(Des) politização

Mulher, mãe e professora no ensino remoto em tempos de crise

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v26iesp.4.17116

Palavras-chave:

Sociedade de classe, Patriarcado, Interseccionalidade, Distanciamento social

Resumo

Os escritos textuais fazem referência a uma pesquisa de estágio pós-doutoral do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Ceará, Área de Concentração Educação Brasileira. Objetivou-se compreender implicações sociais e pedagógicas do isolamento social na vida de mulheres professoras do Ensino Médio Integrado do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) Campus Canindé no contexto da pandemia do coronavírus. A submissão das mulheres pela naturalização biológica e social advém da imposição cultural por gerações. Esta problemática agravou-se ainda mais no período de isolamento social. Cada vez mais dentro de casa, as mulheres foram sobrecarregadas de atividades. Marcadores teórico-metodológicos aferiram que as mulheres precisam conhecer o sistema social e cultural que as fazem submergir. Urge a mobilização de mulheres com potencial político de articulação para a desconstrução opressora e desmistificação das conexões sociais e culturais do aprisionamento feminino; propostas afirmativas, com ações compensatórias focadas nas diferenças desiguais devem ser efetivadas para o alcance da igualdade de gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cleide da Silva Ribeiro Leite, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), Baturité – CE – Brasil

Professora. Departamento de Ensino. Pós-doutora em educação.

Patrícia Helena Carvalho Holanda, Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza – CE– Brasil

Professora. Departamento de Ensino. Pós-doutorado em educação.

Referências

AKOTIRENE, C. Interseccionalidade. São Paulo: Pólen, 2019.

CARNEIRO, S. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011.

CNTE. CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO. Trabalho Docente em Tempos de Pandemia. Relatório Técnico. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, Grupo de Estudos sobre Política Educacional e Trabalho Docente (GESTRADO/UFMG), 2020.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, v. 10, n. 1, p. 171-188, jan. 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/mbTpP4SFXPnJZ397j8fSBQQ/?format=html&lang=pt. Acesso em: 06 jun. 2021.

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

DELPHY, C. O inimigo principal: A economia política do patriarcado. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 17, p. 99-119, maio/ago. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcpol/a/wwgKkcLrkZv5qgnF6kRQfXs/?lang=pt&format=html. Acesso em: 08 set. 2021.

FAIRCLOUGH, N. Critical Discourse Analysis: The critical studyof language. 2. ed. Harlow, 2010.

FALQUET, J. Por uma anatomia das classes de sexo: Nicole-Claude Mathieu ou a consciência das oprimidas. Lutas Sociais, São Paulo, v. 18, n. 32, p. 09-23, jan./jun. 2014. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/ls/article/view/25688. Acesso em: 20 maio 2021.

FIRMINO, N. C. S. et al. Os saberes docentes no ensino remoto emergencial: Experiências no estado do Ceará. Revista Eletrônica Científica Ensino Interdisciplinar, Mossoró, v. 7, n. 21, jun. 2021. Disponível em: http://natal.uern.br/periodicos/index.php/RECEI/article/view/3210. Acesso em: 01 jul. 2021.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas, 2007.

GUILLAUMIN, C. Racism, sexism, power and ideology. Nova York: Taylor & Francis e-Library, EUA, 2003.

HELLER, A. O cotidiano e a história. 11. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

HOLANDA, P. H. C.; CAVALCANTE, M. J. M. Do Amor ao Casamento: Análise de um manual de preparação das moças para assumir os deveres de esposa, mãe, dona-de-casa, em circulação no nordeste do Brasil em meados do século XX. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 7., 2013, Mato Grosso. Anais [...]. Universidade Federal de Mato Grosso, 2013.

LEMES, S. S.; SANTOS CRUZ, J. A. Editorial, v. 24, n. 1, jan./abr. 2020: O silêncio – ou apatia – da Universidade, a crise e a erosão da razão democrática. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 24, n. 1, p. 1-3, 2020. DOI: 10.22633/rpge.v24i1.13420. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/13420. Acesso em: 11 abr. 2022.

MAHDI, N.; PIRANI, S. Educação política sábia: Características, princípios e eficiência. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 25, n. 3, p. 2641–2654, set./dez. 2021. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/15471. Acesso em: 11 abr. 2022.

MARTINS, I. Home Office deve ser tendência entre empresas após a pandemia. Jornal Correio Brasiliense, Trabalho e Formação, 05 jul. 2020. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/eu-estudante/trabalho-e-formacao/2020/07/05/interna-trabalhoeformacao-2019,869603/home-office-deve-ser-tendencia-entre-empresas-apos-a-pandemia.shtml. Acesso em: 08 jun. 2021.

MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

PAULO, P. P. Uma em cada quatro mulheres foi vítima de algum tipo de violência na pandemia no Brasil. G1 SP, jun. 2021. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2021/06/07/1-em-cada-4-mulheres-foi-vitima-de-algum-tipo-de-violencia-na-pandemia-no-brasil-diz-datafolha.ghtml. Acesso em: 10 jul. 2021.

PERROT, M. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.

PPC. Projeto Pedagógico do Curso Técnico Integrado ao Ensino Médio em Eletrônica. Ceará: PPC do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará- IFCE, Campus Canindé, 2020.

SANTIAGO, A. P. Um ano fora do tempo. In: SENA, I. P. F. S.; MORAIS, T. C. A. (org.). Durante a pandemia: Um saldo parcial de nós mesmos. Porto Alegre: Editora Fi, 2021.

SANTOS, B. S. A cruel pedagogia o vírus. Coimbra: Boitempo, 2020.

SAVIANI, D.; GALVÃO, A. C. Educação na pandemia: A falácia do “ensino” remoto. Universidade e Sociedade, n. 67, p. 36-49, jan. 2021. Disponível em: https://docente.ifrn.edu.br/julianaschivani/disciplinas/midias-educacionais/educacao-na-pandemia-a-falacia-do-201censino201d-remoto/view. Acesso em: 18 ago. 2021.

SILVA, L. I. L. Lula faz discurso eleitoral e critica Bolsonaro em ato de 1º de Maio. São Paulo: UOL, 2021. 1 vídeo (5 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=1AR9D-j_f6k Acesso em: 10 jun. 2021.

TABET, P. La grande arnaque. Sexualité des femmes et échange économico-sexuel. L’Harmattan. Paris: Bibliothèque du féminisme, 2004.

ZANELLI, J. C. Pesquisa qualitativa em estudos da gestão de pessoas. Estudos de psicologia, Natal, v. 7, p. 79-88, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/epsic/a/GdRk6zHHNz4yL6NBsH6P4yH/abstract/?lang=pt. Acesso em: 22 maio 2021.

Publicado

01/09/2022

Como Citar

LEITE, M. C. da S. R.; HOLANDA, P. . H. C. (Des) politização: Mulher, mãe e professora no ensino remoto em tempos de crise. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 26, n. esp.4, p. e022102, 2022. DOI: 10.22633/rpge.v26iesp.4.17116. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/17116. Acesso em: 13 abr. 2024.