As políticas e os currículos de formação de pedagogos(as) após 2015

Rupturas e padronizações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v18i00.18774

Palavras-chave:

Políticas de formação de professores, Pedagogia, Currículo

Resumo

As políticas de formação de pedagogos após 2015 têm passado por embates e recebido orientações permeadas de rupturas e padronizações. Neste artigo, objetiva-se discutir as disputas nas orientações normativas para a formação de professores(as), especialmente no curso de Pedagogia, e a preocupação com os currículos no período de 2015 a 2019. A metodologia utilizada para a fundamentação teórica corresponde à pesquisa bibliográfica, à busca por legislação pertinente e à consulta documental sobre a temática. Os resultados explicitaram que o debate atual sobre a formação docente se faz tenso, com a possibilidade de retrocesso nos avanços conquistados, mediante um olhar mais conservador e tecnicista da legislação e de interesses políticos orientados pelos preceitos do neoliberalismo. Desse modo, a luta para a manutenção e o avanço das conquistas na área da formação se tornaram imprescindíveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonice Matilde Richter, Universidade Federal de Uberlândia

Professora da Faculdade de Educação, no Núcleo Temático de Política e Gestão da Educação, e no Programa de Pós-graduação em Educação, na Linha de Pesquisa Estado, Política e Gestão da Educação.

Maria Célia Borges, Universidade Federal de Uberlândia

Professora da Faculdade de Educação, no Núcleo Temático de Didática e Ensino Aprendizagem, e no Programa de Pós-graduação em Educação, na Linha de Pesquisa Estado, Política e Gestão da Educação.

Referências

AGUIAR, M. A. da S.; DOURADO, L. F. (org.). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Recife: ANPAE, 2018. E-book.

ANFOPE. FORUNDIR. Posição da ANFOPE e FORUMDIR sobre a Nota Técnica de Esclarecimento sobre a Resolução CNE/CP n. 2, de 20 de dezembro de 2019, publicada pelo CNE em 06 de julho de 2022. 2022. Não paginado. Disponível em: https://sbenq.org.br/wp-content/uploads/2022/07/Posic%CC%A7a%CC%83o-entidades-sobre-Nota-Te%CC%81cnica-do-CNE-v.21jul.pdf. Acesso em: 20 jul. de 2022.

ANFOPE. FORUNDIR. Documento Anfope-Forumdir: orientações para as IES sobre a necessidade de adiamento das alterações nos PPC das Licenciaturas e Pedagogia. 2021. Não paginado. Disponível em: https://www.ufrgs.br/faced/wp-content/uploads/2021/05/DocANFOPE_FORUMDIR-1.pdf. Acesso em: 20 jan. 2022. Não paginado.

APPLE, M. W. Para além da lógica do mercado: compreendendo e expondo-se ao neoliberalismo. Tradução: Gilka Leite Garcia, Luciana Ache. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

ARAÚJO, W. B. A construção do currículo escolar ao horizonte da democracia e da justiça curricular. In: Revista Educação e Políticas em Debate, v. 11, n. 2, p. 612-631, maio/ago. 2022. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/63827/33699. Acesso em: 21 maio 2022.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Presidência da República, 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 10 jan. 2023.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n.1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Brasília, DF: CNE, 2006. Disponível em: https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/view/CNE_rcp0106.pdf?query=LICENCIATURA. Acesso em 20 fev. 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP n. 2/2015, de 9 de junho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Brasília, DF: MEC, CNE, 2015a. Disponível em: https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/view/CNE_PAR_CNECPN22015.pdf?query=Cursos%20T%C3%A9cnicos%20de%20N%C3%ADvel%20M%C3%A9dio. Acesso em: 10 jan. 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP n. 2, de 1º de julho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 2 p. 8-12, jul. 2015b.

BRASIL. Emenda Constitucional n. 95, de 15 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 2, col. 2, 16 dez. 2016.

BRASIL. Lei n. 13.467, de 13 de julho de 2017. Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1º de maio de 1943, e as Leis n. 6.019, de 3 de janeiro de 1974, 8.036, de 11 de maio de 1990, e 8.212, de 24 de julho de 1991, a fim de adequar a legislação às novas relações de trabalho. Diário Oficial da União: Brasília, DF, n. 134, 14 jul. 2017a.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP n. 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 41-44, 22 dez, 2017b.

BRASIL. Lei n. 13.415, de 13 de fevereiro de 2017, institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Diário Oficial da União: Brasília, DF, n. 35, 17 fev. 2017c.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução n. 4, de 17 de dezembro de 2018. Institui a Base Nacional Comum Curricular na Etapa do Ensino Médio (BNCC-EM), como etapa final da Educação Básica, nos termos do artigo 35 da LDB, completando o conjunto constituído pela BNCC da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, com base na Resolução CNE/CP n. 2/2017, fundamentada no Parecer CNE/CP n. 15/2017. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 18 dez. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP n. 22, de 7 de novembro de 2019. Definiu as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica, e instituiu a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília, DF: MEC, CNE, 2019a.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n. 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília, DF: MEC, CNE, 2019b.

BRASIL. Emenda Constitucional n. 103, de 12 de novembro de 2019. Altera o sistema de previdência social e estabelece regras de transição e disposições transitórias. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 1, 13 de nov. 2019c.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Conselho Nacional de Educação. Nota técnica de esclarecimento sobre a Resolução CNE/CP n. 2, de 20 de dezembro de 2019. Brasília, DF: MEC, CNE, 2022. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2022-pdf/238401-nota-de-esclarecimento-sobre-a-resolucao-cnecp-n-2-2019/file. Acesso em: 20 jul. de 2022.

CODATO, A. N. Uma história política da transição brasileira: da ditadura militar à democracia. Revista de Sociologia e Política, [S. l.], n. 25, p. 165-175, nov. 2005. ISSN 1678-9873. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/rsp/article/view/7074/5046. Acesso em: 11 jan. 2023.

DINIZ-PEREIRA, J. E. Nova tentativa de padronização dos currículos dos cursos de licenciatura no Brasil: a BNC-formação. Revista Práxis Educacional, v. 17, n. 46, p. 53-71, jul./set. 2021. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/8916/5833. Acesso em: 10 jun. 2022.

FORPPED. Nota aos Colegiados dos Cursos de Pedagogia das Universidades Estaduais do Paraná. 2022a. Disponível em: https://forpped.wixsite.com/website/nota-de-esclarecimento. Acesso em: 20 jul. 2022.

FORPPED. Nota de esclarecimento aos Colegiados dos Cursos de Pedagogia das Universidades Estaduais do Paraná. 14 jul. 2022b. Disponível em: https://forpped.wixsite.com/website/nota-de-esclarecimento. Acesso em: 20 jul. 2022. Não paginado.

FREITAS, L. C. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTTA, M. A busca de articulação, entre trabalho, ciencia e cultura no ensino médio. In: FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. (org.). Ensino Médio: Ciencia, Cultura e Trabalho. Brasília, DF: MEC/SEMTEC, 2004. p. 11-34.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTTA, M.; RAMOS, M. A política de educação profissional no Governo Lula: um percurso histórico controvertido. Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. 92, out. 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/ynppThv4sMqrxDRg8XLxjqv/?lang=pt. Acesso em: 2 maio 2022.

FRIGOTTO, G. Os circuitos da história e o balanço da educação no Brasil na primeira década do século XXI. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 46, p. 235-254, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-24782011000100013. Acesso em: 23 jun. 2021.

KUENZER, A. Z. Trabalho e escola: a flexibilização do Ensino Médio no contexto do regime de acumulação flexível. Educação & Sociedade, v. 38, n. 139, p. 331-54, abr./jun. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/mJvZs8WKpTDGCFYr7CmXgZt/abstract/?lang=pt. Acesso em: 8 mar. 2023.

LAVAL, C. A Escola não é uma empresa: o neo-liberalismo em ataque ao ensino público. Londrina: Editora Planta, 2004.

LIBÂNEO, J. C. et al. Entrevista com o professor José Carlos Libâneo – o curso de Pedagogia no balanço das Políticas Educacionais. Revista Eletrônica Científica Ensino Interdisciplinar, Mossoró, v. 8, n. 27, 2022. Disponível em: http://periodicos.apps.uern.br/index.php/RECEI/article/view/4250. Acesso em: 12 nov. 2022.

PIOLLI, E. Mercantilização da educação, a reforma trabalhista e os professores: o que vem por aí? In: KRAWCZYK, N.; LOMBARDI, J. C. (org.). O golpe de 2016 e a educação no Brasil. Uberlândia: Navegando Publicações, 2018, p. 101.

PONCE, B. J.; ARAÚJO, W. A justiça curricular em tempos de implementação da BNCC e de desprezo pelo PNE (2014-2024). Revista e-Curriculum, São Paulo, v.17, n.3, p. 1045-1074, jul./set. 2019. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/view/44998/30034. Acesso em: 20 mar. 2021. DOI: 10.23925/1809-3876.2019v17i3p1045-1074.

RICHTER, L. M. et al. Formação do/da Professor/a no Brasil: campo de disputa nas primeiras etapas da educação básica. In: MARIN, V. RIBEIRO, B. L. de O. (org.). Formação de professores em tempos neoliberais. Rio de Janeiro: Autobiografia, 2019.

SAVIANI, D. A crise política e o papel da educação na resistência ao golpe de 2016 no Brasil. In: KRAWCZYK, N.; LOMBARDI, J. C. (org.). O golpe de 2016 e a educação no Brasil. Uberlândia, MG: Navegando Publicações, 2018. p. 28.

TORRES, M. M. de O. Formação de professores: abordagem histórica e políticas curriculares. Revista Educação e Políticas em Debate, v. 8, n. 1, p. 57–72, 2019. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/48797. Acesso em: 20 fev. 2022.

Publicado

07/12/2023

Como Citar

RICHTER, L. M.; BORGES, M. C. As políticas e os currículos de formação de pedagogos(as) após 2015: Rupturas e padronizações. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 18, n. 00, p. e023121, 2023. DOI: 10.21723/riaee.v18i00.18774. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/18774. Acesso em: 17 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos teóricos