Formação de multiplicadores para a prevenção ao uso de drogas e condutas sexuais desprotegidas

Luana Dallo

Resumo


Muito se tem falado sobre sexualidade, AIDS e drogas nos últimos anos. Os adolescentes têm questionamentos sobre esses assuntos e necessitam receber respostas de maneira franca e simples. Entretanto, o ambiente escolar e as pessoas que o compõem, na maioria das vezes, não estão preparados para responder estas dúvidas, podendo até mesmo, por meio da sua fala, deixar transparecer estereótipos de gênero, preconceitos e informações distorcidas. È neste sentido, que se pretende, neste trabalho, discutir a formação de multiplicadores para a prevenção ao uso de drogas e sexo desprotegido. Partindo-se de um estudo teórico, propõe-se analisar brevemente o desenvolvimento de programas de prevenção ao uso de drogas, posteriormente as questões importantes que devem ser incluídas nos projetos preventivos às DSTs/AIDS e, por último, sobre a formação de multiplicadores, os quais seriam os próprios alunos e os professores da escola, e que, assim, poderiam estar unidos no mesmo projeto e num processo de corresponsabilidades. Também se vislumbra a possibilidade de contribuição das metodologias participativas e problematizadoras nestes cursos de formação, pois assim os participantes poderão refletir sobre suas próprias crenças e valores, facilitando o processo de mudança e desconstrução de estereótipos.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v7i2.5398



Direitos autorais 2012 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.