“Queremos um lugar para brincar em dia de chuva”

Escuta e impacto das vozes das crianças na autoavaliação institucional da creche

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v18i00.17636

Palavras-chave:

Creche, Escuta, Participação das crianças, Autoavaliação Institucional

Resumo

Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa que objetivou identificar as compreensões das professoras e gestora frente à escuta e participação das crianças de três anos na autoavaliação institucional da creche, e o impacto dessas vozes em suas práticas. Trata-se de um estudo de caso, cujos procedimentos metodológicos foram: análise do Projeto Político-Pedagógico, registro reflexivo da coordenadora e o uso de cartas. O referencial dialogou com os estudos da sociologia e pedagogia da infância, assim como as legislações que regulamentam e orientam o trabalho na Educação Infantil. A análise dos dados revelou que a participação das crianças possibilitou o seu reconhecimento como sujeitos de direito, dentre eles o direito à palavra e à participação. Permitiu às professoras e gestoras assumirem a escuta como uma postura de vida e a creche como um espaço social e cultural em que as crianças têm a possibilidade de viver, democraticamente, suas infâncias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Agleide Jesus Vicente, Secretaria Municipal de Educação

Coordenadora Pedagógica na Prefeitura Municipal de São Paulo – (PMSP). Mestrado profissional em Docência e Gestão Educacional (USCS).

Marta Regina Paulo da Silva, Universidade Municipal de São Caetano do Sul

Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutorado em Educação (UNICAMP).

Referências

ALMEIDA, J. G.; PAIVA H. V. G. A. Avaliação institucional na educação infantil: a participação das crianças na organização do trabalho pedagógico. EccoS, São Paulo, n. 40, p. 83-96, maio/ago. 2016.

BONDIOLI, A.; SAVIO, D. (org.). Participação e Qualidade em Educação da infância: percursos de compartilhamento reflexivo em contextos educativos. [S. l.]: Ed. UFPR, 2013.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 15 abr. 2022.

BRASIL. Decreto n. 99.710, de 21 de novembro de 1990. Promulga a convenção sobre os direitos da criança. Brasília, DF: Presidência da República, 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/d99710.htm. Acesso em: 15 abr. 2022.

BRASIL. Lei n. 13.257, de 8 de março de 2016. Dispõe sobre as políticas públicas para a primeira infância e altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (ECA), do Decreto-Lei nº3.689, de 3 de outubro de 1941 (Código de Processo Penal), a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº5.452, de 1º de maio de 1943, a Lei nº12.662, de 5 de junho de 2012. Brasília, DF: Presidência da República, 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13257.htm. Acesso em: 15 abr. 2021

CAMINI, I. Cartas pedagógicas: aprendizados que se entrecruzam e se comunicam. Porto Alegre: ESTEF, 2012.

CAMPOS, M. M. Por que é importante ouvir a criança? A participação das crianças pequenas na pesquisa científica. In: CRUZ, S. H. V. (org.). A criança fala: escuta de crianças em pesquisas. São Paulo: Cortez, 2008. p. 35-42.

CORSARO, W. A. Reprodução interpretativa e cultura de pares. In: MULLER, F; CARVALHO, A. M. A. (org.). Teoria e prática na pesquisa com crianças: Diálogos com William Corsaro. São Paulo: Cortez, 2009. p. 31-50.

CRUZ, S. H. V. A qualidade da educação infantil, na perspectiva das crianças. In: OLIVEIRA-FORMOSINHO, J. (org.). A escola vista pelas crianças. Porto: Porto Editora, 2008. p. 75-93.

DAHLBERG, G.; MOSS, P.; PENCE, A. Qualidade na educação da primeira infância: perspectivas pós-modernas. Porto Alegre: Penso, 2019.

DEWEY, John. Democracia e Educação: introdução à filosofia da educação. 4. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1979.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo. Brasília, DF: Plano Editora, 2003.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

NASCIMENTO, M. L. B. P. Reconhecimento da sociologia da infância como área de conhecimento e campo de pesquisa: algumas considerações. In: FARIA, A. L. G. de; FINCO, D. (org.). Sociologia da infância no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2011. p. 37-54.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, J. Pedagogia(s) da infância: reconstruindo uma práxis de participação. In: OLIVEIRA-FORMOSINHO, J.; KISHIMOTO, T. M.; PINAZZA, M. A. (org.). Pedagogia(s) da infância: dialogando com o passado: construindo o futuro. Porto alegre: Artmed, 2007. p. 13-36.

PINTO, M.; SARMENTO, M. J. As crianças contextos e identidades. Porto: Universidade do Minho, Centro de Estudos da Criança, 1997.

RIERA, M. A. Do olhar ao observar. In: HOYUELOS, A.; RIERA, M. A. Complexidade e relações na Educação Infantil. São Paulo: Phorte, 2019. p.73-116.

SÃO PAULO (cidade). Indicadores de Qualidade da Educação Infantil Paulistana. São Paulo: SME/DOT, 2016a.

SÃO PAULO (cidade). Projeto Político Pedagógico do CEI. São Paulo: SME/DOT, 2016b.

SÃO PAULO (cidade). Currículo da Cidade: Educação Infantil. São Paulo: SME/COPED, 2019.

SILVA, M. R. P. da. Paulo Freire e as crianças: um convite à infância. Inter-Ação, Goiânia, v.46, n. esp., p. 1009-1019, set. 2021. Disponível em: https://revistas.ufg.br/interacao/article/view/68463. Acesso em: 20 set. 2021.

SILVA, M. R. P. da; FASANO, E. Crianças e infâncias em Paulo Freire. In: SILVA, M. R. P. da; MAFRA, J. F. (org.). Paulo Freire e a educação das crianças. São Paulo: BT Acadêmica, 2020. p. 57-82.

SILVA, T. J. da. Queremos o nosso playground! Participação e cidadania na infância: entraves e possibilidades. Revista Veras, São Paulo, v.5, n. 2, jul./dez. 2015. p. 104-120. Disponível em: http://site.veracruz.edu.br:8087/instituto/revistaveras/index.php/revistaveras/article/view/219. Acesso em: 17 dez. 2021.

TONUCCI, F. O direito de brincar: uma necessidade para as crianças, uma potencialidade para a escola e a cidade. Revista Práxis Educacional, Vitória da Conquista (BA), v. 16, n. 40, p. 234-257, jul./set. 2020. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6897. Acesso em: 19 dez. 2021.

TONUCCI, F. Quando as crianças dizem: agora chega! Porto Alegre: Artmed, 2005.

VICENTE, A. de J. “Queremos um lugar para brincar em dia de chuva”: A participação política das crianças na autoavaliação institucional da creche. 2021. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Municipal de São Caetano do Sul, São Caetano do Sul, SP, 2021.

YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2015.

Publicado

01/12/2023

Como Citar

VICENTE, A. J.; SILVA, M. R. P. da. “Queremos um lugar para brincar em dia de chuva”: Escuta e impacto das vozes das crianças na autoavaliação institucional da creche. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 18, n. 00, p. e023113, 2023. DOI: 10.21723/riaee.v18i00.17636. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/17636. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos teóricos