Profissional de apoio como mediador da tecnologia assistiva no ambiente escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16iesp.4.16071

Palavras-chave:

Educação inclusiva, Profissional de apoio, Cuidador, Tecnologia assistiva

Resumo

Todos os estudantes têm potencialidades a desenvolver e para a educação inclusiva são necessários apoios para que a escolarização ocorra com qualidade. O profissional de apoio ou cuidador integra a equipe escolar para cuidar da alimentação, higiene e locomoção de estudantes com deficiências múltiplas ou que apresentam um perfil de comprometimento maior. O objetivo desta pesquisa qualitativa descritiva é discutir acerca das possibilidades de atuação do cuidador de estudantes com deficiências, enquanto mediador da Tecnologia Assistiva (TA) no contexto escolar. Aplicou-se um questionário em 46 cuidadores que atuavam em escolas do ensino fundamental, sendo realizada observação participante em duas escolas e entrevistas com os cuidadores. Ao final, foi realizado um grupo focal, com 13 participantes. Os dados foram analisados pela análise de conteúdo da qual emergiram cinco categorias: Mediação da TA em atividades de alimentação, Mediação da TA em situações de locomoção e atenção ao posicionamento dos estudantes para participar das atividades escolares, Mediação da TA em atividades de higiene, Mediação da TA em interações comunicativas e TA potencializadora do desenvolvimento humano: estratégias e aplicações práticas da TA em parceria colaborativa com os professores e outros profissionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Matrigani Mercado Gutierres de Queiroz, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador – BA

Professora Adjunta do Departamento I da Faculdade de Educação (FACED). Doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano (USP).

Márcia Helena da Silva Melo, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo – SP

Docente da Graduação e da Pós-Graduação do Instituto de Psicologia da USP (IPUSP). Doutorado em Psicologia Clínica (USP).

Referências

ANDRIOLI, M. G. P. Desenvolvimento de recursos na área de Tecnologia Assistiva: desafios e possibilidades em Institutos Federais. 2017. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

BARDIN, L. Análise de conteúdo Trad: L. de A. Rego & A. Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 2011.

BERSCH, R. Introdução à tecnologia assistiva. Porto Alegre, 2017. Disponível em: http://www.assistiva.com.br/Introducao_Tecnologia_Assistiva.pdf. Acesso em: 30 abr. 2021.

BITTENCOURT, I. G. S.; FUMES, N. L. F. A tecnologia assistiva Scala como recurso para produção de narrativas e registro de dados nas pesquisas em educação: uma experiência com pessoas adultas com transtorno do espectro autista. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 12, n. esp. 2, p. 1481-1495, ago. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.21723/riaee.v12.n.esp.2.1304

BRASIL. Secretaria dos Direitos Humanos. Comitê de Ajudas Técnicas. Ata da III reunião do Comitê de Ajudas Técnicas – CAT/CORDE. Brasília, DF, 2007. Disponível em: https://www.assistiva.com.br/Ata_VII_Reuni%C3%A3o_do_Comite_de_Ajudas_T%C3%A9cnicas.pdf. Acesso em: 30 abr.2021.

BRASIL. Decreto n. 7.611, de 17 de novembro de 2011. Promulgado pela Presidência da República, dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Brasília, DF, 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7611.htm. Acesso em: 19 nov. 2019.

BRASIL. Lei n. 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF, 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 19 nov. 2019.

BUENO, J. G. S. Crianças com Necessidades Educativas Especiais, política Educacional e a Formação de Professores: generalistas ou especialistas? Revista Brasileira de Educação Especial, n. 5, p. 7-25, 1999. Disponível em: https://abpee.net/homepageabpee04_06/sumarios/sumariorevista5.htm. Acesso em: 26 abr. 2021.

DELGADO GARCIA, J. C.; PASSONI, I. R. A relação do Emprego Apoiado com a qualidade de vida das pessoas com deficiência: efeitos baseados em evidências. In: PASSONI, I.; DELGADO GARCIA, J. C. (org.). Emprego Apoiado e Qualidade de Vida: Como se faz. 1. ed. São Paulo: Mundial Gráfica, 2017. v. 1, p. 12-31.

DONATI. G. C. F; DELIBERATO, D.; Questionário de Necessidades de Informação em Linguagem e Comunicação Alternativa (QNILCA-F). Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 23, n. 1, p. 53-66, jan./mar. 2017.

FIORINI, M. L. S.; MANZINI, E. J. Estratégias de professores de educação física para promover a participação de alunos com deficiência auditiva nas aulas. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 24, n. 2, p. 183-198, abr./jun. 2018.

GALVÃO FILHO, T. A. Tecnologia assistiva: favorecendo o desenvolvimento e a aprendizagem em contextos educacionais inclusivos. In: GIROTO, C. R. M.; POKER, R. B.; OMOTE, S. (org.) As tecnologias nas práticas pedagógicas inclusivas. Marília, SP: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012. p. 65-92.

LOPES, M. M.; QUEIROZ, F. M. M. G. Profissionais de apoio à inclusão escolar : aspectos legais. In: JORNADA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, 14.; CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA, 2., 2018, Marília. Anais [...]. Marília, SP: Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências, 2018. p. 846-854. Disponível em: http://ftp.ocs-jee.marilia.unesp.br/anais-jornada2018.pdf. Acesso em: 26 abr. 2021.

MANZINI, E. J. Possíveis variáveis para estudar as salas de recursos multifuncionais. In: JESUS, D. M.; BAPTISTA, C. R.; CAIADO, K. R. M (Org.) Prática pedagógica na educação especial: multiplicidade no atendimento educacional especializado. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, 2013.

MANZINI, E. J. Recurso pedagógico adaptado e estratégias para o ensino de alunos com deficiência física. In: MANZINI, E. J.; FUJISAWA, D. S. (Org.) Jogos e recursos para comunicação e ensino na educação especial. Marilia, SP: ABPEE, 2010. p. 117-138.

MENDES, E. G. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 33, p. 387-559, set./dez. 2006.

NEVES, B. C. Tecnologia e mediação: uma abordagem cognitiva da inclusão digital. Curitiba, PR: Ed. CRV, 2017.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. CIF: Classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde. EDUSP, 2015.

POSAR, A.; VISCONTI, P. Sensory abnormalities in children with autism spectrum disorder. Jornal de Pediatria, Sociedade Brasileira de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 4, n. 94, p. 342-350, 2018.

VYGOTSKI, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos Psicológicos Superiores. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

Publicado

30/12/2021

Como Citar

QUEIROZ, F. M. M. G. de; MELO, M. H. da S. Profissional de apoio como mediador da tecnologia assistiva no ambiente escolar. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. esp.4, p. 3122–3137, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16iesp.4.16071. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16071. Acesso em: 19 ago. 2022.