A influência da construção de papeis sociais de gênero na escolha profissional

Autores

  • Flaviane Izidro Alves de Lima
  • Ana Elisa Gambarti Teixeira Voig
  • Marianne Ramos Feijó
  • Mario Lázaro Camargo
  • Hugo Ferrari Cardoso

DOI:

https://doi.org/10.30715/rbpe.v19.n1.2017.10818

Palavras-chave:

Gênero. Escolha profissional. Orientação profissional.

Resumo

A educação sexista é transmitida dentro e fora das escolas por meio das relações sociais dos indivíduos, o que contribui para que homens e mulheres (re)produzam lugares sociais diferentes a partir da atribuição de papeis sociais de gênero. Esse processo leva a construção de diferentes formas de comportamentos, interesses e escolhas, inclusive, relacionadas ao trabalho. Realizou-se uma revisão bibliográfica, nas bases de dados: portal de periódicos eletrônicos de Psicologia (PePSIC) da Biblioteca Virtual em Saúde - Psicologia (BVS-PSI), Scientific Eletronic Library Online (SCIELO), bem como no banco de teses da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e nos livros e periódicos catalogados na biblioteca da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, campus de Bauru, a fim de investigar como a educação, formal e informal, permeada por questões de gênero, influenciam os interesses e escolhas profissionais. Constatou-se a importância da reflexão e da discussão sobre questões de gênero no tocante aos interesses e escolhas profissionais e a consequente produção de novos estudos sobre o tema, já que as desigualdades de gênero vividas na sociedade e, portanto, nas organizações de trabalho, limitam escolhas, relações, o desenvolvimento e, podem prejudicar a saúde das pessoas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AVILA, R. C.; PORTES, E. A. A tríplice jornada de mulheres pobres na universidade pública: trabalho doméstico, trabalho remunerado e estudos. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.20, n.3, p.809-832, 2012.

BARDAGI. M. P.; HUTZ, C. S. Mercado de trabalho, desempenho acadêmico e o impacto sobre a satisfação universitária. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, v.46, n.1, p.183-198, 2012.

BELLUCCI, N. P. Estranhamento; alienação e discriminação de gênero: o trabalho da mulher professora. In: ENCONTRO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO E MARXISMO, 5., 2011, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC, 2011. Disponível em: http://www.5ebem.ufsc.br/trabalhos/eixo_03/e03f_t003.pdf. Acesso em: 5 jun. 2014.

BOCK, S. D. Orientação profissional: a abordagem sócio-histórica. 3.ed. São Paulo: Cortez, 2006.

BORDO, S. R. O corpo e a reprodução da feminidade: uma apropriação feminista de Foucault. In: JAGGAR, A.; BORDO, S. R. Gênero, corpo e conhecimento. Tradução de Britta Lemos de Freitas. Rio de Janeiro: Record: Rosa dos Tempo. 1997. p.19-41. Disponível em: https://crabgrass.riseup.net/assets/127594/versions/1/Jaggar, %20Alis%20%26%20Bordo,%2

Susan%20G%C3%AAnero,%20Corpo,%20Sexualidade.pdf. Acesso em: 10 jan. 2015.

BRAGA, M. M.; PEIXOTO, M. do C. L.; BOGUTCHI, T. F. Tendências da demanda pelo ensino superior: estudo de caso da UFMG. Cadernos de pesquisa, São Paulo, n.113, p.129-152, jul. 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/n113/a07n113.pdf. Acesso em: 20 set. 2014.

CHIES, P. V. Identidade de gênero e identidade profissional no campo de trabalho. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.18, n.2, p.507-528, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2010000200013. Acesso em: 24 abr. 2014.

DANIEL, C. O trabalho e a questão de gênero: a participação de mulheres na dinâmica do trabalho. O social em questão, Rio de Janeiro, v.14, n.25/26, p.323-344, 2011. Disponível em: http://osocialemquestao.ser.puc-rio.br/media/17_OSQ_25_26_Daniel.pdf. Acesso em: 13 maio 2014.

FEIJÓ, M. R.; MACEDO, R. M. Gênero, cultura e rede social - a construção social da desigualdade por meio da linguagem. Nova Perspectiva Sistêmica, Rio de Janeiro, n.44, p.21-34, 2012.

FERTRIN, R. B.; VELHO, L. M. L. Mulheres em construção: o papel mulheres mutirantes na construção de casas populares. Estudos Feministas, Florianópolis, v.18, n.2, p.585-606, 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ ref/arti

cle/view/S0104-026X210000200017/7/13760. Acesso em: 1 dez. 2016.

FOX, R. L.; LAWLESS, J. L. Entrando na arena? gênero e a decisão de concorrer a um cargo eletivo. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n.8, p.129-163, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbcpol/n8/06.pdf>. Acesso em: 3 jun. 2014.

FURLANI, J. Educação sexual: possibilidades didáticas. In: LOURO, G. L.; FELIPE, J.; GOELLNER, S. V. (Org.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. 8.ed. Petrópolis: Vozes, 2012. p.66-81.

GOULART JÚNIOR, E. et al. Exigências familiares e do trabalho: um equilíbrio necessário para a saúde de trabalhadores e organizações. Pensando famílias, Porto Alegre, v.17, n.1, jul. 2013. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&

pid=S1679-494X2013000100011&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 11 nov. 2014.

GRAF, L. P.; COUTINHO, M. C. Entre aves, carnes e embalagens: divisão sexual e sentidos do trabalho em abatedouro avícola. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.20, n.3, p.761-783, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v20n3/09.pdf. Acesso em: 17 set. 2014.

LOMBARDI, M. R. Profissão: oficial engenheira naval da Marinha de Guerra do Brasil. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.18, n.2, p.529-546, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v18n2/14.pdf. Acesso em: 27 ago. 2014.

LOURO, G. L. Currículo, gênero e sexualidade – O “normal”, o “diferente” e o “excêntrico”. In: LOURO, G. L.; FELIPE, J; GOELLNER, S. V. (Org.). Corpo, gênero e sexualidade – um debate contemporâneo na educação. 8.ed. Petrópolis: Vozes, 2012. p.41-52.

LOURO, G. L.; FELIPE, J.; GOELLNER, S. V. (Org.). Corpo, gênero e sexualidade – um debate contemporâneo na educação. 5.ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

MADALOZZO, R. CEOs e composição do conselho de administração: a falta de identificação pode ser motivo para existência de teto de vidro para mulheres no Brasil?. Revista Administração Contemporânea, Curitiba, v.15, n.1, p.126-137, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rac/v15n1/v15n1a08.pdf. Acesso em: 3 jun. 2014.

MADALOZZO, R.; MARTINS, S. R.; SHIRATORI, L. Participação no mercado de trabalho e no trabalho doméstico: homens e mulheres têm condições iguais? Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.18. n.2, p.547-566, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v18n2/15.pdf. Acesso em: 27 ago. 2014.

MADUREIRA, A. F. do A.; BRANCO, A. U. Identidades sexuais não-hegemônicas: processos identitários e estratégias para lidar com o preconceito. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v.23, n.1, p.81-90, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ptp/v23n1/a10v23n1.pdf. Acesso em: 1 dez. 2010.

MAIA, A. C. B. et al. Educação sexual na escola a partir da psicologia histórico-cultural. Psicologia em Estudo, Maringá, v.17, n.1, p.151-156, jan./mar. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722012000100017. Acesso em: 1 dez. 2013.

MARTINS, L. M. O desenvolvimento do psiquismo e a educação escolar: contribuições à luz da psicologia histórico cultural e da pedagogia histórico-crítica. 2011. 249f. Tese (Livre-Docência em Psicologia) – Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2011.

MELO, M. C. M. Gênero e universidade: a presença da mulher aluna nos cursos do Centro de Ciências Exatas e Tecnologia da Universidade Federal do Maranhão. 2013. 106f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2013. Disponível em: http://www.tedebc.ufma.br/tde_arquivos/11/TDE-2014-01-16T103704Z835/Publico/DISSE RTACAO%20MARIA%20CELIA.pdf. Acesso em: 10 ago. 2014.

MENEZES, A. B. de C.; BRITO, R. C. S. Diferenças de gênero na preferência de pares e brincadeiras de crianças. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v.26, n.1, p.193-201, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prc/v26n1/21.pdf. Acesso em: 31 maio 2014.

MIGUEL, L. F.; BIROLI, F. Práticas de gênero e carreiras políticas: vertentes explicativas. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.18, n.3, p.653-679, set./dez. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v18n3/v18n3a03.pdf. Acesso em: 31 maio 2014.

MORENO, M. Como se ensina a ser menina: o sexismo na escola. São Paulo: Moderna; Campinas: Ed. da Unicamp, 1999.

NEPOMUCENO, R. F.; WITTER, G. P. Influência da família na decisão profissional: opinião de adolescentes. Psicologia Escolar e Educional, São Paulo, v.14, n.1, p.15-22, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pee/v14n1/v14n1a02.pdf. Acesso em: 31 maio 2014.

NICOLAU, S. M.; SCHRAIBER, L. B.; AYRES, J. R. de C. M. Mulheres com deficiência e sua dupla vulnerabilidade: contribuições para a construção da integralidade em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.18, n.3, mar. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232013000300032&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 maio 2014.

NOGUEIRA, C. Questões de gênero na orientação vocacional – (re)construir novos discursos na prática. In: SEMINÁRIO "ORIENTAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL NA PROMOÇÃO DA IGUALDADE DE OPORTUNIDADES. 2001. Reconstruir os nossos olhares: o papel da orientação escolar e profissional na promoção da igualdade de oportunidades. Coimbra: ME- DREC, 2001. p.19-36. Disponível em: https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/4128/1/capitulo%20quest%C3%B5es%20de%20genero%20na%20orienta%C3%A7%C3%A3o%20vocacional.pdf. Acesso em: 15 abr. 2015.

POCINHO, M. D. et al. Influência do gênero, da família e dos serviços de psicologia e orientação na tomada de decisão de carreira. Revista Brasileira de Orientação Profissional, Florianópolis, v.11, n.2, p.201-212, 2010. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbop/v11n2/v11n2a05.pdf. Acesso em: 17 abr. 2014.

PRAUN, A. G. Sexualidade, gênero e suas relações de poder. Revista Húmus, São Luís, v.1, n.1, p.55-65, 2011. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/revistahumus/article/view/1641/1302. Acesso em: 25 mar. 2014.

RABELO, A. O. Professores discriminados: um estudo sobre os docentes do sexo masculino nas séries do ensino fundamental. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.39, n.4, p.907-925, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v39n4/aop1132.pdf. Acesso em: 17 abr. 2014.

RABELO, A. O. “Eu gosto de ser professor e gosto de crianças” – a escolha profissional dos homens pela docência na escola primária. Revista Lusófona de Educação, Lisboa, n.15, p.163-173, 2010. Disponível em: http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/rle/n15/n15a12. Acesso em: 17 abr. 2014.

REIS, A. P. Z. dos; GOMES, C. A. Práticas pedagógicas reprodutoras de desigualdades: a sub-representação de meninas entre alunos superdotados. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.19, n.2, p.503-520, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v19n2/v19n2a13.pdf. Acesso em: 5 jun. 2014.

RIBEIRO, C. M. Crianças, gênero e sexualidade: realidade e fantasia possibilitando problematizações. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.19, n.2, p.605-614, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v19n2/v19n2a20.pdf>. Acesso em: 5 jun. 2014.

SAAVEDRA, L. Assimetrias de género nas escolhas vocacionais. In: PINTO, T. (Coord.). Guião de Educação Género e Cidadania: 3º ciclo do ensino básico. Lisboa: Comissão para a cidadania e igualdade de género, 2009. p.121-129.

SANTOS, L. M. O papel da família e dos pares na escolha profissional. Psicologia em Estudo, Maringá, v.10, n.1, p.57-66, jan./abr. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pe/v10n1/v10n1a07.pdf>. Acesso em: 15 abr. 2015.

SIFUENTES, L.; RONSINI, V. O que a telenovela ensina sobre ser mulher? reflexões acerca das representações femininas. Revista Famecos, Porto Alegre, v.18. p.131-146, 2011. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/view/8802. Acesso em: 31 maio 2014.

SILVA, F. F.; RIBEIRO, P. R. C. A inserção das mulheres na ciência: narrativas de mulheres cientistas sobre a escolha profissional. Linhas Críticas (UnB), Brasília, v.18, p.171-191, 2012. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/arti

cle/view/6830. Acesso em: 31 maio 2014.

SILVA, S. S. da C. et al. Rede social e papéis de gênero de casais ribeirinhos de uma comunidade amazônica. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v.26, n.4, p.605-612, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-37722010000400004&script=sci_arttext. Acesso em: 4 jun. 2014.

WHITAKER, D. C. A. Menino-menina – sexo ou gênero? alguns aspectos cruciais. In: BINO, R. V.; GRANDE, M. A. R. L. (Org.). A escola e seus alunos: o problema da diversidade cultural. São Paulo: Ed. da UNESP, 1995. p.31-52.

Downloads

Publicado

01/01/2017

Como Citar

LIMA, F. I. A. de; VOIG, A. E. G. T.; FEIJÓ, M. R.; CAMARGO, M. L.; CARDOSO, H. F. A influência da construção de papeis sociais de gênero na escolha profissional. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 19, n. 1, p. 33–50, 2017. DOI: 10.30715/rbpe.v19.n1.2017.10818. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/10818. Acesso em: 24 maio. 2022.