Educação em sexualidade na educação moral e religiosa católica no 7º ano de escolaridade em Portugal

Autores

  • Cristina de Jesus Rodrigues Mestre em Educação, na área de especialização de Educação para a Saúde. Professora no Agrupamento de Escolas de Freixo, Ponte de Lima, Portugal
  • Teresa Vilaça Doutora em Educação, na área de Metodologia do Ensino das Ciências. Professora de vários Mestrados em Educação e Ciências da Educação, nomeadamente na área de especialização em Educação para a Saúde. Universidade do Minho, Braga, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v8i3.6581

Resumo

Este estudo visou analisar a eficácia da metodologia IVAM (investigação, visão, ação e mudança) no desenvolvimento da competência para a ação na Educação em Sexualidade dos/as alunos/as do 7º ano, de uma turma que trabalhou com grupos separados por sexo (n=24) e outra com grupos mistos, na unidade de ensino “Riqueza e sentido dos afetos” de EMRC. Nesta investigação, entre outros objetivos, pretendeu-se conhecer a perceção dos/as alunos/as sobre o que os/as adolescentes pensam em relação ao desenvolvimento sexual, ao risco e à prevenção do risco, às fontes de informação sobre sexualidade e ao uso dos Serviços de Saúde pelos/as adolescentes. A análise de conteúdo da entrevista de grupo focal aplicada a grupos unissexo (n♀=2; n♂=2) no início e no fim do projeto educativo, mostrou que inicialmente os/as alunos/as demonstraram uma perceção do desenvolvimento sexual centrada na dimensão biológica, embora as raparigas evidenciassem uma visão mais globalizada. Os/As alunos/as percecionaram que as relações com os pais e pares são geridas de forma distinta conforme o sexo e os rapazes revelaram uma visão estereotipada dos papéis de género. Durante o projeto, na seleção dos problemas a resolver sobre sexualidade, os grupos de raparigas foram mais coesos e corporativos. Os grupos mistos tiveram uma perceção mais clara sobre as diferenças de género no reconhecimento e expressão dos seus problemas e no conhecimento sobre as causas e consequências dos mesmos. Os rapazes demonstraram alguma resistência em refletir e criar visões para o futuro, contudo, os/as alunos/as comprometeram-se individual e coletivamente na realização das ações. Na avaliação do projeto, os/as alunos/as referiram que se sentiram auto e co-educadores. Estes resultados mostraram que no futuro é importante aplicar a metodologia IVAM na ES recorrendo preferencialmente a grupos mistos.

Downloads

Como Citar

RODRIGUES, C. de J.; VILAÇA, T. Educação em sexualidade na educação moral e religiosa católica no 7º ano de escolaridade em Portugal. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 8, n. 3, p. 561–576, 2014. DOI: 10.21723/riaee.v8i3.6581. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/6581. Acesso em: 25 fev. 2021.

Edição

Seção

Artigos