Diversidade biológica e cultural na formação de professores de biologia

Alguma relação?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17i4.16079

Palavras-chave:

Alteridades interespecíficas, Biocentrismo, Singularidades

Resumo

Neste trabalho, objetivamos discutir, qualitativamente, possíveis associações entre diversidade biológica e diversidade cultural na formação de professores de biologia. Essas reflexões podem ampliar o entendimento das relações entre sociedade e natureza, bem como a construção de currículos para a licenciatura em biologia. Abordamos, algumas perspectivas ecológicas de biodiversidade e diversidade cultural; nesta, demarcamos as percepções das singularidades individuais e coletivas como possível descritor de perfil sociocultural contemporâneo. Buscando aproximar as diversidades, apresentamos as abordagens biocultural e biocêntrica, e a possibilidade de inserção de elementos integradores, desintegradores, biocêntricos e antropocêntricos para análise das percepções de licenciandos. Concluímos que o reconhecimento das relações entre particularidades/coletividades e as temáticas relacionadas à variabilidade dos seres vivos auxilia no processo de emancipação social do professor/professora em formação. Ademais, consideramos que uma abordagem biocêntrica, baseada na equidade, possibilita o reconhecimento das alteridades interespecíficas dos seres vivos, proporcionando a (re)conexão, a (re)integração e a convivência diplomática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabela Mayara dos Santos, Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão – SE – Brasil

Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática.

Alice Alexandre Pagan, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Cuiabá – MT – Brasil

Professora associada do Departamento de Biologia e Zoologia do Instituto de Biociências (IB). Doutorado em Educação (USP).

Referências

BARBIERI, E. Biodiversidade: A variedade de vida no planeta terra. São Paulo: PESCA, 2010. Disponível em: https://www.pesca.sp.gov.br/biodiversidade.pdf. Acesso em: 17 abr. 2021.

BONONI, V. L. R. Biodiversidade. São Paulo: SMA, 2010.

BRASIL. Decreto n. 2.519, de 16 de março de 1998. Promulga a Convenção sobre Diversidade Biológica, assinada no Rio de Janeiro, em 05 de junho de 1992. Brasília, DF: Presidência da República, 1998. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d2519.htm. Acesso em: 17 abr. 2021.

BRASIL. Convenção da diversidade biológica. Cópia do Decreto Legislativo no. 2, de 5 de junho de 1992. Brasília, DF: MMA, 2000. Disponível em: https://www.gov.br/mma/pt-br/textoconvenoportugus.pdf. Acesso em: 21 maio 2021.

CARDOSO, D. M. Dimensões, centralidade e transversalidade da cultura. In: CARDOSO, D. M.; LIMA, S. M. S.; FERNANDES, S. C. L. Diversidade Cultural e Desenvolvimento. Belém: Assessoria de Educação a Distância UFP, 2014. Disponível em: https://aedmoodle.ufpa.br/pluginfile.php/107219/mod_resource/content/0/eixo_2_diversidade_cultural_e_desenvolvimento/Book_Curso_de_Gesta_o_Cultural_revisao02_final.pdf#page=17. Acesso em: 01 nov. 2021.

CARDOSO, S. M. V.; MUZZETI, L. R. As dimensões da diversidade cultural brasileira. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 2, n. 1, p. 1-11, dez. 2007. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/451. Acesso em: 04 nov. 2021.

CARMO, C. M. Grupos minoritários, grupos vulneráveis e o problema da (in)tolerância: Uma relação linguístico-discursiva e ideológica entre o desrespeito e a manifestação do ódio no contexto brasileiro. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 64, p. 201-223, ago. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rieb/a/gjKScQCrZpKtyM6mHz7S38g/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 29 maio 2021.

DIEGUES, A. C. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras – USP/Hucitec, 2008.

DIEGUES, A. C.; ARRUDA, R. S. V. (org.). Saberes tradicionais e biodiversidade no Brasil. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente, 2001.

FAUSTINO, M. T.; ROBERTO, E. C. O.; SILVA, R. L. F. Utilizando um mural digital para investigar significados da biodiversidade apresentados por professores (as). In: CONGRESSO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIÊNCIAS, 10., 2017, Sevilla. Anais [...]. Sevilla, 2017. Disponível em: https://ddd.uab.cat/pub/edlc/edlc_a2017nEXTRA/22._utilizando_um_mural_digital_para_investigar_significados_da_biodiversidade.pdf. Acesso em: 26 abr. 2021.

FERREYRA, N. C. C. A análise da convenção sobre a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais. In: ENCONTRO NACIONAL DA ABRI, 3., 2011, São Paulo. Anais [...]. São Paulo, 2011. Disponível em: http://www.abri.org.br/anais/3_Encontro_Nacional_ABRI/instituicoes%20e%20organizacoes%20internacionais/IOIS%207_Natali%20Catarina%20An+%EDlise%20da%20Conven+%BAao%20sobre%20a%20prote+%BA+%FAo%20e%20promo+%BA+%FAo%20da%20Diversidade%20das%20Expres.pdf. Acesso em: 07 nov. 2021.

FRANCO, J. L. A. O conceito de biodiversidade e a história da biologia da conservação: Da preservação da wilderness à conservação da biodiversidade. História, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 21-48, dez. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742013000200003&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 20 maio 2021.

FURTADO, J. Docência e alteridade. In: COEB, 6., 2016, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis, SC: UFSC, 2016. Disponível em: http://juliofurtado.com.br/wp-content/uploads/2016/03/coeb.pdf. Acesso em: 26 maio 2021.

GOMES, N. L. Educação e diversidade cultural: Refletindo sobre as diferentes presenças na escola. 2012. Disponível em: https://www.sinprodf.org.br/wp-content/uploads/2012/01/educa%C3%87%C3%83o-e-diversidade-cultural.pdf. Acesso em: 28 out. 2021.

INGOLD, T. Humanidade e Animalidade. 1995. Disponível em: http://www.iea.usp.br/eventos/destaques/ingold-humanidade. Acesso em: 30 maio 2021.

KAWASAKI, C. S. OLIVEIRA, L. B. Biodiversidade e educação: As concepções de biodiversidade dos formadores de professores de biologia. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 4., 2003, São Paulo. Anais [...]. São Paulo, 2003. Disponível em: http://abrapecnet.org.br/enpec/iv-enpec/orais/ORAL047.pdf. Acesso em: 28 mar. 2021.

LENDE, D. Antropologia Biocultural. Oxford bibliographies, 2013. Disponível em: https://www.oxfordbibliographies.com/view/document/obo-9780199766567/obo-9780199766567-0095.xml. Acesso em: 20 set. 2021.

LEVAI, L. F. Ética ambiental biocêntrica: pensamento compassivo e respeito à vida. Revista Eletrônica de Ciências Jurídicas e Sociais da Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 7-20, jul./dez. 2011. Disponível em: http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/jus_humanum/article/view/26. Acesso em: 21 abr. 2021.

LÉVÊQUE, C. A Biodiversidade. Bauru: Editora da Universidade do Sagrado Coração, 1999.

LIBÂNEO, J. C. A. Diversidade Biológica e Cultural. São Paulo: ISA, 1994. Disponível em: https://acervo.socioambiental.org/sites/default/files/documents/L9D00016.pdf. Acesso em: 05 nov. 2021.

LOPES, A. M. D. Da coexistência à convivência com o outro: Entre o multiculturalismo e a interculturalidade. Rev. Inter. Mob. Hum., Brasília, n. 38, p. 67-81, jan./jun. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/remhu/a/fSCcYc75jd7jw8pwLC8wZLQ/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 11. nov. 2021.

MARIN, A. A. Vidas que as “vidas que importam” comportam: alteridade e exclusões. ClimaCom – Epidemiologias, Campinas, ano 7, n. 19, 2020. Disponível em: http://climacom.mudancasclimaticas.net.br/vidas-que-importam/. Acesso em: 20 set. 2021.

OLIVEIRA, C. A. V. O conceito de diversidade cultural e suas implicações para a formação do professor de matemática no interior de mato grosso: Estudo de caso com licenciandos em Matemática na UNEMAT. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (EDUCERE), 7., 2008, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: PUCPR, 2008. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2008/159_896.pdf. Acesso em: 20 out. 2021.

PAGAN, A. A. O ser humano do Ensino de Biologia: Uma abordagem fundamentada no autoconhecimento. Revista entreideias, Salvador, v. 7, n. esp., p. 73-86, dez. 2018. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/entreideias/article/view/26530. Acesso em: 20 abr. 2021.

PAGAN, A. A. Entre o bélico e o diplomático: Transicionar a ciência como possibilidade de humanizar a educação ambiental. Revista Sergipana de Educação Ambiental, São Cristóvão, v. 7, n. esp., p. 1-19, nov. 2020. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/revisea/article/view/14387/11027. Acesso em: 20. abr. 2021.

PAGAN, A. A. et al. Cosmovisões etnocientíficas no ensino de biologia: Algumas reflexões. In: URBAN, S. P. Conhecimento popular e acadêmico em diálogo: Educação e práticas emancipatórias. Rio Grande do Norte: UERN, 2021.

PERDA de biodiversidade: Um risco para o meio ambiente e para a humanidade. IBERDROLA, 2021. Disponível em: https://www.iberdrola.com/sustentabilidade/perda-de-biodiversidade. Acesso em: 22 maio 2021.

PÉREZ, J. A.; MOSCOVICI, S.; CHULVI, B. Natura y cultura como principio de clasificación social: Anclaje de representaciones sociales sobre minorías étnicas. Revista de Psicología Social, v. 17, n. 1, p. 51-67, 2002. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1174/021347402753408668. Acesso em: 28 out. 2021.

PRIMACK, R. B.; RODRIGUES, E. Biologia da conservação. Londrina: E. Rodrigues, 2001.

SANTANA, A. M. Inovação inclusiva e singularidades: Um estudo com licenciados de ciências biológicas da UFS. 2017. Dissertação (Mestrado em Ciências e Matemática) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, Sergipe, 2017. Disponível em: https://ri.ufs.br/jspui/handle/123456789/5124. Acesso em: 09 jan. 2022.

SANTANA, A. M.; PARANHOS, M. C. R.; PAGAN, A. A. Singularidades de alguns graduandos de ciências biológicas e as políticas afirmativas na Universidade Federal de Sergipe. Scientia Plena, v. 13, n. 5, 059907, jan. 2017. Disponível em: https://www.scientiaplena.org.br/sp/article/view/3443. Acesso em: 21 abr. 2021.

SANTOS, E. F.; SANTOS, S. S. C.; PAGAN, A. A. Concepções de biodiversidade para futuros professores de Ciências da Natureza. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 12, n. 4, p. 1-25, jul./set. 2021. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/2931. Acesso em: 02 dez. 2021.

TACCA, M. C. V. R.; GONZÁLEZ-REY, F. L. Produção de sentido subjetivo: As singularidades dos alunos no processo de aprender. Psicologia: ciência e profissão, Brasília, v. 28, n. 1, p. 138-161, abr./nov. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pcp/a/bbcCdWWg9v49xZfktJLrDcT/?lang=pt. Acesso em: 26 maio 2021.

TOLEDO, V. M.; BARRERA-BASSOLS, N. A memória biocultural – A importância ecológica das sabedorias tradicionais. São Paulo: Editora Expressão Popular, 2015.

WILSON, E. O. Diversidade da vida. Tradução: Carlos Afonso Malferrari. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

Publicado

30/12/2022

Como Citar

SANTOS, I. M. dos; PAGAN, A. A. Diversidade biológica e cultural na formação de professores de biologia: Alguma relação?. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 4, p. 2666–2685, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17i4.16079. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16079. Acesso em: 8 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos