Aposentadoria docente em xeque

O E(e)stado das reformas previdenciárias na Educação Superior Brasileira (1998-2019)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v18i00.17609

Palavras-chave:

Estado e neoliberalismo, Reformas previdenciárias, Aposentadoria docente

Resumo

Pesquisa tipo exploratória, qualitativa, documental e empírica, com aporte da Hermenêutica-dialética e de entrevista. O problema indaga: como a lógica desresponsabilizadora do Estado influencia a percepção de (des)proteção na velhice em docentes da Educação Superior que atingiram idade e tempo de contribuição para aposentadoria, mas continuam trabalhando? O objetivo consiste em caracterizar a crise do Estado capitalista, suas repercussões nas reformas neoliberais que subverteram o caráter protetor da política de seguridade social e os reflexos na educação, por intermédio da adesão de 17 docentes ao Abono de Permanência, numa IFES da Região Norte brasileira. Resultados apontam que: a percepção de desamparo na velhice emerge de perdas e eventuais infortúnios na aposentadoria; então os entrevistados minoram tais dissabores adotando estilo de vida modesto, fazendo reservas financeiras ou projetam retorno ao trabalho, após aposentadoria. Assim, continuar no trabalho, usufruindo de Abono de Permanência, representa a última instância objetiva de proteção do Estado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Revan Araújo de Souza, Universidade Federal do Amapá

Mestrado em Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED/UNIFAP).

Norma-Iracema de Barros Ferreira, Universidade Federal do Amapá

Professora Associada IV. Doutorado em Educação Escolar (UNESP).

Raimundo de Lima Brito, Universidade Federal do Amapá

Mestrado em Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED/UNIFAP).

Referências

ANTUNES, R. O continente do labor. São Paulo: Boitempo, 2009.

ANTUNES, R. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

APPLE, M. W. Educando à direita: mercados, padrões, Deus e desigualdade. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2003.

BEHRING, E. R. Brasil em contrarreforma: desestruturação do Estado e perda de direitos. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

BOBBIO, N. Estado, Governo, Sociedade: para uma teoria geral da política. Tradução: Marco Aurélio Nogueira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

BRASIL. Emenda Constitucional 20, de 15 de dezembro de 1998. Modifica o sistema de previdência social, estabelece normas de transição e dá outras providências. Brasília, DF: Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, 1998. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc20.htm. Acesso em: 24 abr. 2021.

BRASIL. Emenda Constitucional n. 41, de 19 de dezembro de 2003. Modifica os Art. 37, 40, 42, 48, 96, 149 e 201 - CF/88; revoga o inciso IX, § 3º, Art. 142 - CF/88 e dispositivos da EC 20/1998 [...]. Brasília, DF: Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, 2003a. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc41.htm. Acesso em: 29 abr. 2021.

BRASIL. Resolução n. 466, de 12 dezembro de 2012. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, DF: CNS, 2012. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html. Acesso em: 1 abr. 2021

BRASIL. Lei n. 13.183, de 4 nov. 2015. Altera as Leis 8.212/1991 e 8.213/1991, para [...] estabelecer regra de não incidência do fator previdenciário [...] e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13183.htm. Acesso em: 20 fev. 2022.

BRASIL. Emenda Constitucional n. 103, de 12 de novembro de 2019. Altera o sistema de previdência social e estabelece regras de transição e disposições transitórias. Brasília, DF: Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, 2019. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc103.htm.

Acesso em: 7 mar. 2021.

BRASIL. Painel estatístico de pessoal. Brasília, DF: Ministério do Planejamento, 2018. Disponível em: http://painel.pep.planejamento.gov.br/QvAJAXZfc/opendoc.htm?document=painelpep.qvw&lang=en-US&host=Local&anonymous=true. Acesso em: 15 dez. 2018.

CARNOY, M. Educação, economia e Estado: base e superestrutura relações e medições.

ed. São Paulo: Cortez, 1987.

CAVALLIERI, M. P. Estado, Políticas Públicas e Previdência Social: uma análise a partir da aposentadoria por tempo de contribuição. 2009. 104 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Ciências e Letras/UNESP, Araraquara, 2009.

COSTA, G. A. Tríplice visão do envelhecimento: longevidade, qualidade de vida e aspectos biopsicossociais da velhice. Revista da Sociedade Brasileira de Atividade Motora Adaptada – SOBAMA, Marília, v. 8, n. 1, p. 1-50, 2003. Disponível em: http://www.sobama.org.br//arquivos/revistas/sobama/sobama-2003-8-1.pdf. Acesso em: 10 fev. 2019.

DAMASCENO, L. L.; VARGAS, A. R.; MENDES, D. R. G. O Programa Nacional de Formação de Professores (PARFOR) no contexto da racionalidade do Estado moderno: diálogos entre as teorias de Max Weber e de Bresser-Pereira. Revista Exitus, Santarém, v. 12, p. 1-25, 2022. Disponível em: http://www.ufopa.edu.br/portaldeperiodicos/index.php/

revistaexitus/article/view/1694. Acesso em: 5 dez. 2022.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaios sobre a sociedade neoliberal. Tradução: Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2018.

EVANGELISTA, O. (org.). O que revelam os slogans na política educacional. São Paulo: Junqueira e Marin, 2014.

FALEIROS, V. P. A questão da reforma da Previdência Social no Brasil. SER social, Brasília, n. 7, p. 97-116, 2010. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/SER_

Social/article/view/12855. Acesso em: 2 dez. 2022.

FRANÇA, L. H. Influências sociais nas atitudes dos ‘top’ executivos em face da aposentadoria: um estudo transcultural. Rev. Adm. Contemp., Curitiba, v. 13, n. 1, p. 17-35, 1999. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rac/a/KVr9mn87ST4bCg4yZqyL9Rz/?lang=pt. Acesso em: 15 mar. 2018.

GALLO, S. Modernidade/pós-modernidade: tensões e repercussões na produção de conhecimento em educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 551-565, 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/MvmtfSMScW6MmJxZsqsPrzy/.

Acesso em: 10 nov. 2022.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. Tradução: Carlos Szlak. São Paulo: Annablume, 2005.

LAVAL, C. A Escola não é uma empresa. Tradução: Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2018.

LYOTARD, J-F. O pós-moderno. Rio de Janeiro: José Olympio, 1986.

MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

MINAYO, M. C. de S.; DESLANDES, S. F. Hermenêutica-dialética como caminho do pensamento social. In: MINAYO, M. C. de S.; DESLANDES, S. F. (org.). Caminhos do pensamento: epistemologia e método. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2002.

MINAYO, M. C. de S.; DESLANDES, S. F.; GOMES, R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

PERONI, V. M. V.; LIMA, P. V.; KADER, C. R. (org.). Redefinições das fronteiras entre o público e o privado: implicações para a democratização da educação. Rio Grande do Sul: Oikos, 2018.

SANTOS, D. Jr.; SOUZA, K. R. A governança nas instituições de ensino superior públicas brasileiras. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 3,

p. 1532-1557, 2022. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/

view/17085. Acesso em: 22 dez. 2022.

SHIROMA, E. O.; EVANGELISTA, O. Estado, capital e educação: reflexões sobre hegemonia e redes de governança. Revista Educação e Fronteiras On-Line, Dourados, v. 4, n. 11, p. 21-38, maio/ago. 2014. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao

/article/viewFile/4359/2246. Acesso em: 11 nov. 2021.

SILVA, S. G. Travessias entre a sala de aula e o consultório: trajetórias docentes, adoecimento e narrativas de sofrimento psíquico de professores no Amapá. Macapá: UNIFAP, 2018.

UNIFAP. Resolução 05, de 30 de maio de 2012. Aprova ad referendum o Plano de Desenvolvimento Institucional da UNIFAP (2010-2014). Macapá: UNIFAP, 2012.

UNIFAP. Resolução 022, de 14 de agosto de 2015. Aprova ad referendum o Plano de Desenvolvimento Institucional da UNIFAP (2015-2019). Macapá: UNIFAP, 2015.

UNIFAP. Resolução 1, de 6 de fevereiro de 2020. Aprova ad referendum o Plano de Desenvolvimento Institucional da UNIFAP (2020-2024). Macapá: UNIFAP, 2020a.

UNIFAP. Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas. Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos/SIGRH. Ficha de Assentamento Funcional. Macapá: UNIFAP, 2020b.

Publicado

01/12/2023

Como Citar

SOUZA, R. A. de; FERREIRA, N.-I. de B.; BRITO, R. de L. Aposentadoria docente em xeque: O E(e)stado das reformas previdenciárias na Educação Superior Brasileira (1998-2019). Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 18, n. 00, p. e023114, 2023. DOI: 10.21723/riaee.v18i00.17609. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/17609. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos teóricos