Sociologia da deficiência: vozes por significados e práticas (mais) inclusivas

Franco Ezequiel Harlos, Fátima Elisabeth Denari

Resumo


Na presente pesquisa objetiva-se sistematizar histórias e teorias associadas com a Sociologia da Deficiência, e identificar, nestes elementos sistematizados, vozes para repensar o significado da deficiência e práticas da Educação Especial. Para tanto, percorreu-se na pesquisa bibliográfica e documental 48 obras compiladas, primordialmente, da revista Disability and Society, da Asociación Española de Sociología de la Discapacidad e da base de dados do Centre of Disability Studies da Universidade de Leeds. As obras compiladas foram analisadas por meio de análise categorial. A primeira das categorias identificadas centra-se nas principais interpretações adotadas pelas Ciências da Saúde (paradigma médico) para pensar a deficiência; a segunda, em histórias associadas com a constituição da Sociologia da Deficiência - nos movimentos sociais que, em resposta às interpretações da deficiência adotadas pelas Ciências da Saúde, (re)significaram a deficiência e fundaram os Estudos da Deficiência (Disability Studies); e, a terceira, nas múltiplas faces teóricas da Sociologia da Deficiência e nos novos modelos de compreensão da deficiência. A sistematização do conteúdo desvelou um paradigma sociológico de interpretação da deficiência: este paradigma apresenta vozes por significados e práticas mais inclusivas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v10i1.6560



Direitos autorais 2015 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587, ISSN: 2446-8606.

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.