O trabalho do professor EBTT: entre a exigência do capital e a possibilidade humana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v22i3.11894

Palavras-chave:

Gerencialismo. Trabalho docente. Professor EBTT. Sofrimento.

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir o trabalho do professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT) do Instituto Federal Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO), a partir da análise do Regulamento da Atividade Docente (RAD), buscando compreender sua relação com as demandas do sistema neoliberal e o modelo gerencial na educação. Como suporte para nosso estudo, buscamos fundamentos em alguns conceitos de Dejours (2007), tais como sofrimento e prazer no trabalho, de Bauman (2005) sobre a modernidade, de Antunes e Praun (2015) saúde e trabalho e Sennett (2009) consequências do novo capitalismo para a personalidade do trabalhador. Além disso, trazemos Pacheco (2010) para discutir as questões relacionadas aos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia e os Professores EBTT, bem como a Lei de criação dos Institutos Federais - Lei nº 11.892/2008. Esta pesquisa caracteriza-se como uma pesquisa bibliográfica-documental que, além do levantamento teórico dos conceitos relacionados, analisou a Resolução nº 33/2017 que instituiu o RAD, regulamento que orienta as atividades e carga horária de trabalho do professor EBTT do IFRO. Os dados apontam para a complexificação do trabalho do professor EBTT, que o impele a exercer atividades além da docência e demanda uma flexibilidade que corrobora os achados teóricos sobre a pressão psicológica exercida pelas demandas do modelo gerencial nas instituições de ensino que podem, sobremaneira, intensificar o trabalho do professor, criando tensão entre as exigências do modelo do capital flexível e das possibilidades humanas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Washington de Amorim Jr, Instituto Federal de Rondônia - IFRO

Mestrando em Psicologia, na linha de Pesquisa de Psicologia Escolar e Processos Educativos. Graduado em Administração pela Universidade Federal de Rondônia (2012) e Aperfeiçoamento em Gestão de Microempresa (2000-2001), capacitação para ALI - Agentes Locais de Inovação (2015) e diversos em Língua Inglesa. Tem experiência na área de Administração com ênfase em Endomarketing e de Gestão de Microempresa. Desenvolveu pesquisa sobre Gestão da Comunicação Interna na Organização. Atuou como docente de Língua Inglesa desde 1996 a 2016. Possui experiência em prestação de consultoria em Língua Inglesa, Tradução e Interpretação. Concluiu o Ensino Médio em Denver - EUA, possui certificado Internacional de Professor de Língua Inglesa como Língua Estrangeira (Teaching English as a Foreign Language - TEFL, 2003) e certificados de High Proficiency in English pelo Hansa Language Center em Toronto (CA, 2003 e 2011). Atuou como professor da Educação Básica, Técnica e Tecnológica (EBTT) desde junho/2016 no IFAM. Atualmente é professor EBTT do Instituto Federal de Rondônia - campus Porto Velho Zona Norte - onde atua na área de Administração.

Vanderléia de L. Dal Castel Schlindwein, Universidade Federal de Rondônia. Docente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia (MAPSI-UNIR)

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (1996), mestrado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2003) e doutorado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio grande do Sul (2007). Atualmente é adjunto iii da Universidade Federal de Rondônia. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Saúde mental e trabalho, atuando principalmente nos seguintes temas: saúde do trabalhador, saúde mental relacionado ao trabalho, serviço público, violência no trabalho e assédio moral.

Luís Alberto Lourenço de Matos, Universidade Federal de Rondônia. Docente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia (MAPSI-UNIR)

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal de Uberlândia (1985), mestrado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (2000) e doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (2005). Atualmente é professor associado da Universidade Federal de Rondônia. Tem experiência na área de Psicologia, atuando principalmente nos seguintes temas: estresse, burnout, enfrentamento (coping) e psicodinâmica do trabalho.

Referências

ANTUNES, Ricardo; PRAUN, Luci. A sociedade dos adoecimentos no trabalho. Serv. Soc. Soc; São Paulo, n. 123, p. 407-427, jul./set. 2015.

ARAÚJO, Suêldes de; CASTRO, Alda Maria Duarte Araújo. Gestão educativa gerencial: superação do modelo burocrático? Ensaio: Aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 19, n. 70, p. 81-106, jan./mar. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v19n70/v19n70a06.pdf . Acesso: 10 maio 2018.

BAUMAN, Zigmund. Vida líquida. Tradução Carlos Alberto Medeiro. 2ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

BRASIL. Lei de criação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia - Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm. Acesso: 18 maio 2018.

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. 8. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

DEJOURS, Christophe. A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

GAULEJAC, V. A NGP: a nova gestão paradoxal. In: BENDASSOLLI, P. F.; SOBOLL, L. A. P. (Orgs). Clínicas do trabalho: Novas perspectivas para compreensão do trabalho na atualidade. São Paulo: Atlas, 2011, p. 84-98.

IFRO. Resolução n.º 33/REIT - CONSUP/IFRO, de 02 de junho de 2017 - Regulamento de Atividades Docentes - RAD do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia. Disponível em: http://www.ifro.edu.br/consup/index.php?option=com_docman&task=doc_details&gid=859&Itemid=11. Acesso: 12 maio 2018.

PACHECO, Eliezer Moreira. Os Institutos Federais: uma revolução na Educação Profissional e Tecnológica. Natal: IFRN, 2010.

RIBEIRO, Carla Vaz dos Santos e LEDA, Denise Bessa. O trabalho docente no enfrentamento do gerencialismo nas Universidades Federais Brasileiras: repercussões na subjetividade. Educação em Revista, 2016, vol.32, n.4, pp.97-117. ISSN 0102-4698. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/edur/v32n4/1982-6621-edur-32-04-00097.pdf. Acesso em: 05 jul. 2018.

SENNETT, Richard. A corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. 14. ed. Rio de Janeiro: Record, 2009.

TARDIF, Maurice e LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Tradução de João Batista Kreuch. 9. Ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

Downloads

Publicado

01/12/2018

Como Citar

DE AMORIM JR, J. W.; SCHLINDWEIN, V. de L. D. C.; MATOS, L. A. L. de. O trabalho do professor EBTT: entre a exigência do capital e a possibilidade humana. Revista on line de Política e Gestão Educacional, [S. l.], v. 22, n. 3, p. 1217–1232, 2018. DOI: 10.22633/rpge.v22i3.11894. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/11894. Acesso em: 9 mar. 2021.

Edição

Seção

Artigos