Reflexões sobre os atendimentos aos pais no âmbito da educação inclusiva

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v18i00.17141

Palavras-chave:

Inclusão, Educação precoce, Psicanálise, Escuta, Parentalidade

Resumo

O presente artigo tem por objetivo refletir sobre o acolhimento aos pais na Educação Inclusiva. Realizou-se um estudo de caso de uma criança com síndrome de Down, participante do Programa de Educação Precoce do Distrito Federal, no qual se detecta a importância da escuta dos processos subjetivos das crianças e de suas famílias, com ênfase na dinâmica parental, ante o encontro com a deficiência. Conclui-se que os professores tendem a se apropriar de conhecimentos da área de saúde, adotando uma concepção de desenvolvimento infantil padronizada e focada em diagnósticos e prognósticos das deficiências. Assim, os professores colocam-se em uma posição hierárquica de especialistas que orientam os pais. Essa estratégia mostra-se limitada, uma vez que os processos de desenvolvimento se articulam com a dimensão subjetiva da criança e do seu campo parental. Articulação, portanto, que demanda escuta e atenção, não podendo ser desconsiderada, pois é fundamental para contribuir com os processos de inclusão escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiana Studart Rodrigues Marques, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal

Professora efetiva do Programa Educação Precoce. Mestre em Educação (UnB).

Viviane Neves Legnani, Universidade de Brasília

Professora Associada III. Doutorado em Psicologia (UnB).

Amanda Cabral dos Santos, Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires

Professora do curso de graduação em Fisioterapia. Mestrado em Psicologia (UCB).

Referências

BERNARDINO, L. M. F. A contribuição da psicanálise para a atuação no campo da educação especial. Estilos da Clínica, v. 12, n. 22, p. 48-67, 2007. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/estic/article/view/46017. Acesso em: 08 fev. 2023.

BRASIL. Diretrizes Educacionais sobre a estimulação precoce. Brasília, DF: MEC; SEF, 1995.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2018.

BRINDON, D. O bebê na creche: Possibilidades educativas a partir do desejo. São Paulo: Escuta, 2019.

CAMPOS, D. L. et al. Contribuições possíveis da psicanálise à educação precoce: o protocolo Indicadores Clínicos de Risco para o Desenvolvimento Infantil (IRDI). Estilos da Clínica, v. 25, n. 2, p. 233-245, 2020. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/estic/article/view/166826. Acesso em: 11 jul. 2022.

CARVALHO, R. E. Escola inclusiva: A reorganização do trabalho pedagógico. Porto Alegre: Mediação, 2010.

COLLARES, C. A. L.; MOYSÉS, M. A. A. Diagnóstico da medicalização do processo de ensino-aprendizagem na 1ª série do 1º grau no município de Campinas. Em Aberto, v. 11, n. 53, p. 13-28, 1992. Disponível em: http://emaberto.inep.gov.br/ojs3/index.php/emaberto/article/view/2142. Acesso em: 08 fev. 2023.

DISTRITO FEDERAL. Orientação Pedagógica: Atendimento Educacional Especializado à Criança de 0 a 3 Anos – Precoce. Brasília, DF: SEDF, 2005.

DISTRITO FEDERAL. Orientação Pedagógica: Ensino Especial. Brasília, DF:SEDF, 2010.

DOMECQ GOMEZ, Y. et al. Consideraciones actuales sobre la iatrogenia. Medisan, v. 24, n. 5, p. 906-924, 2020. Disponível em: http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1029-30192020000500906&lng=es&nrm=iso. Acesso em: 12 fev. 2022.

FREUD, S. Luto e Melancolia, 1915-1917. In: FRED, S. Obras completas, v. 14. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2010a.

FREUD, S. Sobre o narcisismo: Uma introdução, 1914. In: FRED, S. Obras completas, v. 12. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2010b.

GÓES, F. A. B. Um encontro inesperado: Os pais e seu filho com deficiência mental. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 26, n. 3, p. 450-461, 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pcp/a/cYkQjSxFXj6BYXNZ6JrygGk/abstract/?lang=pt. Acesso em: 08 fev. 2023.

GORETTI, A. C. S. A relação mãe-bebê na estimulação precoce: Um olhar psicanalítico. 2012. 133 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2012.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo 2010. 2010. Disponível em: http:// www.ibge.gov/home. Acesso em: 20 out. 2021.

JERUSALINSKY, J. Enquanto o futuro não vem. Salvador, BA: Agalma, 2002.

JULIEN, P. Abandonarás teu pai e tua mãe. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2000.

KRUMMENAUER, V.; MALGARIM, B. G. Se você não ouve as crianças, você perde as crianças: Um estudo acerca do lugar da infância no contemporâneo e suas representações. Sig: Revista de psicanálise, Porto Alegre, ano. 7, n. 2, p. 33-42, 2018. Disponível em: https://sig.org.br/bkp/wp-content/uploads/2020/03/Edicao13-Completa.pdf. Acesso em: 10 ago. 2022.

KUPFER, M. C. M.; GAVIOLI, C. A. Médicos educadores e professores terapeutas? Algumas relações entre o tratar e o educar. In: ALMEIDA, S. F. C.; KUPFER, M. C. M. (org.). A Psicanálise e o trabalho com a criança-sujeito. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2011.

KUPFER, M. C. M. et al. Valor preditivo de indicadores clínicos de risco para o desenvolvimento infantil: um estudo a partir da teoria psicanalítica. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, v. 13, n. 1, p. 31-52, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rlpf/a/Gstnw7NLC5KWJSj5b96GP6Q/?lang=en. Acesso em: 24 jul. 2022.

LAZNIK, M. C. A função paterna nos primeiros meses de vida de um bebê. In: SZEJER, M.; OLIVEIRA, E. P (org.). O bebê e os desafios da cultura. São Paulo: Instituto Langage, 2019.

LENT, R. O Cérebro Aprendiz: Neuroplasticidade e Educação. Rio de Janeiro: Atheneu, 2018.

LIMA, I. L. S. A contribuição da ética da Psicanálise para educação de alunos com autismo. 2019. 102 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2019.

MENDES, M. G. S. Batalhas vivenciadas por mães de autistas: Subjetivação, desafios e possibilidades de inclusão. 2021. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2021.

PALHARES, O.; BASTOS, M. B. Duas notas sobre a formação de professores na perspectiva psicanalítica. Estilos da Clínica, v. 22, n. 2, p. 246-267, 2017. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/estic/article/view/134489. Acesso em: 11 jul. 2022.

STAKE, R. E. Case studies. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (org.). Handbook of Qualitative Research. London: Sage, 1994.

Publicado

31/05/2023

Como Citar

MARQUES, T. S. R.; LEGNANI, V. N.; SANTOS, A. C. dos. Reflexões sobre os atendimentos aos pais no âmbito da educação inclusiva. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 18, n. 00, p. e023036, 2023. DOI: 10.21723/riaee.v18i00.17141. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/17141. Acesso em: 19 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos teóricos