O trabalho do professor EBTT: entre a exigência do capital e a possibilidade humana

Jorge Washington de Amorim Jr, Vanderléia de L. Dal Castel Schlindwein, Luís Alberto Lourenço de Matos

Resumo


Este artigo tem como objetivo discutir o trabalho do professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT) do Instituto Federal Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO), a partir da análise do Regulamento da Atividade Docente (RAD), buscando compreender sua relação com as demandas do sistema neoliberal e o modelo gerencial na educação. Como suporte para nosso estudo, buscamos fundamentos em alguns conceitos de Dejours (2007), tais como sofrimento e prazer no trabalho, de Bauman (2005) sobre a modernidade, de Antunes e Praun (2015) saúde e trabalho e Sennett (2009) consequências do novo capitalismo para a personalidade do trabalhador. Além disso, trazemos Pacheco (2010) para discutir as questões relacionadas aos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia e os Professores EBTT, bem como a Lei de criação dos Institutos Federais - Lei nº 11.892/2008. Esta pesquisa caracteriza-se como uma pesquisa bibliográfica-documental que, além do levantamento teórico dos conceitos relacionados, analisou a Resolução nº 33/2017 que instituiu o RAD, regulamento que orienta as atividades e carga horária de trabalho do professor EBTT do IFRO. Os dados apontam para a complexificação do trabalho do professor EBTT, que o impele a exercer atividades além da docência e demanda uma flexibilidade que corrobora os achados teóricos sobre a pressão psicológica exercida pelas demandas do modelo gerencial nas instituições de ensino que podem, sobremaneira, intensificar o trabalho do professor, criando tensão entre as exigências do modelo do capital flexível e das possibilidades humanas.


Palavras-chave


Gerencialismo. Trabalho docente. Professor EBTT. Sofrimento.

Texto completo:

PDF XML

Referências


ANTUNES, Ricardo; PRAUN, Luci. A sociedade dos adoecimentos no trabalho. Serv. Soc. Soc; São Paulo, n. 123, p. 407-427, jul./set. 2015.

ARAÚJO, Suêldes de; CASTRO, Alda Maria Duarte Araújo. Gestão educativa gerencial: superação do modelo burocrático? Ensaio: Aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 19, n. 70, p. 81-106, jan./mar. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v19n70/v19n70a06.pdf . Acesso: 10 maio 2018.

BAUMAN, Zigmund. Vida líquida. Tradução Carlos Alberto Medeiro. 2ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

BRASIL. Lei de criação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia - Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm. Acesso: 18 maio 2018.

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. 8. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

DEJOURS, Christophe. A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

GAULEJAC, V. A NGP: a nova gestão paradoxal. In: BENDASSOLLI, P. F.; SOBOLL, L. A. P. (Orgs). Clínicas do trabalho: Novas perspectivas para compreensão do trabalho na atualidade. São Paulo: Atlas, 2011, p. 84-98.

IFRO. Resolução n.º 33/REIT - CONSUP/IFRO, de 02 de junho de 2017 - Regulamento de Atividades Docentes - RAD do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia. Disponível em: http://www.ifro.edu.br/consup/index.php?option=com_docman&task=doc_details&gid=859&Itemid=11. Acesso: 12 maio 2018.

PACHECO, Eliezer Moreira. Os Institutos Federais: uma revolução na Educação Profissional e Tecnológica. Natal: IFRN, 2010.

RIBEIRO, Carla Vaz dos Santos e LEDA, Denise Bessa. O trabalho docente no enfrentamento do gerencialismo nas Universidades Federais Brasileiras: repercussões na subjetividade. Educação em Revista, 2016, vol.32, n.4, pp.97-117. ISSN 0102-4698. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/edur/v32n4/1982-6621-edur-32-04-00097.pdf. Acesso em: 05 jul. 2018.

SENNETT, Richard. A corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. 14. ed. Rio de Janeiro: Record, 2009.

TARDIF, Maurice e LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Tradução de João Batista Kreuch. 9. Ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v22i3.11894



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.