Timbre n.1 de Edmundo Villani-Côrtes

Análise como ferramenta de ensino para o intérprete

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v18i00.17771

Palavras-chave:

Villani-Côrtes, Timbre n.1, Análise, Ensino, Práticas Interpretativas

Resumo

A temática deste artigo está em apresentar um material analítico sobre o Timbre n.1 de Edmundo Villani-Côrtes, cujo objetivo está em colocar o intérprete na posição ativa de suas escolhas interpretativas, baseadas na reflexão e associação de elementos direcionados para a performance musical. A investigação ocorre através de uma abordagem qualitativa baseada nas referências bibliográficas, entrevista semiestruturada com o compositor e os postulados de Ian Bent (1938). Dentro dos resultados temos: reflexões acerca da importância da construção do conhecimento para o processo de ensino/aprendizado; considerações e reconsiderações do compositor; reflexões sobre a área das práticas interpretativas e análise descritiva dos elementos empregados pelo compositor como ferramenta de descoberta e ensino para o intérprete. Considera-se que o conjunto de dados auxilie o equilíbrio entre a ação objetiva e subjetiva da interpretação musical, fortalecendo o intérprete no cenário da pesquisa acadêmica na área das práticas interpretativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alfeu Araujo, Universidade Estadual de Maringá

Departamento de Música e Artes Cênicas (DMC). Coordenador adjunto do Curso de Música (2022/2024). Doutorado em Música (UNICAMP).

Referências

BENT, I. Analysis. London: Macmillan, 1988.

FILIPPO, D. et al. Metodologia de Pesquisa Científica em Sistemas Colaborativos. In: PIMENTEL, M.; FUKS, H. Sistemas Colaborativos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

FREIRE, P. Educação e Mudança. 34. ed. Tradução: Lílian Lopez Martins. São Paulo: Ed. Paz e Terra, 2011.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Ed. Paz e Terra, 2011.

KAPLAN, J. A. Teoria da aprendizagem pianística: Uma abordagem psicológica. 2. ed. Porto Alegre: Movimento, 1987.

KAPLAN, J. A. Reflexões sobre a técnica pianística. Paraíba: Imprensa Universitária, 1966.

LEIMER, K.; GIESEKING, W. Como devemos estudar piano. Tradução: Tatiana Braunwieser. São Paulo: Ed. Mangione S.A., 1950.

LIMA, S. A. Uma metodologia de interpretação musical. São Paulo: Musa Editora, 2005.

LIMA, S. A. Performance & interpretação musical: Uma prática interdisciplinar. São Paulo: Musa Editora, 2006.

MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa Social Teoria Método e Criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

PAREYSON, L. Estética: Teoria da formatividade. Tradução: Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993.

SÁ PEREIRA, A. Ensino Moderno de Piano. São Paulo: Ricordi, 1964.

SCHOENBERG, A. Harmonia. 2. ed. São Paulo, SP: Editora Unesp, 2012.

SKALINSKI JÚNIOR, O. Técnicas de Entrevista e sua aplicação em Pesquisas Científicas. In: TOLEDO, C. A. A.; GONZAGA, M. T. C. (org.). Metodologia e Técnicas de Pesquisa nas Áreas de Ciências Humanas. Maringá, PR: Eduem, 2011.

ZAMBONI, S. A pesquisa em arte: Um paralelo entre arte e ciência. Campinas, SP: Autores Associados, 1998

Publicado

04/05/2023

Como Citar

ARAUJO, A. Timbre n.1 de Edmundo Villani-Côrtes: Análise como ferramenta de ensino para o intérprete. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 18, n. 00, p. e023030, 2023. DOI: 10.21723/riaee.v18i00.17771. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/17771. Acesso em: 21 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos teóricos