Tecnologias assistivas no ensino e aprendizagem de matemática para estudante cego: investigando a presença do desenho universal e do desenho universal para aprendizagem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16iesp.4.16064

Palavras-chave:

Ensino da matemática, Desenho universal para aprendizagem, Estudante cego

Resumo

O presente artigo apresenta análises de pesquisas stricto sensu que abordam as tecnologias assistivas no ensino e aprendizagem de matemática voltada ao estudante cego. Com isso, verifica-se se esses recursos são concebidos na perspectiva do Desenho Universal (DU) e, ainda, se as metodologias indicadas nas pesquisas possuem abordagem do Desenho Universal para Aprendizagem (DUA). A metodologia da pesquisa é de natureza qualitativa, constituindo-se como revisão sistemática e integrativa em diferentes locais de buscas, como o Catálogo de Teses e Dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Os resultados demonstram a existência de poucas pesquisas na abordagem DUA. No entanto, as práticas que fazem uso do DUA possibilitam ao estudante cego a participação efetiva, com equidade, nos processos educacionais inclusivos no ambiente de sala de aula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Maria Ferreira Jeremias, Secretaria de Estado da Educação (SEED), São José dos Pinhais – PR

Professora da sala de recursos. Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação: Teoria e Prática de Ensino (PPGE-TPEn/UFPR).

Anderson Roges Teixeira Góes, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba – PR

Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação: Teoria e Prática de Ensino (PPGE-TPEn) e do Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências e em Matemática (PPGECM). Doutorado em Métodos Numéricos em Engenharia (UFPR).

Sonia Maria Chaves Haracemiv, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba – PR

Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação: Teoria e Prática de Ensino (PPGE-TPEn) e do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE). Doutorado em História e Filosofia da Educação (PUC/SP).

Referências

BERBETZ, M. R. S. Educação Matemática Inclusiva – O Material Didático na Perspectiva do Desenho Universal para Área Visual. 2019. 148 f. Dissertação (Mestrado em Educação: Teoria e Prática de Ensino, Setor de Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2019. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/66305. Acesso em: 15 fev. 2021.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 02 jan. 2021

BRASIL. Lei n. 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a lei brasileira de inclusão da pessoa com deficiência (estatuto da pessoa com deficiência). Brasília, DF, 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015- 2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 02 jan. 2021.

CAST. Design for learning guidelines: desenho universal para a aprendizagem. Massachusetts: CAST Inc., 2011. Disponível em: www.cast.org. Acesso em: 14 jan. 2021.

FERRONATO, R. A. Construção de instrumento de inclusão no Ensino da Matemática. 2002. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

GABRILLI. M. Guia sobre a Lei Brasileira de Inclusão (LBI). 2016. Disponível em: https://www.maragabrilli.com.br/wp-content/uploads/2016/01/universal_web-1.pdf. Acesso em: 14 fev. 2021.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão Escolar: O que é? Por quê? Como fazer? 1. ed. Editora Moderna, 2003.

SALVINO, L. G. M. Tecnologia Assistiva no ensino de Matemática para um aluno cego do Ensino Fundamental: Desafios E Possibilidades. 2017. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática Instituição de Ensino) – Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2017. Disponível em: http://tede.bc.uepb.edu.br/jspui/bitstream/tede/2906/2/PDF%20-%20Ligiane%20Go mes%20 Marinho%20Salvino.pdf. Acesso em: 15 mar. 2021.

SEBASTIAN-HEREDERO, E. Diretrizes para o Desenho Universal para a Aprendizagem (DUA). Revista Brasileira de Educação Especial, Bauru, v. 26, n. 4, p. 733-768, out. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-54702020v26e0155

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Declaração de Salamanca e Enquadramento da Acção na área das necessidades educativas especiais. Salamanca, Espanha, 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf. Acesso em: 5 abr. 2020.

VITA, A. C. Análise instrumental de uma Maquete Tátil para a Aprendizagem de Probabilidade por alunos cegos. 2012. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: https://tede.pucsp.br/bitstream/handle/10906/1/Aida%20Carvalho%20Vita.pdf Acesso em: 01 mar. 2021.

Publicado

30/12/2021

Como Citar

JEREMIAS, S. M. F.; GÓES, A. R. T.; HARACEMIV, S. M. C. Tecnologias assistivas no ensino e aprendizagem de matemática para estudante cego: investigando a presença do desenho universal e do desenho universal para aprendizagem. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. esp.4, p. 3005–3019, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16iesp.4.16064. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16064. Acesso em: 24 maio. 2024.