A formação do pedagogo e a práxis pedagógica inclusiva em espaços escolares e não escolares

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17iesp.1.16324

Palavras-chave:

Formação do pedagogo, Espaços não-escolares, Práxis pedagógica inclusiva, Educação inclusiva

Resumo

O presente artigo tem por objetivo analisar a formação do pedagogo na perspectiva da práxis pedagógica inclusiva a partir da compreensão das determinações oriundas do contexto de restruturação produtiva do capital. Trata-se dos resultados de uma pesquisa exploratória e documental que examinou à luz do materialismo histórico-dialético as mudanças ocorridas na formação do pedagogo, a partir dos pressupostos históricos e políticos que impulsionam a expansão do conceito de educação inclusiva. As análises permeiam o exame crítico e documental a partir de uma compreensão apurada sobre a formação do pedagogo, mediante as prerrogativas da sociedade do século XXI e do conceito de educação na perspectiva inclusiva, em espaços escolares e não escolares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aparecida Meire Calegari-Falco, Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá – PR – Brasil

Docente Adjunto do Departamento de Teoria e Prática da Educação e Coordenadora do Mestrado Profissional em Rede em Educação Inclusiva (biênio 2020-2022). (PROFEI). Doutorado em Educação (UEM).

Gizeli Aparecida Ribeiro de Alencar, Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá – PR – Brasil

Docente Adjunto do Departamento de Teoria e Prática da Educação. Docente e coordenadora adjunta do Mestrado Profissional em Rede em Educação Inclusiva (biênio 2020-2022) (PROFEI). Doutorado em Educação Especial (Educação do Indivíduo Especial) (UFSCAR).

Jani Alves da Silva Moreira, Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá – PR – Brasil

Docente Associado do Departamento de Teoria e Prática da Educação e do Programa de Pós-graduação em Educação (PPE). Doutorado em Educação (UEM).

Referências

AFONSO, Almerindo Janela. Os Lugares da Educação. In: SIMSOM, Olga Rodrigues de Moraes von et al. Educação não-formal cenários da criação. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2001.

ANTUNES, Ricardo. Da educação utilitária fordista à da multifuncionalidade liofilizada. Trabalho Encomendado GT11 -Política de Educação Superior. In: REUNIÃO NACIONAL DA ANPED, 38., 2017, São Luis do Maranhão. Anais [...]. São Luis do Maranhão: UFMA, 2017.

BARBOSA, Carlos Soares. A educação de jovens e adultos na perspectiva da formação humana: desafios no contexto das relações flexíveis de trabalho. RIAEE – Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 1, p. 63-76, jan./mar., 2019. E-ISSN: 1982-5587

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 1 de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Brasília, DF: MEC, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 10 abr. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF: MEC/SEESP, 2008.

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 2, de 1 de julho de 2015. Brasília, DF: MEC, 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 10 abr. 2021.

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 2, de 20 de dezembro de 2019. Brasília, DF: MEC, 2019. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file. Acesso em: 10 abr. 2021.

CALEGARI-FALCO, Aparecida Meire. O processo de formação do pedagogo para atuação em espaços não-escolares: em questão a pedagogia hospitalar. 2010. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2010.

CALEGARI-FALCO, Aparecida Meire; MOREIRA, Jani Alves da Silva. A gestão do trabalho pedagógico em espaços escolares e não escolares: um debate acerca da formação do pedagogo no Brasil. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v.43, n.1, p. 256-273, jan./abr. 2017.

CAMBI, Franco. História da pedagogia. São Paulo: Editora Unesp, 1999

CHAUÍ, Marilena de Souza. Contra a universidade operacional e a servidão voluntária [palestra de abertura]. Bahia: Universidade Federal da Bahia, 14 jul. 2016. 1 vídeo (80min). Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=LJr3SY2UpoE. Acesso em 29.10.2021

CHAVES, Marta; FELÍCIO, Paula Gonçalves; MOREIRA, Jani Alves da Silva. As contribuições de Anatoli Vassilievitch Lunatcharski para a educação brasileira na atualidade. RIAEE – Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. 3, p. 2133-2147, jul./set. 2021.e-ISSN: 1982-5587.

DIAS SOBRINHO, José. Universidade e novos modos de produção, circulação e aplicação do conhecimento. Avaliação, Campinas, v. 19, n. 3, 2014. Disponível em https://www.scielo.br/j/aval/a/bpfJ9GZV4GtLj98vtXn8GKg/?lang=pt. Acesso em: 29 out. 2021

DUARTE, Newton. Conhecimento tácito e conhecimento escolar na formação do professor (por que Donald Schön não entendeu Luria). Educação e Sociedade, Campinas, v. 24, n. 83, p. 601-625, ago. 2003

EVANGELISTA, Olinda; SHIROMA, Eneida Oto. Subsídios teóricos-metodológicos para o trabalho com documentos de política educacional: contribuições do marxismo. In: CÊA, Georgia, RUMMERT, Sonia Maria, GONÇALVES, Leonardo. Trabalho e educação: interlocuções marxistas. Rio Grande, RS: FURG, 2018. p. 87-124.

FREITAS, Luiz Carlos de Freitas. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

KUENZER, Acácia Zeneida; RODRIGUES, Marli de Fátima. As diretrizes curriculares para o curso de Pedagogia: uma expressão da epistemologia da prática. Revista Olhar de Professor, Ponta Grossa, p. 35-62, 2007.

MARX, Karl. Teses sobre Feuerbach. Obras escolhidas. São Paulo: Alfa e Ômega, 1835. v. 3, p. 208-210.

MARX, Karl.; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã (Feuerbach). São Paulo: Hucitec, 1993.

MOREIRA, Jani Alves da Silva. Reformas educacionais e políticas curriculares para a educação básica: prenúncios e evidências para uma resistência ativa. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 10, n. 2, p. 199-213, ago. 2018.

NASCIMENTO, Francielle Pereira; FERREIRA BARROS, Marta Silene. O sistema capitalista a partir da década de 1990 e suas implicações na educação escolar brasileira. RIAEE–Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 13, n. 4, p. 1779-1791, out./dez. 2018. E-ISSN: 1982-5587.

OXFAM. Aumento do investimento público em educação reduziu a desigualdade de renda no Brasil, revela estudo. 2020. Disponível em: https://www.oxfam.org.br/noticias/aumento-do-investimento-publico-em-educacao-reduziu-a-desigualdade-de-renda-no-brasil-revela-estudo/. Acesso em: 29 out. 2021.

SAVIANI, Demerval. Educação, práxis e emancipação humana. Revista Práxis e Hegemonia Popular, n. 2, p. 1-20, jul. 2017.

SGUISSARDI, Valdemar. Regulação estatal e desafios da expansão mercantil da educação superior. Educação & Sociedade, Campinas, v. 34, n. 124, p. 943-960, 2013.

UNESCO. Educação 2030: Declaração de Incheon e Marco de Ação: rumo a uma educação de qualidade inclusiva e equitativa e à educação ao longo da vida para todos. Brasília, DF, 2016.

ZUCCHETTI, Dinora Tereza; MOURA, Eliana Perez Gonçalves de. Educação não escolar e Universidade: Necessárias interlocuções para novas questões. 2003.

Downloads

Publicado

01/03/2022

Como Citar

CALEGARI-FALCO, A. M.; ALENCAR, G. A. R. de; MOREIRA, J. A. da S. A formação do pedagogo e a práxis pedagógica inclusiva em espaços escolares e não escolares. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. esp.1, p. 0844–0859, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17iesp.1.16324. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16324. Acesso em: 25 maio. 2022.