“Lá vem a aula que eu não aprendo nada”: insucesso na aprendizagem de língua inglesa como segunda língua

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29051/el.v6i2.13219

Palavras-chave:

Língua inglesa, Escolas públicas, Ensino e aprendizagem.

Resumo

O presente artigo versa sobre os motivos que podem influenciar no insucesso do ensino e da aprendizagem de língua inglesa no contexto de escola pública. Buscou-se, com essa pesquisa, compreender os fatores que podem influenciar para o mau funcionamento na interação professor-aluno dentro da sala de aula. Foram utilizados aportes teóricos sobre o ensino de língua inglesa como língua estrangeira, para entender de quais formas o ensino vem sendo compreendido. Os dados apresentados foram obtidos através de uma pesquisa na literatura disponível sobre o ensino de língua inglesa dentro das instituições públicas de ensino básico. Foram encontrados e destacados três motivos que estão diretamente ligados ao insucesso na aprendizagem e ensino de língua inglesa.

Biografia do Autor

Ueverson Mendes Oliveira, Secretaria da Educação do Estado da Bahia, Salvador – BA

Professor de Língua Inglesa. Especialista em Práticas Assertivas da Educação Profissional Integrada à EJA (IFRN).

Referências

ANJOS, F. A dos. Appropriate Pedagogy to Teach English: Contemporary Tendency Focusing on Non-Native. ELT Forum: Journal of English Language Teaching, Semarang (Indonésia), v. 8, n. 1, p. 14-24, 29 jul. 2019. Disponível em: https://journal.unnes.ac.id/sju/index.php/elt/article/view/27778. Acesso em: 7 out. 2019.

ANJOS, F. A. dos. “Pra quê aprender inglês se não vou para os Estados Unidos: um estudo sobre atitudes de alguns alunos da escola pública em relação à aprendizagem do inglês como LE”. 2013 Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2013.

ANJOS, F. A. dos; SCHEYERL, D. C. de M. Mapeando Atitudes, (Des) Motivação e Orientação para Aprender Inglês. Línguas & Letras, Cascavel, v. 19, n. 44, p. 59-74, dez. 2018. e-ISSN 1981-4755. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/linguaseletras/article/view/20260. Acesso em: 22 ago. 2019.

ANJOS, F. A. dos; SIQUEIRA, D. S. P. Ensino de inglês como língua franca na escola pública: por uma crença no seu (bom) funcionamento. Muitas Vozes, Ponta Grossa, v. 1, n. 1, p. 127-149, 2012.

ANTUNES, I. Língua, texto e ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

BARROS, K. “sou do Candyall Guetho Square, sou do mundo e tenho algo para lhe falar”: a contação de histórias como ação social nas aulas de inglês como língua franca (ILF) no Candeal. Orientadora: Denise Chaves de Menezes Scheyerl. 2017. 237 f. Tese (Doutorado em Língua e Cultura) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017. Disponível em: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/26648. Acesso em: 22 ago. 2019.

CRUZ, D. T. O ensino de língua estrangeira como meio de transformação social. In: SCHEYERL, D.; MOTA, K. (org.). Espaços linguísticos: resistências e expansões. Salvador: EDUFBA, 2006. p. 25-56.

CRUZ, G. F. da.; ROCHA LIMA, J. Quem faz o ensino de inglês na escola (não) funcionar? In: LIMA, D. C. de. (org.). Inglês em escola pública não funciona? Uma questão de múltiplos olhares. São Paulo: Parábola, 2014. p. 185-196.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Record, 1999.

GONÇALVES, E. P. Iniciação à pesquisa científica. Campinas, SP: Editora Alínea, 2001.

LEFFA, V. J. Pra que estudar inglês, profe? Auto-exclusão em língua-estrangeira. Claritas, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 47-65, maio 2007. Disponível em: http://www.leffa.pro.br/textos/trabalhos/auto_exclusao_le.pdf. Acesso em: 9 out. 2019.

LIMA, G. P. Breve trajetória da língua inglesa e do livro didático de inglês no Brasil. Londrina, 2008.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária Ltda, 1996.

MOITA LOPES, L. P. Oficina de linguística aplicada. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1996.

SCHEYERL, D. C. de M. Ensinar língua estrangeira em escolas públicas noturnas. In: LIMA, D. C. Ensino e aprendizagem de língua inglesa: conversas com especialistas. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. p. 125-139.

SIQUEIRA, D. S. P. Inglês como língua franca: O desafio de ensinar um idioma desterritorializado. In: GIMENEZ, T.; CALVO, L.; EL KADRI, M. (org.). Inglês como língua franca: ensino-aprendizagem e formação de professores. São Paulo: Pontes Editores, 2011. p. 87-115.

SIQUEIRA, D. S. P. Inglês como língua internacional: por uma pedagogia intercultural crítica. Orientadora: Denise Chaves de Menezes Scheyerl. 2008. 359 f. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2008. Disponível em: http://www.repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/11607. Acesso em: 10 ago. 2019.

SIQUEIRA, D. S. P. O desenvolvimento da consciência intercultural crítica como forma de combate à suposta alienação do professor brasileiro de inglês. Revista Inventário, Ondina (Universidade Federal da Bahia), v. 4. jul. 2005. Disponível em: http:www.Inventario.ufba.br/04/04ssiqueira.htm. Acesso em: 7 out. 2019.

Publicado

26/08/2020

Edição

Seção

Artigos