Educação Infantil e Criança Indígena

Uma leitura de “Mundo Matemático” possível a partir das brincadeiras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v18i00.17256

Palavras-chave:

Educação Infantil, Interculturalidade, Criança Indígena, Brincadeiras, Etnomatemática

Resumo

O artigo objetiva relatar resultados de um projeto extensionista que promoveu diálogos sobre Interculturalidade e Etnomatemática a partir de interações com professoras de crianças de 4 a 5 anos e 11 meses. A metodologia, de natureza interventiva, considera o trabalho colaborativo como ponto emergente de indicadores para atuação junto aos povos originários, em Mato Grosso do Sul (MS), no contexto de uma experiência de formação continuada na perspectiva de instrumentalizar a prática pedagógica para atuação com a linguagem matemática no atendimento à criança indígena. Realizamos estudos, reflexões, planejamentos e validação de propostas que valorizam a brincadeira indígena como forma de recriação das experiências infantis em sua leitura de mundo. Implementar ações voltadas à valorização dos saberes indígenas, em prol de uma formação que encara a diferença como peça fundamental da inclusão social, representa o fortalecimento das identidades étnicas no cenário histórico-político-social brasileiro e é tema emergente para a Educação Infantil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Klinger Teodoro Ciríaco, Universidade Federal de São Carlos

Professor Adjunto do Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas (DTPP) do Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH/UFSCar); Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/UFSCar) – Linha de Pesquisa “Educação em Ciências e Matemática”; Doutor em Educação pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – FCT/UNESP.

Fernando Schlindwein Santino, Universidade Federal de São Carlos

Doutorando em Educação pelo PPGE/UFSCar – Linha de Pesquisa “Educação em Ciências e Matemática”.

Danielle Abreu Silva, Universidade Federal de São Carlos

Doutoranda em Educação pelo PPGE/UFSCar – Linha de Pesquisa “Educação em Ciências e Matemática”.

Referências

ABRAMOWICZ, Anete; LEVCOVITZ, Diana; RODRIGUES, Tatiane Cosentino. Infâncias em Educação Infantil. Pro-Posições, Campinas (SP), v. 20, n. 3 (60), p. 179-197, set./dez. 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pp/a/cfMLxpmmX6VCvsqsWHFGfJg/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 12 jan. 2022.

ANDRIOLI, Luciana Regina; OLIVEIRA, Adriana Silva. O ensino da Matemática na Educação Infantil indígena Kaingang no Paraná. Obutchénie: R. de Didat. e Psic. Pedag., Uberlândia (MG), v. 4. n. 3. p. 618-642, set./dez. 2020. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/Obutchenie/article/view/58427/30371. Acesso em: 13 fev. 2022.

ARAUJO, Elaine Sampaio. Matemática e Infância no "Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil": um olhar a partir da teoria histórico-cultural. n. 33. Zetetiké -FE -Unicamp, Campinas (SP), v. 18, n. 33, 2010. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646696/13598. Acesso em: 16 fev. 2022.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética. A teoria do romance. 3. ed. São Paulo: Unesp, 1993.

BETTIN, Anne Desconsi Hasselmann; PRETTO, Valdir. A construção do jogo indígena a partir da Matemática. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO, 21., 2016. Anais [...]. [S. l.]: 2016. p. 266-273. Tema: A escola já não é a mesma: novos tempos, novos paradigmas.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 16, maio 2022.

BRASIL. Ministério da Educação e Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998a. v. 1-3.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998b.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2010.

CANDAU, Vera Maria Ferrão. Diferenças culturais, interculturalidade e educação em direitos humanos. Educ. Soc., Campinas (SP), v. 33, n. 118, p. 235-250, jan./mar. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/QL9nWPmwbhP8B4QdN8yt5xg/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 16 maio 2022.

CIRÍACO, Klinger Teodoro. "Com quantos paus se faz uma canoa?" Etnomatemática, interculturalidade e infância indígena na educação infantil urbana. Interfaces da Educação, Paranaíba (MS), v. 9, n. 25, p. 101-127, 2018. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/interfaces/article/view/3122/2503. Acesso em: 18 abr. 2022.

CIRÍACO, Klinger Teodoro; SANTINO, Fernando Schlindwein; SILVA, Danielle. Infância Indígena, Interculturalidade e a Etnomatemática Enquanto Perspectiva de Prática Pedagógica na Educação Infantil Sul-Mato-Grossense. In: CIRÍACO, Klinger Teodoro; OLIVEIRA, Carloney Alves. (org.). Tendências em Educação Matemática na infância. Brasília, DF: SBEM Nacional, 2022. p. 15-39.

COHN, Clarice. Antropologia da criança. São Paulo: Jorge Zahar, 2005.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Paz, educação matemática e etnomatemática. Teoria e Prática da Educação, v. 4, n. 8, p. 15-33, 2001. Disponível em: https://docplayer.com.br/21297203-Paz-educacao-matematica-e-etnomatematica-por-ubiratan-d-ambrosio.html. Acesso em: 24 jan. 2022.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática. Elo entre as tradições e a modernidade. 5. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

DORNELLES, Leni Vieira. Na escola infantil todo mundo brinca se você brinca. In: CRAIDY, Maria; KAERCHER, Gládis Elise da Silva (org.). Educação infantil: pra que te quero? Porto Alegre: Artmed, 2001. p. 101-108.

FAUSTINO, Rosangela Celia; MOTA, Lucio Tadeu. Crianças indígenas: o papel dos jogos, das brincadeiras e da imitação na aprendizagem e no desenvolvimento. Acta Scientiarum. Education, Maringá (PR), v. 38, n. 4, p. 395-404, 2016. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciEduc/article/view/27968/17267. Acesso em: 23 ago. 2022.

FIORENTINI, Dario. Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In: BORBA, Marcelo de Carvalho; ARAUJO, Jussara Loiola. (org.). Pesquisa quantitativa em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. p. 53-85.

FRANCO, Iasmin. 13 Brincadeiras Indígenas. Escola Educação, [S. l.], 10 abr. 2019. Disponível em: https://escolaeducacao.com.br/10-brincadeiras-indigenas/adugo-ou-jogo-da-onca/. Acesso em: 10 dez. 2022.

FUNDAÇÃO NACIONAL DOS POVOS INDÍGENAS (FUNAI). Ministério da Justiça Fundação Nacional do Índio. Coletânea de Legislação Indigenista Brasileira. Brasília, DF: CGDTI/FUNAI, 2008.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

JOGO DA ONÇA. [S. l.], 22 dez. 2018. Disponível em: https://jogodaonca.home.blog/2018/12/22/primeiro-post-do-blog/. Acesso em: 10 dez. 2022.

MACHADO, Ana Maria. Menino Poti. [S. l.]: Ed. Salamandra, 1982.

MELO, Alessandro de; RIBEIRO, Débora; DOMINÍCIO, Eliane. Interculturalidade e a temática indígena na educação infantil. Acta Scientiarum, Maringá (PR), v. 42, 2020. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciEduc/article/view/43470/751375149357. Acesso em: 15 jun. 2022.

MESH, Gren. Porcos vs Onças: Jogo da Onça. dez. 2018. Disponível em: https://jogodaonca.home.blog/2018/12/22/primeiro-post-do-blog/. Acesso em: 10 dez. 2022.

MONTEIRO, Sabrina. Processos de ensino na Educação Infantil: um estudo de inspiração Etnomatemática. 2018. 106 f. Dissertação (Mestrado em Ensino) – Universidade do Vale do Taquari, Lajeado, RS, 2018. Disponível em: https://www.univates.br/bduserver/api/core/bitstreams/3487cdce-5bcd-47ec-a418-71f2776e7a83/content. Acesso em: 16 mar. 2022.

NACARATO, Adair Mendes; CUSTÓDIO, Iris Aparecida (org.). O desenvolvimento do pensamento algébrico na Educação Básica: compartilhando propostas de sala de aula com o professor que ensina (ensinará) Matemática. Brasília, DF: Sociedade Brasileira de Educação Matemática, 2018.

NASCIMENTO, Adir Casaro; VIEIRA, Carlos Magno Naglis. O índio e o espaço urbano: breves considerações sobre o contexto indígena na cidade. Cordis. História: Cidade, Esporte e Lazer, São Paulo, n. 14, p.118-136, jan./jun. 2015. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/cordis/article/view/26141/18771. Acesso em: 18 jul. 2022.

OLIVEIRA, Maria Aparecida Mendes de; MENDES, Jackeline Rodrigues. Que saberes indígenas na escola? Etnomatemática e numeramento na formação de professores indígenas. Educação Matemática em Revista, v. 23, p.184-197, 2018. Disponível em: http://funes.uniandes.edu.co/24294/1/Oliveira2018Que.pdf. Acesso em: 12 maio 2022.

PEREIRA, Lilian Alves; CALSA, Geiva Carolina. Prevenção de dificuldades na construção do espaço topológico por meio de intervenção pedagógica com Ênfase na área psicomotora e tomada de consciência com alunos da educação infantil. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA DO PPE, 2009. Anais [...]. Maringá, PR: UEM, 2009. p. 1-11.

RODRIGUES, Thiago Donda. Educação Matemática inclusiva. Interfaces da Educação, Paranaíba (MS), v. 1, n. 3, p.84-92. 2010. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/interfaces/article/view/620/584. Acesso em: 15 fev. 2022.

ROSEMBERG, Fúlvia. Educação infantil e povos indígenas no Brasil: apontamentos para um debate. In: AZEVEDO, Margarida. Discutindo políticas de Educação Infantil, educação escolar indígena. Recife: MIEIB – Movimento Interfóruns de Educação Infantil no Brasil. Centro de Cultura Luiz Freire-CCLF, 2005. p. 1-12.

SANTINO, Fernando Schlindwein; CIRÍACO, Klinger Teodoro. "O essencial é invisível aos olhos": percepções acerca da Interculturalidade e Etnomatemática no atendimento à infância indígena. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 15, n. 1, p. 113-133, jan./abr. 2021. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/EspacoAmerindio/article/view/103390/61539 Acesso em: 4 abr. 2022.

SANTOS, João Antônio de Lima; SANTOS, Maria Kauany da Silva. Reflexões acerca da educação (inter)cultural através do lúdico em sala de aula. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO – CONEDU, 3., 2016, Campina Grande. Anais [...]. Campina Grande, PB: Realize Editora, 2016. p. 1-12.

SARDINHA, Ana Gabriella de Oliveira; GASPAR, Maria Terezinha Jesus; MOLINA, Mônica Castagna. Jogos indígenas aplicados ao ensino de Ciências e Matemática. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE HISTÓRIA DA MATEMÁTICA, 9., 2011, Aracaju. Anais [...]. Aracaju, SE: [s. n.], 2011. p. 1-12.

SILVA, Suelene de Rezende e; PALMA, Rute Cristina Domingos da. O brincar e o desenvolvimento das noções espaciais na Educação Infantil. Rev. Zero-a-seis, Florianópolis, v. 17, n. 31, p. 015, jan./jun. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/zeroseis/article/view/1980-4512.2015n31p15/28936. Acesso em: 9 ago. 2022.

SMOLE, Kátia Cristina Stocco. A Matemática na Educação Infantil: a teoria das inteligências múltiplas na prática escolar. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SMOLE, Kátia Stocco; DINIZ, Maria Ignez; CÂNDIDO, Patrícia Terezinha. Brincadeiras infantis nas aulas de Matemática: coleção Matemática de 0 a 6. Porto Alegre: Artmed, 2000. v. 1.

SOUZA, Ilma Regina Castro Saramago de; BRUNO, Marilda Moraes Garcia. Ainda não sei ler e escrever: alunos indígenas e o suposto fracasso escolar. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 42, n. 1, p. 199-213, jan./mar. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/edreal/a/FVdRZc4W65CqGMnwx48fTxH/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 13 jan. 2022.

TOURNEAU, François-Michel Le. O governo Bolsonaro contra os Povos Indígenas: as garantias constitucionais postas à prova. Confins [En ligne], 2019. Disponível em: https://journals.openedition.org/confins/22413#text. Acesso em: 21 abr. 2022.

URQUIZA, Antonio Hilário Aguilera. A educação indígena e a perspectiva da diversidade. Revista Contrapontos, v. 11, n. 3, p. 336-348, set./dez. 2011. Disponível em: https://periodicos.univali.br/index.php/rc/article/view/2937/2033. Acesso em: 18 fev. 2022.

VENERE, Mario Roberto; VELANGA, Carmen Tereza. A criança indígena e a Educação Infantil: as complexas relações entre a cultura e a escola na cidade. Tellus, Campo Grande (MS), ano 8, n. 15, p. 175-191, jul./dez. 2008. Disponível em: https://www.tellus.ucdb.br/tellus/article/view/167. Acesso em: 10 maio 2022.

Publicado

09/10/2023

Como Citar

CIRÍACO, K. T.; SANTINO, F. S.; SILVA, D. A. Educação Infantil e Criança Indígena: Uma leitura de “Mundo Matemático” possível a partir das brincadeiras. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 18, n. 00, p. e023092, 2023. DOI: 10.21723/riaee.v18i00.17256. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/17256. Acesso em: 19 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos teóricos