Competências Socioemocionais no Novo Ensino Médio

Interlocução com as recomendações da OCDE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v18i00.18166

Palavras-chave:

Reforma do Ensino Médio, Competências socioemocionais, BNCCEM, OCDE

Resumo

Este texto objetiva situar a estratégia de formação de competências socioemocionais como parte da educação do trabalhador produtivo para a sociedade contemporânea. Sistematizamos os elementos teóricos para interpretação do mundo do trabalho, considerando como categorias a reestruturação produtiva toyostista, a financeirização e suas consequências para ampliação do precariado (HARVEY, 1992; 2018; ASSAD, 2014; MÉSZÁROS, 2002; ALVES, 2007). Nossa metodologia consiste no estudo de documentos da OCDE e do Brasil (OCDE, 2014; 2015; 2017; 2022; BRASIL, 2018) para demonstrar que existe uma tentativa internacional de promover uma governança nas políticas educacionais de modo que institucionalizem o ensino de competências socioemocionais na escola. Ao cotejar documentos internacionais com a Base Nacional Curricular Comum do Ensino Médio (BNCCEM) e a legislação da reforma do Ensino Médio, concluímos que o Brasil tem se alinhado a esta perspectiva, ficando evidente uma tendência de formação escolar das capacidades de adaptação às situações adversas, responsabilização dos indivíduos quando estes não se encaixarem em vínculos empregatícios formais e o estímulo a empreender para buscar renda.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria José Pires Barros Cardozo, Universidade Federal do Maranhão

Professora do Departamento de Educação   II. Doutora em Educação (UFC).

Maria Lilia Imbiriba Sousa Colares, Universidade Federal do Oeste do Pará

Professora do Instituto de Ciências da Educação. Doutora em Educação (UNICAMP). Pesquisadora Produtividade CNPq – Brasil.

Leandro Sartori, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professor do Departamento de Gestão de Sistemas Educacionais da UERJ. Doutor em Educação (UNICAMP).

Referências

ALVES, G. Dimensões da Reestruturação Produtiva: ensaios de sociologia do trabalho. 2. ed. Londrina, PR: Praxis; Bauru, SP: Canal 6, 2007.

ALVES, G. O que é o precariado? Blog Boitempo, 22 jul. 2013. Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2013/07/22/. Acesso em: 12 jun. 2022.

ALVES, A.; KLAUS, V.; LOUREIRO, K. B. Do sonho à realização: pedagogia empreendedora, empresariamento da educação e racionalidade neoliberal. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 47, e226115, 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/5JTnbbHtXwFWkKyq3mqbgNd/. Acesso em: 14 jul. 2023.

ANTUNES, R. Coronavírus: O trabalho sob fogo cruzado. São Paulo: Boitempo. 2020.

ASSAD, L. Precariado: uma nova classe social ou o proletariado que se transforma? Ciência e Cultura, São Paulo, v. 66, n. 3, p. 17-18, 2014. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/pdf/cic/v66n3/v66n3a09.pdf. Acesso em: 03 jul. 2022.

BRASIL. Lei n. 13.415 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nos 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Brasília, DF: MEC, 2017. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13415.htm. Acesso em: 19 maio 2023.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ensino Médio. Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec. gov.br/wp-content/uploads/2018/04/ BNCC_EnsinoMedio_embaixa_site.pdf. Acesso em: 01 maio 2023.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DOLABELA, F. Pedagogia empreendedora. São Paulo: Cultura, 2003.

DUARTE, N. Sociedade do conhecimento ou sociedade das ilusões? Quatro ensaios crítico-dialéticos em filosofia da educação. São Paulo: Autores Associados, 2003

FERNANDES. F. Capitalismo Dependente e Classes Sociais na América Latina. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

GUSMÃO, F. A. F.; SILVEIRA AMORIM, S. Dimensão da Desigualdade Educacional no Ensino Médio: uma reflexão com base no princípio de qualidade e equidade. Revista Exitus, [S. l.], v. 12, n. 1, 2022. Disponível em: http://www.ufopa.edu.br/portaldeperiodicos/index.php/revistaexitus/article/view/1942. Acesso em: 14 maio 2023.

HARVEY, D. A loucura da razão econômica: Marx e o capital no século XXI. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2018.

HARVEY, D. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Loyola, 1992.

HIRATA, H. O(s) mundo(s) do trabalho: convergência e diversidade num contexto de mudança dos paradigmas produtivos. São Paulo, 1996. (mimeo).

KREIN, J. D.; BIAVASCHI, M. de B. Brasil: os movimentos contraditórios da regulação do trabalho nos anos 2000. Cuadernos del CENDES, v. 32, n. 89, p. 47-82, 2015. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/403/40344216004.pdf. Acesso em: 20 jun. 2022.

KUENZER. A. Trabalho e escola: a flexibilização do Ensino Médio no contexto do regime de acumulação flexível. In: Educação &Sociedade, Campinas, SP, v. 38, n. 139, p. 331-354, abr./jun. 2017.

MAGALHÃES, J. E. P. Competências Socioemocionais: gênese e incorporação de uma noção na política curricular e no Ensino Médio. e-Mosaicos, [S. l.], v. 10, n. 23, p. 62–84, 2021. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/e-mosaicos/article/view/46754. Acesso em: 21 maio 2023.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política. 2. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

MÉSZÀROS, I. Para além do capital. São Paulo: Boitempo; Campinas, SP: UNICAMP, 2002.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Perspectiva de Competências OCDE 2013: primeiros resultados do estudo de competências de adultos / OCDE. São Paulo: Fundação Santillana, 2014. E-book.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Education Policy Outlook: Brasil. Paris: OECD Publishing, 2015.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Resumo de resultados nacionais do PISA 2015-BRASIL. 2016. Disponível em www//oced.org.edu/pisa. Acesso em: 19 jun. 2022.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Work on Education & Skills. Paris: OECD Publishing, 2017.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Beyond Academic Learning: first results from the survey of social and emotional skills. Disponível em: https://read.oecd-ilibrary.org/education/beyond-academic-learning_92a11084-en#page2. Acesso em: 21 maio 2023.

RODRIGUES, C. E. S. L. Habilidades Socioemocionais: a OCDE e seu projeto de governança educacional global. 2015. Disponível em: https://www.anped.org.br/biblioteca/item/habilidades-socioemocionais-ocde-e-seu-projeto-de-governanca-educacional-global. Acesso em: 21 maio 2023.

SJOBERG, S. OECD. Pisa, and Globalization. The Influence of the International Assessment Regime. In: TIENKEN, C. H.; MULLEN, C. A. Education Policy Perils. Tackling the Tough Issues. New York: Routledge. 2016. p. 102–133.

Publicado

29/11/2023

Como Citar

CARDOZO, M. J. P. B.; COLARES, M. L. I. S.; SARTORI, L. Competências Socioemocionais no Novo Ensino Médio: Interlocução com as recomendações da OCDE. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 18, n. 00, p. e023110, 2023. DOI: 10.21723/riaee.v18i00.18166. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/18166. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos teóricos