Os desafios docentes e as contribuições das tecnologias educacionais no ensino e aprendizagem de língua inglesa: cenários contemporâneos

Helenilson Ferreira de Sousa, Francisco Renato Lima

Resumo


O presente artigo objetiva apresentar uma visão acerca dos desafios dos educadores e as contribuições das tecnologias educacionais no ensino de Língua Inglesa (LI) na contemporaneidade e suas implicações no contexto escolar. Busca-se demonstrar o papel do livro didático, a abordagem sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação (TICs) no ensino de LI, a avaliação e a necessidade de formação continuada de professores. A metodologia parte de uma abordagem qualitativa, aplicada por meio da pesquisa bibliográfica, fundamentada em autores como: Almeida; Valente (1997), Demo (1994/2008), Freire (1997), Hoffman (2003), Libâneo (2014), Moran (2000), Perrenoud (2000), entre outros. As reflexões apontam que as dificuldades dos docentes em introduzir essas ferramentas são devido a vários fatores, como: estrutura física do ambiente escolar, exaustiva carga horária do docente, ausência de formações específicas para o uso em sala de aula, falta de instrumentos pedagógicos, bem como a postura tradicional dos docentes e gestores.


Palavras-chave


Aprendizagem; Língua Inglesa; Professor; Tecnologias Educacionais

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Fernando José; VALENTE, José Armando. Visão analítica da informática na educação no Brasil: a questão da formação do professor. Revista Brasileira de Informática na Educação – Número 1, p. 1-28, 1997. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2016.

ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de; RUBIM, Lígia Cristina Bada. O papel do gestor escolar na incorporação das TIC na escola: experiências em construção e redes colaborativas de aprendizagem. São Paulo: PUC-SP, 2004. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2016.

BRASIL. Lei Federal nº 9. 394. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: MEC, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). Língua Estrangeira. Ensino Fundamental. Terceiro e quarto ciclos. Brasília: MEC/FS, 1997.

BRASIL. Resolução CNE/CP Nº 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF: MEC/CNE, 2002. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2016.

BRITO, Glaucia da Silva; PURIFICAÇÃO, Ivonélia da. Educação e novas tecnologias: um repensar. Curitiba: Ibpex, 2006.

CORACINI, Maria José Rodrigues Faria. O livro didático nos discursos da linguística aplicada e da sala de aula. In: CORACINI, M. J. R. F. Interpretação, autoria e legitimação do livro didático: língua materna e língua estrangeira. São Paulo; Campinas: Pontes, 1999, p. 17-26.

COSTA, Walison Paulino de Araújo. Percorrendo as imagens do livro didático de Língua Inglesa com vistas para além dos territórios nativos da anglofonia: uma análise de suas páginas de abertura. 2016. 216 f. Tese (Doutorado em Linguística) - Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2016.

COUNCIL, British. O ensino de inglês na educação pública brasileira: elaborado com exclusividade para o British Council pelo Instituto de Pesquisas Plano CDE. 1. ed. São Paulo, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2016

DEMO, Pedro. Educação e qualidade. Campinas: Papirus, 1994.

DEMO, Pedro. TICs e educação. 2008, p. 03-17. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2010.

DIEUZEIDE, Henri. Tecnologia Educativa y desarollo de la educación. In: UNESCO – Ano Internacional de La educaion, nº 8 CREFAL, 1970.

DIONÍSIO, Ângela Paiva. Livros didáticos de Português formam professores? Simpósios [do] Congresso Brasileiro de Qualidade na Educação: formação de professores. Brasília: MEC, SEF, 2002. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2016.

FONTENELE, Lissa Mara Saraiva. Análise de materiais didáticos em inglês como LE: ideologia e relações de hegemonia. 2005. 169 p. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual do Ceará, 2005.

FREIRE, Paulo. Política e educação. São Paulo: Cortez, 1997.

HOFFMAN, Jussara. Avaliação: mito & desafio - uma perspectiva construtivista. Porto Alegre: Mediação, 2003.

LEITE, Tânia Azevedo. A seleção do material didático para o ensino de língua inglesa. 2003. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade do Vale do Itajaí, 2003.

LIBÂNEO, José Carlos. Organização e gestão da escola: teoria e prática. Goiânia: Alternativa, 2014.

LIMA, Nayra Silva; SILVA FILHO, Marcelo Nicomedes dos Reis. A abordagem comunicativa no processo de aquisição de língua inglesa. Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado - Letras - UEMS/Campo Grande, v. 3, nº 9, mar. 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2016

MORAES, Maria Candida. Subsídios para fundamentação do programa nacional de informática na educação. Secretaria de Educação à Distância, Ministério de Educação e Cultura, 1997.

MORAN, José Manuel et al. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 6. ed. Campinas: Papirus, 2000.

PAIVA, Vera Lucia Menezes de Oliveira e. O. Memórias de Aprendizagem de Professores de Língua Inglesa. Contexturas, n. 9, p. 63-78, 2006. Disponível em: . Acesso em: 05 jun. 2016.

PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000.

PIAGET, Jean. Psicologia e Pedagogia. Tradução: Dirceu Lindoro e Rosa M. R. da Silva. Rio de Janeiro: Forence Universitária, 1970.

REINALDO, Maria Augusta Gonçalves de Macedo. Teoria e prática na formação do professor. Anais do II Congresso Internacional da ABRALIN (Curitiba), Fortaleza: UFC, v. II, p. 163-165, 2003.

TILIO, Rogério Casanovas. O livro didático de inglês em uma abordagem sócio-discursiva: culturas, identidades e pós-modernidade. 2006. 258 f. Tese (Doutorado em Letras) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de Letras, 2006. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2016.

VALLIN, Celso. Escola, projetos e novas tecnologias. Publicado em 2007. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2010.




DOI: https://doi.org/10.29051/rel.unesp.v4.n2.2018.10969



Direitos autorais 2018 Revista EntreLínguas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Rev. EntreLínguas, Araraquara, SP, Brasil. e-ISSN: 2447-3529, ISSN: 2447-4045

DOI Prefix: 10.02951/rel

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.