Sobre-excitabilidade (overexcitability) correlacionada à aptidão e talento musical

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v18i00.17195

Palavras-chave:

Educação Especial, Aptidão musical, Talento musical, Sobre-excitabilidade

Resumo

A presente pesquisa tem como objetivo estudar a produção da literatura (inter)nacional em relação à sobre-excitabilidade associada à aptidão e ao talento musical e caracterizá-la, descrevê-la e analisá-la tomando por base os últimos dez anos (2012 a 2022). Empreendeu-se a busca em seis (6) bases de dados, análise qualitativa e meta-análise (estatística descritiva e comparação de médias/T Student). Foram encontradas N=11 pesquisas (N=4 empíricas e randomizadas e N=7 teóricas), nenhuma delas era brasileira. Os Estados Unidos ficaram em primeiro no ranking das produções e suas fontes eram das áreas da Música, Artes em geral, Educação, Psicologia e Humanidades. As duas (2) pesquisas randomizadas mostraram diferenças significativas entre cantores e bailarinos (t (144)=1,636; p>0,05), bailarinos e atletas (t (109)=4,554; p<0,05) e músicos e não músicos (t (210)=1,170; p<0,05). Concluiu-se, que indivíduos talentosos em Música apresentam maior sobre-excitabilidade quando comparados com outros grupos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Oliveira Koga, Universidade Federal de São Carlos

Pós-doutoranda do Departamento de Psicologia.

Rosemeire de Araújo Rangni, Universidade Federal de São Carlos

Professora Associada 2. Doutorado em Educação Especial (UFSCar).

Referências

ABRAMO, J. M.; NATALE-ABRAMO, M. Reexamining “Gifted and Talented” in Music Education. Music Educators Journal, Estados Unidos, v. 106, n. 3, p. 38-46, 2020. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0027432119895304. Acesso em: 02 dez. 2022.

BRANDAU, R.; MONTEIRO, R.; BRAILE, D. M. Importância do uso correto dos descritores nos artigos científicos. Revista brasileira de cirurgia cardiovascular, v. 20, n. 01, p. 07-09, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbccv/a/YjJ9Hw34dfDTJNcTKMFnKVC/?lang=pt. Acesso em: 02 dez. 2022.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 31 jan. 2023.

BRUNDZAITE, K.; GINTILIENE, G. Overexcitabilities of Intellectually and Artistically Gifted Children and Youth. In: EUROPEAN CONFERENCE ON DEVELOPMENTAL PSYCHOLOGY, 16., 2013, Suíça. Anais […]. Bolonha: Monduzzi, 2013.

DABROWSKI, K. Positive Disintegration. Florida: Maurice Bassett, 2016.

FONTERRADA, M. T. O. Música e Políticas Públicas na Educação Básica. Revista Fladem Brasil, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 6-20, 2020. Disponível em: https://www.fladembrasil.com.br/revista-fladem-1. Acesso em: 31 jan. 2023.

GAGNÉ, F.; MCPHERSON, G. Analyzing musical prodigiusness using Gagné’s integrative model of talent development. In: MACPHERSON, G. (org.). Musical prodigies: Interpretations from psychology, education, musicology and ethnomusicology. Reino Unido: Oxford University Press, 2016.

GARDNER, H. Frames of mind. New York: Perseus, 1993.

GORDON, E. E. Music, the brain and music learning: Mental representation and changing cortical activation patterns through learning. Carolina do Sul: GIA Publication, 1997.

GORDON, E. E. Teoria de aprendizagem musical para recém-nascidos e crianças em idade pré-escolar. 4 ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2015.

HAROUTOUNIAN, J. Kindling the spark: Recognizing and developing musical talent. New York: Oxford University Press, 2002.

HAROUTOUNIAN, J. Artistic Ways of Knowing: Thinking Like an Artist in the STEAM Classroom. In: STEWART, A. J. et al. (org.). Converting STEM into STEAM Program. Suíça: Springer, 2019.

HOLLINGWORTH, L. S. The psychology of the adolescent. Londres: Partridge, 1928.

KIRNARSKAYA, D. The natural musician on abilities, giftedness and talent. New York: Oxford, 2004.

KIRNARSKAYA, D. How to raise a successful musician? Self-efficacy and its formation within family environment. Scholarly Papers of Russian Gnesins Academy of Music. Moscow, v. 1, n. 2, p. 4–15, 2018.

KLINEBURGER, P. C.; HARRISON, D. W. The dynamic functional capacity theory: A neuropsychological model of intense emotions. Revista Cogent Psychology, Austrália, v. 2, n. 1029691, p. 02-17, 2015. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/23311908.2015.1029691. Acesso em: 02 dez. 2022.

LEVITIN, D. A música no seu cérebro: A ciência de uma obsessão humana. 1 ed. Tradução: Clovis Marques. Rio de Janeiro: Objetiva, 2021.

MARTOWSKA, K.; ROMANOWICZ, M. Overexcitability Profile Among University Students at Music-Focused Institutions. Roeper Review, v. 42, n. 04, p. 271-180, 2020. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/02783193.2020.1815265. Acesso em: 02 dez. 2022.

MONTEIRO, L. M.; SPIRI, W. C. Revisão Sistemática ou Integrativa: Indicadores de qualidade e carga de trabalho uma revisão integrativa em enfermagem. Revista Mineira de Enfermagem, Minas Gerais, v. 20, e936, p. 01-08, 2016. Disponível em: https://cdn.publisher.gn1.link/reme.org.br/pdf/e936.pdf. Acesso em: 02 dez. 2023.

NIXON, L. F. Creativity and Positive Disintegration. Revista Advanced Development Journal, Estados Unidos, v. 15, n. 01, p. 12-31, 2016. Disponível em: https://www.gifteddevelopment.org/about. Acesso em: 10 ago. 2022.

OLIVEIRA, J. C. et al. Contribuições da Teoria da Desintegração Positiva para a Área de Superdotação. Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 33, n. 3332, p. 01-09, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ptp/a/mmVxpcHKnbZhcY6mh6JKFwL/?lang=pt. Acesso em: 02 dez. 2022.

RECH, A. J. D.; NEGRINI, T. Formação de professores e altas habilidades/superdotação: Um caminho ainda em construção. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 2, p. 485-498, 2019. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/11080/8033. Acesso em: 02 dez. 2022.

SANZ, R. P. S. La teoría de la desintegracion positiva de Dabrowski. Revista Complutense de Educación, Madrid, v. 15, n. 02, p. 431-450, 2004. Disponível em: https://revistas.ucm.es/index.php/RCED. Acesso em: 02 dez. 2023.

SANTOS, E. J. F.; CUNHA, M. Interpretação crítica dos resultados estatísticos de uma meta-análise: Estratégias metodológicas. Revista Millenium, Portugal, v. 44, n. 01, p. 85-98, 2013. Disponível em: https://revistas.rcaap.pt/millenium/article/view/8169. Acesso em: 02 dez. 2022.

SISK, D. Managing the Emotional Intensities of Gifted Students with Mindfulness Practices. Revista Education Sciences, Suíça, v. 11, n. 11, p. 02-12, 2021. Disponível em: https://www.mdpi.com/2227-7102/11/11/731. Acesso em: 02 dez. 2022.

SOUZA, M. T. et al. Revisão integrativa: O que é e como fazer. Revista Einstein, São Paulo, v. 08, n. 08, p. 102-106, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/eins/a/ZQTBkVJZqcWrTT34cXLjtBx/?lang=en. Acesso em: 02 dez. 2022.

PEREIRA, E. P. R.; GILLANDERS, C. A investigação doutoral em educação musical no brasil: Meta-análise e tendências temáticas de 300 teses. Revista da ABEM, v. 27, n. 43, p. 105-131, 2019. Disponível em: http://www.abemeducacaomusical.com.br/revistas/revistaabem/index.php/revistaabem/article/view/850. Acesso em: 02 dez. 2022.

PINHEIRO, J. Uma ruptura declarada. In: PINHEIRO, J. (org.). Ler Althusser. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2016.

THOMSON, P.; JAQUE, V. Overexcitability: A Psychological comparison Between Dancers, Opera Singers, and Athletes. Roeper Review, v. 38, p. 84-92, 2016. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/02783193.2016.1150373. Acesso em: 10 out. 2021.

TEPLOV, B. M. Psychologie des aptitudes musicales. Paris: Press universitaires de france, 1966.

VIEIRA, S. Estatística básica. 2 ed. São Paulo: Cengage, 2018.

VYGOSTSKY, L. S.; LÚRIA, A. R. Estudos sobre a história do comportamento: O macaco, o primitivo e a criança. Tradução: Lólio Lourenço de Oliveira. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

WINNER, E. Crianças sobredotadas: Mitos e realidades. Tradução: Sandra Costa. Porto Alegre: Artmed, 1996.

WILLEMS, E. El oído musical: La preparación auditiva del niño. 5 ed. Barcelona: Paidós Educador, 2011.

Publicado

16/08/2023

Como Citar

KOGA, F. O.; RANGNI, R. de A. Sobre-excitabilidade (overexcitability) correlacionada à aptidão e talento musical. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 18, n. 00, p. e023056, 2023. DOI: 10.21723/riaee.v18i00.17195. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/17195. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos teóricos