Biscatinha: uma visão decolonial acerca da marginalidade imposta a meninas dentro do contexto da escola

Autores

  • Ana Cláudia Magnani Delle Piagge Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP
  • Tatiane Pereira de Souza Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Pontal – MG

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v24iesp3.14446

Palavras-chave:

Educação, Gênero, Mulheres/meninas, Pensamento crítico

Resumo

Esse artigo tem como proposta abordar a discussão do gênero no cotidiano escolar referente ao tratamento dispensado para meninas e mulheres na sociedade. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica sustentada em autores e autoras decoloniais, dos estudos culturais, da diversidade etnicorracial e de gênero nas ciências humanas e sociais, bem como a observação in loco do cotidiano escolar. Nesse sentido, compreendemos que o corpo da menina, dentro da escola, vem sendo educado, conformado, desumanizado para justificar um modelo impositivo de padrões de comportamento e pensamento normativo na sociedade, fato que colabora com o nosso entendimento acerca da urgência em promovermos mais discussões a respeito dessa temática.

Biografia do Autor

Ana Cláudia Magnani Delle Piagge, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Mestranda no Programa de Pós-graduação em Educação Sexual.

Tatiane Pereira de Souza, Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Pontal – MG

Professora no Instituto de Ciências Humanas do Pontal/ICHPO. Doutorado em Ciências Sociais (UNESP).

Referências

ARENDT, H. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. Trad. José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo: a experiência vivida. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1967.

BRASIL. Ministério da Cultura. A carta de Pero Vaz de Caminha. s/d. Disponível em: http://objdigital.bn.br/Acervo_Digital/livros_eletronicos/carta.pdf. Acesso em: 15 ago. 2020.

BUTLER, J. O que é a crítica? Um ensaio sobre a virtude de Foucault. Trad. Gustavo Hessmann Dalaqua. Cadernos de ética e filosofia política, n. 22, p. 159-179, 2013.

CARNEIRO, E. O quilombo dos palmares. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1958.

CURIEL, O.; GENEROSO, L. M. A. Crítica pós-colonial a partir das práticas políticas do feminismo antirracista. Revista De Teoria Da História, v. 22, n. 2, p. 231-245, 2019. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/teoria/article/view/58979. Acesso em: 19 ago. 2020.

EAGLETON, T. A ideia de cultura. Trad. Sandra Castello Branco. São Paulo: Editora UNESP, 2011.

FANON, F. Os condenados da terra. Lisboa: Editora Ulisseia, 1965.

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Trad. Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

FEMENÍAS, M. L. A crítica de Judith Butler a Simone de Beauvoir. Sapere Aude, Belo Horizonte, v. 3, n. 6, p. 310-339, 2012.

FOUCAULT, M. História da sexualidade 2. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 23. ed. São Paulo: Graal, 2004.

FREYRE, G. Casa grande & senzala: formação da família brasileira sobre o regime da economia patriarcal. 24. ed. São Paulo: Círculo do Livro, 1968.

GOMES, N. L. Trajetórias escolares, corpo negro e cabelo crespo: reprodução de estereótipos ou ressignificação cultural? Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, n. 21, p. 40-51, dez. 2002. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782002000300004

LACERDA, M. B. Colonização dos corpos: ensaio sobre o público e o privado. Patriarcalismo, patrimonialismo, personalismo e violência contra as mulheres na formação do Brasil. Orientador: Carlos Alberto Plastino. 2010. 114 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=16570@1. Acesso em: 26 ago. 2020.

LOURO, G. L (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

MORAN, J. M. A educação que desejamos, novos desafios e como chegar lá. Papirus Editora, 2014.

SCHWARTZ, S. B. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial, 1550-1835. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar? Trad. Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa e André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

RIBEIRO, P. R. M.; MONTEIRO, S. A. S. Avanços e retrocessos da educação sexual no Brasil: apontamentos a partir da eleição presidencial de 2018. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, p. 1254-1264, jun., 2019. ISSN 1982-5587. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.2.12701

VIEIRA, H. Introdução ao pensamento de Judith Butler. Evento Sympla, ago./set. 2020. Curso on line, evento encerrado. Planejamento e organograma disponíveis em: https://www.sympla.com.br/introducao-ao-pensamento-de-judith-butler-com-helena-vieira__940972. Disponível em: 9 out. 2020.

Publicado

28/12/2020

Como Citar

PIAGGE, A. C. M. D.; SOUZA, T. P. de. Biscatinha: uma visão decolonial acerca da marginalidade imposta a meninas dentro do contexto da escola. Revista on line de Política e Gestão Educacional, [S. l.], v. 24, n. esp3, p. 1884–1899, 2020. DOI: 10.22633/rpge.v24iesp3.14446. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/14446. Acesso em: 8 mar. 2021.