Aplicação e uso do software quimsimulator na disciplina de química

Simone Moraes Stange

Resumo


Descreve as características e possibilidades de usos do aplicativo QuimSimulator, software idealizado como ferramenta de ensino-aprendizagem na disciplina de Química. Relaciona uma série de conceitos e argumentações que, num primeiro tempo, embasam os pressupostos pelos quais o projeto se orientou, num segundo tempo, validam os determinantes de público-alvo, atividades e perfiz de aplicação. Possibilita afirmar o alinhamento dos interesses de desenvolvimento de um processo pedagógico mais atual e dinâmico com as possibilidades de uso deste tipo de ferramenta.

Palavras-chave


Ensino de química. Artefatos de comunicação. Processo pedagógico. Cultura digital.

Texto completo:

PDF

Referências


AUSUBEL, D. P. A aprendizagem significativa: a teoría de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982.

BERNARDELLI, M. S. Encantar para ensinar - um procedimento alternativo para o ensino de química. In: Convenção Brasil Latino América, Congresso Brasileiro e Encontro Paranaense de Psicoterapias Corporais. 1., 4., 9., 2004, Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu: Centro Reichiano, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Média e Tecnológica (Semtec). PCN + Ensino médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais: ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília: MEC; Semtec, 2002.

CASTILHO, D. L.; SILVEIRA, K. P.; MACHADO, A. H. As aulas de química como espaço de investigação e reflexão. Quím. Nov. Esc., v. 9, p. 14-17, maio 1999.

CHASSOT, A. Catalisando transformações na educação. Ijuí: Ed. Inijuí, 1993.

CRAWFORD, C. The art of digital game design. Vancouver: Washington State University, 1982.

DALLABRIDA, N. A reforma Francisco Campos e a modernização nacionalizada do ensino secundário. Educação, Porto Alegre, v. 32, n. 2, p. 185-191, maio/ago. 2009.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Unesp, 2000.

JUUL, J. Half-Real: video games between real rules and fictional worlds. London: The MIT Press, 2005.

LOPES, A. R. C. Reações químicas: fenômeno, transformação e representação.Quím. Nov. Esc., n. 2, nov. 1995.

MALDANER, O. A.; PIEDADE, M. C. T. Repensando a química: a formação de equipes de professores/pesquisadores como forma eficaz de mudança da sala de aula de química. Quím. Nov. Esc., n. 1, p. 15-19, maio 1995.

MEIRA, S. Cadê os jogos educacionais móveis? Dia a dia, bit a bit, 2014. Disponível em: . Acesso em: jun. 2016.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

SILVA, R. B.; GROCHOCKI, L. R.; MERKLE, L. E. Implantação de robótica educacional em Guarapuava/PR. In: SILVEIRA, R. A.; FERREIRA FILHO, R. C. M. Ações institucionais de avaliação e disseminação de tecnologias educacionais. 1.ed. Porto Alegre JSM Comunicação, 2011.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Mapeamento da indústria brasileira e global de jogos digitais. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2014. Disponível em: http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/seminario/seminario_mapeamento_industria_games042014_Relatorio_Final.pdf. Acesso em: 19 out. 2016.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp3.2017.10088



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.