçu, 2021.

Publicado

30/12/2021

Como Citar

PLETSCH, M. D.; SÁ, M. R. C. de; ROCHA, M. G. de S. da. Tecnologias assistivas para a comunicação e a participação de crianças com a Síndrome Congênita do Zika Vírus. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. esp.4, p. 2971–2989, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16iesp.4.16062. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16062. Acesso em: 24 maio. 2024.