Por uma história da apreciação musical na escola brasileira: as ideias dispostas nos manuais didáticos do canto orfeônico

Paulo Constantino

Resumo


Reconstitui os percursos da atividade de apreciação musical na escola brasileira, compondo uma historiografia sobre elementos que são mínimos e esparsos, por meio de pesquisa bibliográfica. A ênfase recai sobre o período de desenvolvimento e vigência oficial do Canto Orfeônico [entre as décadas de 1930-1960] no país, do qual se apresentam as ideias sobre apreciação presentes em sete manuais didáticos difundidos à época. A predominância dos aspectos de performance e educação cívica no Canto Orfeônico relegaram a apreciação como atividade pedagógica a um plano secundário, e seu reconhecimento será posto somente após a segunda metade do século XX: por razões tecnológicas, com a popularização das gravações ou registros fonográficos; e pela introdução de uma literatura no país que reconheceria o caráter basilar da atividade nos processos de educação musical.

Palavras-chave


História da educação musical; Apreciação musical; Cultura escolar; Canto orfeônico.

Texto completo:

PDF PDF (Español (España)) XML

Referências


ALMEIDA, J. M. Aulas de canto orfeônico. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1955.

ARRUDA, Y. Q. Elementos de canto orfeônico. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1945.

BASTIÃO, Z. A. Apreciação musical expressiva: uma abordagem para a formação de professores de música da educação básica. Salvador: EDUFBA, 2014.

BENNETT, A. Popular music and youth culture: music, identity and place. London: Palgrave, 2000.

BRASIL. MEC. Base Nacional Comum Curricular. Proposta preliminar, 2ª versão revista. MEC: Brasília, 2016. Disponível em: < http://basenacionalcomum.mec.gov.br/documentos/bncc-2versao.revista.pdf >. Acesso em 02 fev. 2017.

BRASIL. MEC. Ministério da Educação apresenta avanços da terceira versão da Base Comum Curricular. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/component/content/index.php?option=com_content&view=article&id=44481:ministerio-da-educacao-apresenta-avancos-da-terceira-versao-da-base-comum-curricular&catid=211&Itemid=86 >. Acesso em: 02 fev. 2017.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J-C. Os herdeiros: os estudantes e a cultura. Florianópolis: Editora UFSC, 2015.

CASTAGNA, P. Música na América portuguesa. In: MORAES, J. G. V; SALIBA, E. T. (Org). História e música no Brasil. São Paulo: Alameda, 2010. p. 35-78.

COPLAND, A. Como ouvir e entender música. Rio de Janeiro: Artenova, 1974.

FILHO, C. Apreciação musical: subsídios técnico-estéticos. São Paulo: Fermata do Brasil, 1971.

FONTERRADA, M. T. O. De tramas e fios: um ensaio sobre música e educação. 2 ed. São Paulo: UNESP / FUNARTE, 2008.

FUCCI-AMATO, R. Escola e educação musical: (des) caminhos históricos e horizontes. Campinas: Papirus, 2012.

FUCCI-AMATO, R. Breve retrospectiva histórica e desafios do ensino de música na educação básica brasileira. Revista Opus, v. 12, p. 144-166, 2006.

FUCCI-AMATO, R. O canto coral como prática sócio-cultural e educativo-musical. Revista Opus, v. 13, n. 1, p. 75-96, jun., 2007.

FUKS, R. O discurso do silêncio. Rio de Janeiro: Enelivros, 1991.

FUKS, R. A educação musical da Era Vargas: seus precursores. In: OLIVEIRA, A.; CAJAZEIRA, R. (Org.). Educação Musical no Brasil. Salvador: P&A, 2007. p. 18-23.

HARGREAVES, D. J; HARGREAVES, J. J.; NORTH, A. C. Imagination and creativity in music listening. In: HARGREAVES, D.; MIELL, D.; MACDONALD, R. Musical imaginations: multidisciplinary perspectives in creativity, performance and perception. London, New York: Oxford University Press, 2012. p. 156-172.

HENTSCHKE, L.; OLIVEIRA, A. Educação musical no Brasil. In: HENTSCHKE, L. (Org.). Educação musical em países de línguas neolatinas. Porto Alegre: Editora Universidade/UFRGS, 2000. p. 47-64.

HERSCHMANN, M. Indústria da música em transição. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2010.

INEP. Música para a escola elementar. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos, 1955.

JANNIBELLI, E. D. A musicalização na escola. Rio de Janeiro: Lidador, 1971.

JULIA, D. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, n. 1, p. 09-43, jan./jun., 2001.

LAZZARIN, L. F. Ouvir música com significado: um desafio possível. In: BEYER, E. (Org). Ideias em educação musical. Porto Alegre: Editora Mediação 1999. p. 74-87.

LIMA, F. A. O canto orfeônico no curso secundário. São Paulo: Editora Paulo de Azevedo, 1954.

MARIZ, V. História da música no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005.

MORAES, J. G. V.; SALIBA, E. T. (Org). História e música no Brasil. São Paulo: Alameda, 2010.

NOGUEIRA, L. W. M. Música em Campinas nos últimos anos do Império. Campinas: Editora da Unicamp, CMU, 2001.

OLIVEIRA, A.; CAJAZEIRA, R. (Org.) Educação musical no Brasil. Salvador: P & A, 2007.

REGO, L. Manual de canto orfeônico. Porto Alegre: Editora Globo, 1952.

REIMER, B. A philosophy of music education. New Jersey: Prentice Hall, 1989.

RIBEIRO, O. Canto orfêonico – primeira série. São Paulo: Editora Paulo de Azevedo, 1955.

SCHAFER, M. O ouvido pensante. São Paulo: UNESP, 1991.

SCHAFER, M. Educação sonora. São Paulo: Editora Melhoramentos, 2009.

SNYDERS, G. A escola pode ensinar as alegrias da música? São Paulo: Cortez, 2008.

SOUZA, J. A educação musical no Brasil dos anos 1930-1945. In: OLIVEIRA, A; CAJAZEIRA, R. (Org.) Educação musical no Brasil. Salvador: P & A, 2007. p. 13-17.

SOUZA, J. Sobre as várias histórias da educação musical no Brasil. Revista da ABEM, Londrina, v. 22, n. 33, p. 109-120, jul./dez. 2014.

SWANWICK, K. Ensinando música musicalmente. São Paulo: Moderna, 2003.

SWANWICK, K. Música, mente e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

VIDAL, D. G.; FILHO, L. M. As lentes da história: estudos de história e historiografia no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2005.

VILLA-LOBOS, H. Canto orfeônico - 1º volume. Rio de Janeiro; São Paulo: Irmãos Vitale, 1937.

VILLA-LOBOS, H. Canto orfeônico - 2º volume. Rio de Janeiro; São Paulo: Irmãos Vitale, 1951.

VILLA-LOBOS, H. Villa-Lobos por ele mesmo – pensamentos. In: RIBEIRO, J. C. (Org.). O pensamento vivo de Villa-Lobos. São Paulo: Martin Claret, 1987.

WUYTACK, J.; PALHEIROS, G. B. Audição musical activa. Porto: Associação Wuytack de Pedagogia Musical, 1995.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.unesp.v13.n4.out/dez.2018.10087



Direitos autorais 2018 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587, ISSN: 2446-8606.

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.